Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


17 de Fev de 2019 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Conta-petróleo registra superávit pelo terceiro mês seguido - Jornal Brasil em Folhas
Conta-petróleo registra superávit pelo terceiro mês seguido


A conta-petróleo, balanço que registra as exportações e importações de petróleo e derivados pelo Brasil, teve superávit pelo terceiro mês consecutivo em outubro. As vendas do combustível fóssil para o exterior superaram as compras em US$ 331 milhões no mês passado.

Com o resultado, o déficit da conta-petróleo está em US$ 114 milhões de janeiro a outubro, bem abaixo do registrado para igual período de 2015, quando o saldo negativo era US$ 4,5 bilhões.

Caso haja mais resultados positivos, de forma a zerar o déficit até dezembro, a conta-petróleo, tradicionalmente deficitária, pode encerrar o ano com superávit pela primeira vez na série histórica do governo.

Segundo Herlon Brandão, diretor do Departamento de Estatística e Apoio à Exportação do Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços, o principal motivo para os resultados positivos do balanço é a queda do preço do petróleo.

“Quando cai o preço [do petróleo], caem tanto as exportações quanto as importações”, explicou o diretor. Outras razões, segundo Brandão, são o aumento do volume exportado de petróleo e a redução do consumo doméstico devido à retração da atividade econômica.

Queda das exportações

Em outubro, as exportações brasileiras somaram US$ 13,7 bilhões. A média diária, que corresponde ao valor negociado por dia útil, ficou em US$ 686,1 milhões, valor 10,2% menor do que o registrado em outubro de 2015. Houve queda nas vendas de todos os grupos de produtos, com destaque para os básicos.

O valor vendido de produtos não industrializados caiu 18,6% na comparação com outubro de 2015, segundo o critério da média diária. Os ganhos com manufaturados caíram 4% e o valor arrecadado com os semimanufaturados recuou 0,4%, de acordo com o mesmo critério.

O mês registrou superávit de US$ 2,3 bilhões porque as importações recuaram 15%, mais do que as exportações. No ano, que tem superávit recorde de US$ 38,5 bilhões, enquanto as exportações caíram 5,1%, a média diária importada recuou 23,1%, também contribuindo para o saldo positivo.

Retração do comércio

Herlon Brandão reconheceu que o recuo das exportações pode ser relacionado à retração do comércio internacional. “O principal motivo é a demanda externa. Se não tem demanda, isso impacta o comércio”, afirmou.

Segundo ele, no entanto, problemas como a antecipação dos embarques de soja e a quebra da safra do milho afetaram o resultado de outubro. “Em outubro de 2015, foi US$ 1 bilhão em exportações de soja. Este mês, foram apenas US$ 400 milhões. O milho em grão teve uma quebra de safra de 25%. Isso impacta bastante, pois agora era para estar no auge”, exemplificou.

De acordo com Brandão, faltando dois meses para o fim do ano, o governo mantém a projeção de encerrar 2016 com superávit entre US$ 45 bilhões e US$ 50 bilhões. Caso o saldo positivo ultrapasse os US$ 46,4 bilhões registrados em 2006, será o maior superávit anual da história.

“O mês apresentou exportação mais baixa, mas também importação mais baixa. [O saldo de] US$ 2,3 bi é um pouco menor [do que os registrados em outros meses], mas sazonalmente é assim mesmo para outubro. Dezembro costuma apresentar os maiores superávits do ano. Portanto, nós mantemos essa expectativa”, disse o diretor.

 

Últimas Notícias

Governadores pedem ao STF julgamento de processos sobre repasses
Ministro quer atrair investimentos privados para Jardim Botânico do RJ
Fies vai oferecer 100 mil vagas a juro zero para alunos de baixa renda
TJ libera R$ 13 milhões para Vale ressarcir gastos do governo mineiro
Vale pede mais tempo para analisar Termo de Ajuste Preliminar
Deputados do Rio presos podem ter posses suspensas
Vale suspende operação em barragem em Brucutu e de mina em Brumadinho
TRE-RJ mantém ex-deputado Paulo Melo inelegível até 2024

MAIS NOTICIAS

 

Sul do Chile enfrenta 45 focos de incêndios florestais
 
 
Governo de Minas oferece suporte psicossocial às vítimas de Brumadinho
 
 
Força Nacional de Segurança começa a deixar o Ceará
 
 
Licitação de ônibus em São Paulo tem contratos de R$ 71 bi em 20 anos
 
 
Força Nacional vai atuar em Belém na primeira quinzena de março
 
 
Fiocruz alerta para agravamento de doenças na população após tragédia

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2017 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212