Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


18 de Fev de 2019 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Mendonça Filho diz que, se chamado, irá debater propostas em escolas ocupadas - Jornal Brasil em Folhas
Mendonça Filho diz que, se chamado, irá debater propostas em escolas ocupadas


O ministro da Educação, Mendonça Filho, disse hoje (18) que irá a escolas ocupadas discutir propostas do governo, se for convidado e não houver nenhum risco de violência. Centenas de unidades de ensino, entre escolas e universidades, estão ocupadas por estudantes em todo país, em protesto contra a proposta de emenda à Constituição que limita gastos públicos e a medida provisória que reforma o ensino médio, que tramitam no Congresso Nacional.

“Se tiver ambiente de respeito, em qualquer lugar eu vou, desde que seja garantida minha integridade física e que me seja dado o direito de falar e de ser ouvido”, afirmou o ministro, após palestra sobre a reforma do ensino médio, na Fundação Getulio Vargas (FGV), no Rio.

Durante a palestra, o estudante Leonardo Guimarães, da União Nacional do Estudantes (UNE), questionou o ministro sobre a PEC 55, que limita os gastos públicos por 20 anos. Para o jovem, que se identificou como estudante de direito da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), a medida vai na contramão da melhoria do ensino e acarreta perdas de recursos à educação. Na avaliação do universitário, impostos progressivos, taxação de grandes fortunas e auditoria da dívida pública aumentariam a arrecadação, evitando o desinvestimento em uma área estratégica.

O ministro Mendonça Filho respondeu e argumentou que a PEC 55 não retira recursos da educação e que o investimento mínimo na área, correspondente à inflação, está mantido. O ministro criticou “posturas intolerantes” que impedem o debate sobre a medida na sociedade. Ele contou ter sido recebido com hostilidade em instituições de ensino e revelou “quase ter sido agredido fisicamente”. Para ele, as táticas são fascistas, impulsionadas por partidos políticos.

“Muitos de vocês da UNE imaginaram que iam inviabilizar o Enem [Exame Nacional do Ensino Médio] para 8,6 milhões de estudantes e quebraram a cara, garantimos 97% do Enem no país”, disse Mendonça Filho, sob aplausos de alunos e professores da FGV. “Essa tática fascista [de hostilizar] do PT e do PSOL não me intimidam. Vocês praticam a intolerância de um socialismo vencido e derrotado, essa é a verdade”, afirmou, encerrando a discussão.

Depois da palestra, Mendonça Filho voltou a afirmar, em entrevista à imprensa, que continua aberto a receber contribuições da sociedade, mas confirmou que, até agora, o governo não sugeriu nenhuma alteração na Medida Provisória (MP) 746/2016, que prevê a reforma do ensino médio.

Na última quarta-feira (16), o relator da MP, senador Pedro Chaves (PSC-MS), disse que incluirá a volta da obrigatoriedade do ensino de artes e de educação física. Sociologia e filosofia não estão garantidas. O parlamentar prometeu também propor jornada escolar de mil horas por ano.

Para o ministro, o Congresso é o espaço adequado para discutir mudanças na MP 746, que pode até ser “rejeitada e alterada totalmente”. “O relator é bastante experiente, bom negociador, vai captar e capturar a média do pensamento da Casa e da interação com a sociedade”, disse.

Perguntado se o aumento da carga horária poderia onerar os estados, que são responsáveis pelo financiamento do ensino médio, Mendonça Filho explicou que a medida será implementada gradativamente, com suporte do governo federal para abertura de vagas.

Sobre a declaração do ministro, o presidente nacional do PSOL, Luiz Araújo, disse que o ministro tenta desqualificar o movimento legítimo dos estudantes acusando o movimento de partidarização. O PSOL não dirige as ocupações, as ocupações são dirigidas por estudantes insatisfeitos com medidas do governo. O PSOL apoia porque acha justas as reivindicações e porque luta contra essas medidas, em especial a PEC 241 e a reforma do ensino médio.

 

Últimas Notícias

Governadores pedem ao STF julgamento de processos sobre repasses
Ministro quer atrair investimentos privados para Jardim Botânico do RJ
Fies vai oferecer 100 mil vagas a juro zero para alunos de baixa renda
TJ libera R$ 13 milhões para Vale ressarcir gastos do governo mineiro
Vale pede mais tempo para analisar Termo de Ajuste Preliminar
Deputados do Rio presos podem ter posses suspensas
Vale suspende operação em barragem em Brucutu e de mina em Brumadinho
TRE-RJ mantém ex-deputado Paulo Melo inelegível até 2024

MAIS NOTICIAS

 

Sul do Chile enfrenta 45 focos de incêndios florestais
 
 
Governo de Minas oferece suporte psicossocial às vítimas de Brumadinho
 
 
Força Nacional de Segurança começa a deixar o Ceará
 
 
Licitação de ônibus em São Paulo tem contratos de R$ 71 bi em 20 anos
 
 
Força Nacional vai atuar em Belém na primeira quinzena de março
 
 
Fiocruz alerta para agravamento de doenças na população após tragédia

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2017 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212