Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


24 de Jan de 2019 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Justiça nega habeas corpus a ex-assessores de Sérgio Cabral - Jornal Brasil em Folhas
Justiça nega habeas corpus a ex-assessores de Sérgio Cabral


Três acusados de participação no esquema de corrupção apurado na Operação Calicute, deflagrada no último dia 17, tiveram hoje (25) os pedidos de habeas corpus negados pelo desembargador federal Abel Gomes, da Primeira Turma Especializada do Tribunal Regional Federal (TRF2).

A negativa atinge o ex-secretário estadual de obras Hudson Braga e os ex-assessores do ex-governador Sérgio Cabral, Paulo Fernando Magalhães Pinto e Carlos Emanuel de Carvalho Miranda. Os três estão presos no Presídio Bangu 8, no complexo penitenciário de Gericinó, zona oeste do Rio de Janeiro, onde também está o ex-governador. Cabral também teve um pedido de habeas corpus negado pelo desembargador, pedido pelo advogado Jorge de Oliveira Beja, na segunda-feira (21), que não faz parte da defesa constituída de Cabral.

De acordo com o TRF2, Paulo Fernando Magalhães Pinto teve a prisão temporária, decidida pela Justiça Federal do Rio de Janeiro, prorrogada na primeira instância, e os outros dois réus tiveram a prisão preventiva decretada também em primeira instância. Por isso, entraram com o pedido de habeas corpus no Tribunal da 2ª Região.

Decisões fundamentadas

O desembargador entendeu que não há ilegalidades nas decisões judiciais – tanto a prorrogação da prisão temporária quanto a manutenção das preventivas – que justifiquem a concessão dos habeas corpus. Segundo Abel Gomes, as medidas da justiça de primeiro grau são bem fundamentadas, e até que seja dada oportunidade para o Ministério Público Federal se manifestar sobre os pedidos, não cabe a concessão de liminar.

“Sendo assim, é imprescindível o processamento do presente habeas corpus, sem concessão de liminar, para que ao menos o Ministério Público Federal, órgão que tem a função constitucional de perseguir fatos delituosos, se manifeste nestes autos”, escreveu o desembargador.

Os despachos de Abel Gomes foram divulgados no final da tarde de hoje, já no início do plantão judicial do fim de semana. O desembargador destacou que conforme as regras estabelecidas na Resolução nº 71, de 31 de março de 2009, do Conselho Nacional de Justiça, as suas decisões não devem ser encaminhadas ao desembargador plantonista.

O TRF2 informou que o Artigo 1º da norma estabelece que o plantão judiciário não se destina à reiteração de pedido já apreciado no órgão judicial de origem ou em plantão anterior, nem à sua reconsideração ou reexame. Na avaliação do desembargador, isso se enquadra no caso dos três pedidos de habeas corpus, uma vez que as três prisões foram determinadas pela 7ª Vara Federal Criminal do Rio de Janeiro, órgão judicial de origem do caso.

 

Últimas Notícias

Chega a 73 o número de mortos em explosão no México; feridos somam 74
Forte terremoto de magnitude 6,7 atinge o Chile
Mais de 150 imigrantes se afogam no Mar Mediterrâneo
Brasil e Europa vão ser interligados por novo cabo submarino
Acordo para mudar nome da Macedônia gera protestos em Atenas
Ghosn está disposto a aceitar qualquer condição para obter fiança
Bombeiros buscam pessoa desaparecida depois de tromba dágua no Rio
Mega-Sena acumula de novo e pode pagar R$ 38 milhões na quarta-feira

MAIS NOTICIAS

 

ANP aprova credenciamento de empresa certificadora
 
 
Política de combate à inflação foi bem-sucedida, diz presidente do BC
 
 
Marcos Pontes: fusão de Embraer e Boeing preserva interesses do país
 
 
Número de linhas de celular tem maior queda do ano em novembro
 
 
ANP: Petrobras pede prazo maior para definir quais campos vai explorar
 
 
Ex-presidente do Banco Central defende política econômica do governo

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2017 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212