Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


19 de Mar de 2019 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Permanece gravíssimo estado de uma das gêmeas - Jornal Brasil em Folhas
Permanece gravíssimo estado de uma das gêmeas


Com a temática Solidariedade combina com a sua Fantasia. Doe Sangue, Doe Vida, o Hemocentro de Goiás quer aumentar em 30% a quantidade de doação de sangue, com a participação de doadores na Campanha Pré-Carnaval da unidade. Durante os feriados, há maior demanda por transfusões, indispensáveis para manutenção da vida. “Para atender a todos que desejam colaborar, o Hemocentro organizou programação especial para o período”, anuncia o diretor de Captação do Hemocentro, Marcos Antônio de Oliveira.

Para ser doador é necessário ter boa saúde, pesar acima de 50 quilos, ter de 16 a 69 anos (menores de idade precisam de autorização), não estar em jejum, ter doado sangue há, no mínimo, dois meses para homens e três meses para mulheres.

Programação Especial

Sábado – 30/1 (das 7h30 às 12 h).
Sábado – 6/2 ( das 7h30 às 12 h).
Quarta-feira – 10/02 (7h30 às 18 h).
Endereço: O Hemocentro fica na Avenida Anhanguera, número 5.195, Setor Campinas, em Goiânia.

Ao empossar, nesta sexta-feira, dia 29, os novos auxiliares, o governador Marconi Perillo criticou a atuação de segmentos políticos que se opõem à modernização da área da educação em Goiás. “O Brasil vive uma crise moral, política, de credibilidade; uma crise econômica sem precedentes. E é impressionante como os que estão acuados por conta de muitos erros cometidos tentam nos colocar na vala comum. Há uma iniciativa deliberada de setores radicais no País no sentido de tentar nos nivelar a eles. Não no aspecto moral – eu sou quatro vezes governador e não há nenhuma ação contra mim; mas no sentido político”, declarou.

Referiu-se, em seguida, a um vídeo que assistiu pela manhã em que o líder do MST, João Pedro Stédile, discursa convocando alunos a invadirem escolas. “Hoje cedo vi um vídeo que fiquei estarrecido. O presidente nacional do MST, o invasor número Um de terras, de propriedades no Brasil, incitando os alunos a invadirem escolas. Com que objetivo? Tentar criar uma cizânia maior no País, como se os problemas já fossem poucos?”, indagou.

“No passado, tentaram me criminalizar por conta de uma casa que eu vendi, escriturei, coloquei no meu imposto de renda, vendi em um preço, e hoje aparece dinheiro no estrangeiro, triplex de empreiteira. E aí? Eu quase fui imputado em uma CPI por conta de uma casa que eu vendi, que era minha; que eu comprei, paguei. Eles vão fazendo tudo quanto é tipo de falcatrua no País e tentam nos colocar no mesmo nível. Tentam criar um clima de instabilidade contra, por exemplo, uma política na qual estamos apostando para melhorar a educação”, completou.

Marconi afirmou que o principal objetivo do governo estadual ao propor a gestão compartilhada com Organizações Sociais (OSs) é transformar as escolas do Estado em instituições de Primeiro Mundo. “O que eu quero é que as nossas escolas sejam escolas padrão Primeiro Mundo. É isso que eu quero. Ontem de novo foi divulgado o ranking de instituições de pesquisa em inovação no mundo e, de novo, dentre as cem melhores instituições do mundo, não aparece nenhuma instituição brasileira. Dentre as 200 universidades mais importantes do mundo, não aparece nenhuma brasileira”, informou.

“Ora, está tudo errado. É preciso que saiamos do mais do mesmo, da mesmice e tentar ações que efetivamente façam a diferença. Eu não iria colocar em risco a minha história, minha biografia, meu nome, os quatro mandatos que o povo me entregou para inventar algo que amanhã pudesse sair contra os alunos. E outra coisa: nós não estamos mentindo em nada, e é incrível as mentiras que eles inventam nas redes sociais. Nós estamos desmentindo agora na televisão, mostrando que a escola vai continuar pública, e porque nós queremos que filho de pobre estude em escola como se fosse de filho de rico, sem pagar nada, para ter os melhores empregos, entrar nas melhores universidades. Não há outro desejo a não ser esse”, observou.

Lembrou que nas áreas da Cultura e Saúde a gestão com OSs deu certo, e que a experiência exitosa é a garantia de que na Educação também será eficaz. “Nós estamos mudando a saúde, e se deu certo em uma área tão difícil como a saúde, que não podemos esperar dois minutos para salvar uma vida, senão a gente perde aquela vida, como não vai dar certo na educação? Temos uma excelente experiência e não querem aceitar que nós discutamos. E eu sei por que não querem. Não querem porque, se der certo, vai acabar com o corporativismo atrasado, retrógrado”, afirmou.

Marconi reiterou que os desafios de modernizar a administração pública são grandes, e que o governo persistirá na luta pelo rompimento de paradigmas. “Uma das características dos nossos governos foi a inovação permanente. Esse debate da OS estamos discutindo algo propositivo para o futuro e vamos continuar assim”, enfatizou.

 

Últimas Notícias

Receita cria chat para regularizar débitos de pessoas físicas
MP facilita registro de empresas nas juntas comerciais
Mudança em servidor foi a causa de instabilidade ontem, diz Facebook
Corte de pessoal gera economia de R$ 200 milhões, afirma presidente
TCU pede informações antes de decidir sobre leilão de ferrovia
Leilão de aeroportos testa novo modelo em blocos
Pretendentes já ofertaram R$ 2,3 bi no leilão de aeroportos
Aeroportos foram arrematados com ágio médio de 986%

MAIS NOTICIAS

 

Sul do Chile enfrenta 45 focos de incêndios florestais
 
 
Governo de Minas oferece suporte psicossocial às vítimas de Brumadinho
 
 
Força Nacional de Segurança começa a deixar o Ceará
 
 
Licitação de ônibus em São Paulo tem contratos de R$ 71 bi em 20 anos
 
 
Força Nacional vai atuar em Belém na primeira quinzena de março
 
 
Fiocruz alerta para agravamento de doenças na população após tragédia

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2017 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212