Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


19 de Mar de 2019 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Deputados da oposição protocolam pedidos de CPIs de isenções e Maracanã na Alerj - Jornal Brasil em Folhas
Deputados da oposição protocolam pedidos de CPIs de isenções e Maracanã na Alerj


Partidos da oposição protocolaram hoje (17) o pedido de abertura de duas comissões parlamentares de inquérito na Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro (Alerj) para investigar as isenções fiscais concedidas a empresas e a suspeita de superfaturamento na obra de reforma do Estádio do Maracanã.

De acordo com o líder do Psol, deputado Marcelo Freixo, a bancada do partido conseguiu 27 assinaturas para a instalação da CPI das isenções fiscais, número suficiente ao mínimo exigido para abertura da comissão. Essa é a principal acusação que levou à prisão do ex-governador [Sérgio Cabral Filho]. A gente quer saber quais as empresas que são devedoras do estado, quais que recebem benefícios, quais são doadoras de campanha, quais empresas existem, se são de fachada, se estão dando a contrapartida prevista no contrato gerando empregos ou não”. Segundo ele, desde 2011 o Psol tentava protocolar o pedido da CPI.

A PF e o MPF, na Operação Calicute, investigam fraudes em três obras no estado, cada uma orçada em mais de R$ 1 bilhão: a reforma do Maracanã para a Copa de 2014, o Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) Favelas e o Arco Metropolitano. Segundo a investigação, que levou à prisão de Cabral, a propina de 5% sobre as obras era paga em espécie. Havia ainda uma taxa de oxigenação de 1% para operadores do esquema. Com esses valores, os investigadores afirmam que chega a R$ 224 milhões a propina paga nas três obras investigadas pela força-tarefa no Rio de Janeiro.

Os partidos recolheram 15 assinaturas para a CPI do Maracanã, que foi reformado para a Copa do Mundo de 2014. “São denúncias que nós temos e documentos que provam a questão das propinas, do superfaturamento nas obras. Isso dá, inclusive, oportunidade para que o próprio governo possa responder, à CPI, a todos os questionamentos que nós temos”, disse a líder do PT, deputada Zeidan.

O regimento da Alerj permite o funcionamento de até sete CPIs ao mesmo tempo. No momento, não há nenhuma em andamento. Com a assinatura de, pelo menos, um terço dos 70 deputados, não há a necessidade do pedido de abertura ser votado em plenário. Para a instalação, o presidente da Alerj, deputado Jorge Picciani (PMDB), precisa convocar os líderes dos partidos para indicar os componentes de cada comissão.

Mais cedo, o presidente da Alerj disse acreditar na inocência do ex-governador Sérgio Cabral. Picciani e Cabral são do mesmo partido, PMDB. Decisão judicial não se discute, ele [Cabral] terá a defesa dele, e eu acredito que provará sua inocência, declarou Picciani na Alerj.

 

Últimas Notícias

Sul e Sudeste se unem e formam consórcio para ações conjuntas
Copom inicia reunião nesta terça para definir taxa básica de juros
Mercado reduz projeção de crescimento da economia de 2,28% para 2,01%
Atividade econômica tem queda de 0,41% em janeiro, diz BC
Governo lança edital de estudos para concessão de 22 aeroportos
Governo do Rio anuncia rompimento da concessão do Maracanã
Feiras em São Paulo oferecem oportunidades de intercâmbio no exterior
Treze de 16 docentes relataram casos de agressão na escola de Suzano

MAIS NOTICIAS

 

Sul do Chile enfrenta 45 focos de incêndios florestais
 
 
Governo de Minas oferece suporte psicossocial às vítimas de Brumadinho
 
 
Força Nacional de Segurança começa a deixar o Ceará
 
 
Licitação de ônibus em São Paulo tem contratos de R$ 71 bi em 20 anos
 
 
Força Nacional vai atuar em Belém na primeira quinzena de março
 
 
Fiocruz alerta para agravamento de doenças na população após tragédia

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2017 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212