Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


23 de Fev de 2019 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Estado de Wisconsin vai recontar votos da eleição presidencial dos EUA - Jornal Brasil em Folhas
Estado de Wisconsin vai recontar votos da eleição presidencial dos EUA


O estado norte-americano de Wisconsin está se preparando para realizar uma recontagem completa dos votos das eleições dos Estados Unidos, ocorridas em 8 de novembro de 2016. Pelo sistema eleitoral norte-americano, baseado nos votos do Colégio Eleitoral, Donald Trump foi eleito presidente dos Estados Unidos.

Apesar do resultado do Colégio Eleitoral, a candidata do Partido Verde, Jill Stein, que também concorreu às eleições, entrou ontem (25) com um pedido formal de recontagem de votos. Na justificativa, ela disse que quer ter certeza se os resultados em Wisconsin foram ou não manipulados pela invasão de hackers nos computadores que calculam os votos. Mas, para ter alguma esperança de reversão do resultado, a candidata vai ter de pedir também recontagem de votos nos estados de Michigan e Pensilvânia.

Segundo analistas eleitorais, para que a candidata do Partido Verde tenha um mínimo de chance de sucesso, ela terá de demonstrar que houve manipulação de resultados nos três estados.

Colégio Eleitoral

Nas eleições presidenciais dos EUA, o presidente e vice-presidente não são eleitos diretamente pelo voto dos cidadãos. Na verdade, os eleitores escolhem os delegados que vão dar o voto ao presidente e ao vice-presidente no Colégio Eleitoral. Este órgão é composto por um total de 538 delegados provenientes de todos os estados, incluindo a capital Washington. Só que, se valesse o voto popular, Hillary Clinton, e não Donald Trump, seria a presidente eleita.

Embora a contagem das cédulas ainda não tenha sido concluída, Hillary Clinton teria mais de 2 milhões de votos de vantagem sobre Donald Trump, porque nesse total estão incluídos os votos de eleitores de estados como Califórnia e Nova York, que são majoritariamente a favor do Partido Democrata. No entanto, pelas regras eleitorais americanas, a regra que prevalece para a maioria dos estados é que se, se um partido tiver um delegado a mais, todos os votos vão para o candidato deste grêmio partidário. Por esse critério, o Partido Republicano ganhou em muitos estados pequenos e, dessa forma, seu candidato, Trump, foi eleito. O que o Partido Verde está querendo, com seu pedido, é reverter o resultado onde os votos tiveram uma estreita margem de diferença entre os dois partidos principais, o Democrata e o Republicano.

 

Últimas Notícias

Índice de registro de imóveis pode melhorar transações no país
Programa para receber declaração do IR estará disponível segunda-feira
Paulo Guedes espera aprovação da reforma da Previdência até junho
Doria anuncia redução do aumento do preço médio do gás em São Paulo
Pesquisador em Engenharia Aeroespacial assume presidência do CNPq
Ortega anuncia retomada do diálogo com a sociedade organizada
Empresária vítima de tentativa de feminicídio no Rio deixa hospital
Atriz Fernanda Montenegro recebe alta de hospital no Rio

MAIS NOTICIAS

 

Sul do Chile enfrenta 45 focos de incêndios florestais
 
 
Governo de Minas oferece suporte psicossocial às vítimas de Brumadinho
 
 
Força Nacional de Segurança começa a deixar o Ceará
 
 
Licitação de ônibus em São Paulo tem contratos de R$ 71 bi em 20 anos
 
 
Força Nacional vai atuar em Belém na primeira quinzena de março
 
 
Fiocruz alerta para agravamento de doenças na população após tragédia

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2017 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212