Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


12 de Nov de 2018 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Empresas de alto crescimento geraram 46,7% dos postos de trabalho, diz IBGE - Jornal Brasil em Folhas
Empresas de alto crescimento geraram 46,7% dos postos de trabalho, diz IBGE


As 31.223 empresas de alto crescimento existentes em 2014, cujo aumento do número de empregados era de pelo menos 20% ao ano por um período de três anos consecutivos, geraram 46,7% dos postos de trabalho entre 2011 e 2014. A constatação é da pesquisa Estatísticas de Empreendedorismo 2014, divulgada hoje (18), pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), em parceria com o Instituto Empreender Endeavor Brasil.

Segundo o estudo, as empresas de alto crescimento com dez ou mais pessoas ocupadas assalariadas em 2011 representavam apenas 1,3% do total de empresas ativas com ao menos uma pessoa ocupada assalariada. Ainda assim, entre 2011 e 2014, elas apresentaram um crescimento de 175% no número de pessoal ocupado, passando de 1,6 milhão de pessoas em 2011, para 4,4 milhões em 2014, um incremento de 2,8 milhões de postos de trabalho.

Embora em termos absolutos o maior número de empresas de alto crescimento esteja no setor de serviços (são 9.931), foi o setor de construção que apresentou a maior proporção de empresas de alto crescimento no total de empresa ativas com dez ou mais pessoas assalariadas: 9,6%. As atividades econômicas que concentram essas empresas são foram comércio e reparação de veículos automotores e motocicletas (26,5%); indústrias de transformação (20,5%); e construção (12,2%).

Arrecadação

A pesquisa do IBGE constatou ainda que, em relação ao valor adicionado bruto, agregado aos bens e serviços no processo produtivo, as empresas de alto crescimento geraram, em 2014, R$ 241,4 bilhões, o equivalente a 12,8% do total de R$ 1,8 trilhão gerado nas empresas ativas com dez ou mais assalariados.

Já o valor adicional médio (valor adicionado bruto dividido pelo número de empresas) das empresas de alto crescimento foi de R$ 8,2 milhões, acima, portanto, do verificado entre as empresas com dez ou mais pessoas ocupadas assalariadas (R$ 4,4 milhões).

Quedas

Apesar na importância tanto do ponto de vista do número de empregos quanto em relação ao valor adicional bruto gerado, o levantamento do IBGE constatou queda pelo segundo ano consecutivo no número de empresas de alto crescimento. Em 2013 a redução foi de 5,2%, e em 2014 este recuo chegou a 6,4%.

Em 2014, existiam, no Brasil, 31.223 empresas de alto crescimento, que ocupavam cerca de 4,4 milhões de pessoas assalariadas e pagavam R$ 103,2 bilhões em salários e outras remunerações. Foram registradas quedas também no pessoal ocupado assalariado, de 10,4%; e nos salários e outras remunerações pagas por elas, de 4% em valores nominais. Em 2013, estes recuos tinham sido menos intensos: -5,8% no de pessoal assalariado; e -1,1% no volume dos salários e outras remunerações pagos.

Postos assalariados

Apesar de representar “uma parcela pequena” no total das empresas ativas no Brasil, em 2014, as empresas de alto crescimento em três anos chegaram a gerar 2,8 milhões de postos assalariados, destacando-se em termos de crescimento do número de postos de trabalho assalariados.

De 2011 para 2014, o número de pessoal assalariado das empresas de alto crescimento passou de 1,6 milhão de pessoas para 4,4 milhões, um incremento de 2,8 milhões de pessoas ocupadas assalariadas – variação de 175% e representando crescimento de 46,7% no número de postos gerados em empresas com uma ou mais pessoa assalariada.

Regiões

A região Sudeste do país concentra maior número de unidades locais de empresas de alto crescimento (48%). Mas proporcionalmente, o maior percentual dessas empresas está na região Norte (9,4%), seguida por Centro-Oeste (9,2%), Nordeste (8,9%), Sul (8,2%) e Sudeste (7,9%).

No caso da representatividade em termos de pessoal ocupado, o Norte também aparece em primeiro, com 19,3%, seguido por Nordeste (18,6%), Centro-Oeste (17,4%), Sudeste (14,6%) e Sul (12,8%).

 

Últimas Notícias

Nordeste perdeu 1 milhão de trabalhadores no campo de 2012 para 2017
IBGE prevê em 2019 safra de grãos 0,2% menor que a de 2018
Safra de grãos pode chegar a 238,3 milhões de toneladas, diz Conab
Banco do Brasil tem lucro de 14,3% no terceiro trimestre
Percentual de inadimplentes recua em outubro, diz CNC
Boletos vencidos de todos os tipos serão pagos em qualquer banco
Leonardo de Morais toma posse na presidência da Anatel
Natal deve movimentar R$ 53,5 bilhões na economia do país, prevê SPC

MAIS NOTICIAS

 

No Congresso, Temer defende reuniões frequentes entre Poderes
 
 
Bolsonaro reafirma, no Congresso, compromisso com a Constituição
 
 
Bolsonaro critica Enem e diz que prova deve cobrar conhecimentos úteis
 
 
Governo de transição dividiu trabalhos por temas em dez frentes
 
 
Para ministro, é “mais simples” unir MEC com Ciência e Tecnologia
 
 
Bolsonaro e Temer iniciam hoje formalmente governo de transição

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2019 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212