Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


17 de Nov de 2018 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Mendonça Filho diz que, se chamado, irá debater propostas em escolas ocupadas - Jornal Brasil em Folhas
Mendonça Filho diz que, se chamado, irá debater propostas em escolas ocupadas


O ministro da Educação, Mendonça Filho, disse hoje (18) que irá a escolas ocupadas discutir propostas do governo, se for convidado e não houver nenhum risco de violência. Centenas de unidades de ensino, entre escolas e universidades, estão ocupadas por estudantes em todo país, em protesto contra a proposta de emenda à Constituição que limita gastos públicos e a medida provisória que reforma o ensino médio, que tramitam no Congresso Nacional.

“Se tiver ambiente de respeito, em qualquer lugar eu vou, desde que seja garantida minha integridade física e que me seja dado o direito de falar e de ser ouvido”, afirmou o ministro, após palestra sobre a reforma do ensino médio, na Fundação Getulio Vargas (FGV), no Rio.

Durante a palestra, o estudante Leonardo Guimarães, da União Nacional do Estudantes (UNE), questionou o ministro sobre a PEC 55, que limita os gastos públicos por 20 anos. Para o jovem, que se identificou como estudante de direito da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), a medida vai na contramão da melhoria do ensino e acarreta perdas de recursos à educação. Na avaliação do universitário, impostos progressivos, taxação de grandes fortunas e auditoria da dívida pública aumentariam a arrecadação, evitando o desinvestimento em uma área estratégica.

O ministro Mendonça Filho respondeu e argumentou que a PEC 55 não retira recursos da educação e que o investimento mínimo na área, correspondente à inflação, está mantido. O ministro criticou “posturas intolerantes” que impedem o debate sobre a medida na sociedade. Ele contou ter sido recebido com hostilidade em instituições de ensino e revelou “quase ter sido agredido fisicamente”. Para ele, as táticas são fascistas, impulsionadas por partidos políticos.

“Muitos de vocês da UNE imaginaram que iam inviabilizar o Enem [Exame Nacional do Ensino Médio] para 8,6 milhões de estudantes e quebraram a cara, garantimos 97% do Enem no país”, disse Mendonça Filho, sob aplausos de alunos e professores da FGV. “Essa tática fascista [de hostilizar] do PT e do PSOL não me intimidam. Vocês praticam a intolerância de um socialismo vencido e derrotado, essa é a verdade”, afirmou, encerrando a discussão.

Depois da palestra, Mendonça Filho voltou a afirmar, em entrevista à imprensa, que continua aberto a receber contribuições da sociedade, mas confirmou que, até agora, o governo não sugeriu nenhuma alteração na Medida Provisória (MP) 746/2016, que prevê a reforma do ensino médio.

Na última quarta-feira (16), o relator da MP, senador Pedro Chaves (PSC-MS), disse que incluirá a volta da obrigatoriedade do ensino de artes e de educação física. Sociologia e filosofia não estão garantidas. O parlamentar prometeu também propor jornada escolar de mil horas por ano.

Para o ministro, o Congresso é o espaço adequado para discutir mudanças na MP 746, que pode até ser “rejeitada e alterada totalmente”. “O relator é bastante experiente, bom negociador, vai captar e capturar a média do pensamento da Casa e da interação com a sociedade”, disse.

Perguntado se o aumento da carga horária poderia onerar os estados, que são responsáveis pelo financiamento do ensino médio, Mendonça Filho explicou que a medida será implementada gradativamente, com suporte do governo federal para abertura de vagas.

Sobre a declaração do ministro, o presidente nacional do PSOL, Luiz Araújo, disse que o ministro tenta desqualificar o movimento legítimo dos estudantes acusando o movimento de partidarização. O PSOL não dirige as ocupações, as ocupações são dirigidas por estudantes insatisfeitos com medidas do governo. O PSOL apoia porque acha justas as reivindicações e porque luta contra essas medidas, em especial a PEC 241 e a reforma do ensino médio.

 

Últimas Notícias

Presidente Díaz-Canel defende trabalho de médicos cubanos no Brasil
Ministério vai lançar edital para repor vagas de médicos cubanos
CFM afirma que há médicos suficientes para atender Brasil
Associação lança projeto para conscientizar população sobre diabetes 2
Transposição do S. Francisco está na pauta de prioridades da transição
Temer inaugura primeira etapa do acelerador de elétrons Sirius
Temer diz que decidirá “lá na frente” reajuste de ministros do STF
Só um governador do Nordeste participa de encontro em Brasília

MAIS NOTICIAS

 

Volume de vendas do varejo cai 1,3% em setembro
 
 
Gilmar Mendes suspende decisão que obriga bancos a ressarcir clientes
 
 
Prefeitos e secretários pedem para manter cubanos no Mais Médicos
 
 
Em depoimento, Lula nega que é dono de sítio em Atibaia
 
 
Mega-Sena acumula e pode pagar R$ 33 milhões no próximo sorteio
 
 
Enem: estudantes fazem hoje prova de matemática e ciências da natureza

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2019 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212