Assine Brasil em Folhas / Nuvem / Pressreader



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


23 de Sep de 2018 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade
 

...

...

 
Notícias
 Líderes da Ásia-Pacífico debatem acordos comerciais na era Trump - Jornal Brasil em Folhas
Líderes da Ásia-Pacífico debatem acordos comerciais na era Trump


Os principais líderes da região Ásia-Pacífico se reúnem a partir desta quinta-feira para defender seus preciosos acordos comerciais, ameaçados pelas políticas protecionistas do presidente eleito dos Estados Unidos, Donald Trump.

O Peru começa a receber os ministros, empresários e executivos dos países que integram o fórum de Cooperação Econômica Ásia-Pacífico (Apec) para, a partir de sexta até domingo, dar vez aos governantes das 21 nações do bloco.

A cúpula acolherá chefes de governo como os da China, Xi Jinping; Japão, Shinzo Abe; Rússia, Vladimir Putin; além do presidente em fim de mandato dos Estados Unidos, Barack Obama.

Este fórum é um espaço crucial para nos assegurarmos de que o dinamismo do comércio internacional não se perca e seja um dos motores de nosso crescimento, afirmou o presidente peruano Pedro Pablo Kuczynski.

A seguir, os temas que serão abordados nas deliberações em Lima.

Efeito Trump

Trump tem semeado incertezas no mundo com suas propostas de frear o livre comércio internacional para proteger os empregos nos Estados Unidos. Isso afeta particularmente a região da Ásia-Pacífico, que representa quase 60% da economia mundial e 40% da população global.

Os líderes buscarão em sua nova cúpula uma declaração forte para contra-atacar os argumentos anticomerciais de Trump, afirmou Eduardo Pedrosa, secretário-geral do Conselho de Cooperação Econômica do Pacífico.

Os economistas esperam que Trump aplique medidas protecionistas que, segundo dizem, fortaleceriam a maior economia do mundo a curto prazo, mas poderiam ameaçar a estabilidade global.

Ele poderá impor tributos punitivos a sócios comerciais poderosos como a China e revisar acordos-chave de livre comércio com países como o México, que dependem do mercado americano, considerou o Instituto de Finanças Internacionais.

Se tais medidas forem tomadas, as tensões comerciais certamente aumentarão, com a guerra comercial como um possível pior cenário, afirmou em um relatório.

Obama buscou reequilibrar o comércio em relação aos acordos com a Ásia e o Pacífico. Mas Trump tem rejeitado a assinatura do Acordo de Associação Transpacífico (TPP) considerando-o como terrível.

O TPP, que deve ser ratificado pelos países signatários, agrupa os Estados Unidos e outras 11 economias da região Ásia-Pacífico, entre elas Chile, México e Peru. O bloco exclui a China e se tornaria a maior zona de livre comércio do mundo.

Na agenda da presidente Michelle Bachelet está programada uma reunião entre os líderes do TPP para discutir o futuro do acordo, disse a chancelaria chilena.

Não creio que vá acontecer uma grande catástrofe. Na campanha, Trump disse coisas, mas sentado na cadeira presidencial vai ter que reavaliar, afirmou o ministro do Comércio Exterior do Peru, Eduardo Ferreyros.

Segurança

Trump também questiona o papel dos Estados Unidos como polícia do mundo. Aliados como Japão e Coreia do Sul estão preocupados ante a possibilidade de que reduza sua presença militar, econômica e diplomática. Temem que possa deixá-los a mercê de uma China dominante e uma beligerante Coreia do Norte.

O republicano tem preocupado a região ao falar que o Japão e a Coreia do Sul deveriam conseguir armas nucleares para se defender. Além disso, mostrou admiração pelo presidente russo Vladimir Putin, que não goza da confiança de Obama e seus aliados.

Trump ainda afirma que a mudança climática é uma mentira chinesa para socavar a competitividade da indústria americana.

O muro que separa

Os líderes da América Latina na sala, incluindo o presidente mexicano Enrique Peña Nieto, também estarão atentos às políticas migratórias americanas.

Durante a campanha, Trump insultou os imigrantes mexicanos chamando-os de criminosos e estupradores. Comprometeu-se em construir um muro na fronteira com o México para evitar os imigrantes ilegais e ameaçou em fazer deportações em massa.

Esse planejamento é questionado pelos governantes latino-americanos, entre eles o anfitrião Kuczynski, que qualificou o feito como um crime.

China aproveita o pânico

Em meio a convulsão, a China impulsionará seus próprios acordos comerciais para ganhar vantagem sobre os Estados Unidos na batalha pela influência global.

O panorama econômico na Ásia-Pacífico está mudando rapidamente, com a China ganhando cada vez mais um papel de liderança regional, escreveu Rajiv Biswas, economista-chefe da Ásia-Pacífico do grupo de pesquisa IHS Global Insight.

A China foi excluída do TPP. Mas devido a negativa de Trump em aprová-lo, o TPP mudou de ser um pato coxo para um pato morto, considerou Biswas.

Pelo contrário, a China propõe uma Zona de Livre Comércio na região da Ásia-Pacífico (FTAAP) e uma Associação Econômica Integral Regional (RCEP) de 16 membros, que inclui a Índia, mas não os Estados Unidos.

O ministro de Comércio da Austrália, Steven Ciobo, disse na quarta-feira ao Financial Times que seu país está disposto a incorporar propostas respaldadas pela China agora que o TPP parece sentenciado à morte.

Qualquer medida que reduza as barreiras ao comércio (...) é um passo na direção certa, sustentou.

Enquanto isso, a China segue desembarcando na América Latina, oferecendo financiamentos milionários para projetos de infraestrutura no Brasil, Peru e Bolívia, entre outros.


 

Últimas Notícias

Deputado Marlúcio promove caminhonetadas em várias regiões de Aparecida
Dia da Árvore: desmatamento vem caindo, mas ainda há desafios
Brincar com os quatro elementos da natureza ajuda a criança a se desenvolver melhor
Meninas que praticam esportes, cuidado com a alimentação!
Indústria paulista fecha 2,5 mil postos de trabalho em agosto
Aneel descarta revisão de bandeira tarifária em conta de luz
BNDES: empréstimos para Cuba e Venezuela não deveriam ter sido feitos
Brasil amplia investimento em educação infantil, diz OCDE

MAIS NOTICIAS

 

Toffoli toma posse hoje na presidência do STF
 
 
Chanceler do Paraguai visita Brasil para negociar construção de pontes
 
 
Indústria recua em oito dos 15 locais pesquisados pelo IBGE em julho
 
 
Brasil amplia investimento em educação infantil, diz OCDE
 
 
México investiga caso de deputadas forçadas a renunciar
 
 
A série de ataques de 11 de Setembro completa 17 anos

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2017 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212