Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


12 de Nov de 2018 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Saída de Geddel não atrapalha dinâmica de votação na Câmara, diz Moura - Jornal Brasil em Folhas
Saída de Geddel não atrapalha dinâmica de votação na Câmara, diz Moura


Mesmo com a saída de Geddel Vieira Lima da Secretaria de Governo, pasta responsável pela articulação política, o governo espera manter a normalidade na interlocução para a votação das matérias na Câmara dos Deputados. A afirmação foi feita pelo líder do governo na Casa, André Moura (PSC-SE), no início da noite de hoje (28), após reunir-se com o ministro da Casa Civil, Eliseu Padilha.

Moura negou que a saída de Geddel na última sexta-feira (25) tenha provocado um clima de instabilidade política na base e no próprio governo. Segundo ele, a tradicional reunião dos líderes da base aliada nas manhãs de terça-feira para definir a pauta de votação da semana está mantida. O encontro será conduzido pelos assessores da Secretaria de Governo e pelo ministro Eliseu Padilha, que assumirá informalmente a condução da articulação política até que o presidente Michel temer defina quem será o sucessor de Geddel.

“ [Teremos] a continuidade nos trabalhos. A saída de Geddel em nada altera no nosso ritmo, no nosso planejamento. Teremos a reunião dos líderes da base no final da manhã e a condução da pasta da articulação política do governo será dada nesse primeiro momento pelo ministro Padilha, pela equipe da Secretaria de Governo e por nós, como líderes, até que o presidente da República decida quem vai substituir o ministro Geddel”, disse Moura.

Geddel saiu do governo após acusações feitas pelo ex-ministro da Cultura Marcelo Calero de que o então secretário de Governo teria lhe pressionado para intervir junto ao Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) para liberar a construção de um edifício de alto padrão em Salvador, onde Geddel adquiriu um imóvel.

Caixa dois

Segundo o deputado, amanhã a Câmara deverá votar em plenário o projeto que trata das Dez Medidas de Combate à Corrupção. Aprovado na semana passada pela comissão especial, o projeto não chegou a ser votado no plenário, em meio à polêmica envolvendo uma possível emenda que anistiaria os políticos que receberam dinheiro não declarado, o chamado caixa dois.

Moura reafirmou a disposição da base do governo em votar contra qualquer tentativa de anistia ao caixa dois. “Eu desconheço qualquer emenda apresentada nesse sentido. Se houver, o presidente Rodrigo Maia (DEM-RJ) disse que fará votação nominal da matéria e o presidente Temer já anunciou que, se for aprovada uma emenda nesse sentido, ele irá vetar. A base não apoia qualquer emenda nesse sentido”, disse.

O líder do governo disse esperar um forte debate em torno do projeto. Segundo ele, a orientação da base aliada será apenas com relação ao caixa dois e que quanto a outras alterações no projeto, o governo não irá orientar o voto dos aliados. Existem parlamentares que não concordam com vários pontos do relatório do deputado Onyx Lorenzoni (DEM-RS) e amanhã teremos um bom debate”, disse Moura. “O único ponto que acordamos é com relação ao caixa dois. Quanto aos outros pontos, cada parlamentar vota conforme a sua consciência”, acrescentou.

Impeachment

Moura também comentou o pedido de impeachment protocolado nesta segunda-feira por integrantes do PSOL e minimizou a atitude do partido. “O que eles querem é publicidade. Sabem que não tem nenhum motivo para o pedido ser acatado e ter tramitação aqui. O presidente da República apenas tentou arbitrar um problema que existia entre dois ministros e deu o encaminhamento correto que é que a AGU [Advocacia geral da união] pudesse dirimir esses impasses entre o Iphan da Bahia e o Iphan nacional”, disse .

Segundo ele, não há nenhum problema na conduta do presidente no episódio envolvendo os dois ex-ministros. “O presidente não orientou que a AGU encaminhasse de maneira A ou B, apenas que dirimisse o conflito. A lisura do presidente em todo este processo está comprovada”, afirmou.

O pedido de impeachment é baseado no depoimento que Calero deu à Polícia Federal, no dia 19 de novembro. Para o PSOL, Temer praticou crimes de responsabilidade contra a probidade administrativa porque deixou que autoridades diretamente subordinadas a ele praticassem atos de abuso de poder sem serem responsabilizadas. O partido afirma que Temer também praticou abuso de poder ao instar Calero a procurar uma solução que agradasse a Geddel.

Ontem (27), em entrevista, Temer disse que o caso representava “um conflito entre órgãos da administrarão”, entre o Iphan da Bahia, que liberou o empreendimento, e o Iphan nacional, subordinado ao Ministério Cultura, que não deu aval para o imóvel. Por isso, sugeriu a atuação da AGU no episódio.

 

Últimas Notícias

Nordeste perdeu 1 milhão de trabalhadores no campo de 2012 para 2017
IBGE prevê em 2019 safra de grãos 0,2% menor que a de 2018
Safra de grãos pode chegar a 238,3 milhões de toneladas, diz Conab
Banco do Brasil tem lucro de 14,3% no terceiro trimestre
Percentual de inadimplentes recua em outubro, diz CNC
Boletos vencidos de todos os tipos serão pagos em qualquer banco
Leonardo de Morais toma posse na presidência da Anatel
Natal deve movimentar R$ 53,5 bilhões na economia do país, prevê SPC

MAIS NOTICIAS

 

No Congresso, Temer defende reuniões frequentes entre Poderes
 
 
Bolsonaro reafirma, no Congresso, compromisso com a Constituição
 
 
Bolsonaro critica Enem e diz que prova deve cobrar conhecimentos úteis
 
 
Governo de transição dividiu trabalhos por temas em dez frentes
 
 
Para ministro, é “mais simples” unir MEC com Ciência e Tecnologia
 
 
Bolsonaro e Temer iniciam hoje formalmente governo de transição

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2019 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212