Assine Brasil em Folhas / Nuvem / Pressreader



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


22 de Sep de 2018 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade
 

...

...

 
Notícias
 STF julga nesta quarta-feira liminar que determinou afastamento de Renan - Jornal Brasil em Folhas
STF julga nesta quarta-feira liminar que determinou afastamento de Renan


O Supremo Tribunal Federal (STF) marcou para esta quarta-feira o julgamento da decisão do ministro Marco Aurélio Mello que, em caráter liminar, determinou o afastamento de Renan Calheiros (PMDB) da presidência do Senado. O caso, que agravou a crise institucional entre os Poderes, será o primeiro item da pauta. Após o Senado ignorar a ordem judicial e entrar com dois recursos contra a decisão, Marco Aurélio liberou a ação para análise dos colegas. A Corte pode referendar ou derrubar a liminar. Mas pelo menos três ministros do tribunal citaram ontem a possibilidade de uma solução intermediária: manter Renan na presidência do Senado, mas com o impedimento de assumir a Presidência da República.
Numa ação para tentar diminuir os efeitos da crise, a presidente do STF, ministra Cármen Lúcia, passou a terça-feira em conversas com políticos e colegas do tribunal. Enquanto o oficial de justiça tentava notificar Renan, o senador Jorge Viana (PT-AC), que assumiria a presidência do Senado, esteve com Cármen e mais quatro ministros da Corte.
Segundo interlocutores, Viana pediu ajuda de Cármen para encontrar uma saída rápida para a crise. Os dois conversaram também com os ministros Teori Zavascki, Luiz Fux, Luís Roberto Barroso e Dias Toffoli no gabinete da presidência do STF. O objetivo era buscar uma solução pacificadora, mas, horas depois, o próprio Viana, Renan e Vicentinho Alves (PR-TO), primeiro-secretário da Mesa Diretora do Senado, negaram-se a receber a notificação, descumprindo a decisão de Marco Aurélio.
A decisão de Marco Aurélio também acrescentou mais um capítulo no apimentado histórico de rusgas entre ele e o colega Gilmar Mendes. Em entrevista ao blog do Moreno, Mendes defendeu o impeachment de Marco Aurélio. Para ele, o ministro não poderia afastar Renan sem consultar o plenário do STF.
— No Nordeste, se diz que não se corre atrás de doido porque não se sabe para onde ele vai — afirmou Mendes ao blog.
Marco Aurélio reagiu ao ataque com perplexidade. Ele estava preparado para críticas do meio político, especialmente de aliados mais próximos a Renan. Só não esperava que as críticas partissem de dentro do próprio Supremo, num momento em que a Corte tem sido chamada a resolver conflitos na esfera política.
— Eu não posso acreditar. Sem comentários — disse Marco Aurélio.
O ministro explicou que determinou o afastamento de Renan porque, pela lei, réus em processos penais não podem ocupar cargos da linha sucessória da Presidência da República. Foi com base nesse argumento que o STF determinou o afastamento do ex-deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ) da presidência da Câmara e do exercício do mandato. Cunha hoje está preso em Curitiba.Renan virou réu semana passada, quando o STF aceitou denúncia em que é acusado de peculato. Gilmar Mendes não vai participar do julgamento hoje. Ele viajou ontem para Estocolmo, na Suécia, onde participará de um evento de magistrados. Ele contou que chegou a comprar passagem para voltar de Lisboa a fim de participar do julgamento, mas desistiu após a presidente da Corte, Cármen Lúcia, informar que não acreditava que o tema seria pautado.A conversa, por telefone, ocorreu na manhã de ontem, antes de Marco Aurélio liberar a decisão para o plenário.
- Até comprei passagem de volta de Lisboa (...), ela (Carmém) avaliou que não seria julgada a ação - explicou Gilmar, que seguiu para Estocolmo. - Depois, falei com ela em Estocolmo e (ela) disse que ia ter o julgamento.
O ministro Luís Roberto Barroso também não votará na sessão de hoje, porque se declarou impedido, pois a ação da Rede Sustentabilidade, que resultou na decisão liminar, foi proposta pelo antigo escritório dele.
Em novembro, o STF começou a julgar ação apresentada pela própria Rede que questiona se um réu pode estar na linha sucessória da Presidência. Cinco ministros do Supremo seguiram à época o entendimento de Marco Aurélio, relator da ação, de que um parlamentar que é alvo de ação penal não pode ser presidente da Câmara ou presidente do Senado porque é inerente ao cargo deles eventualmente ter que assumir a Presidência. O julgamento não foi concluído porque o ministro Dias Toffoli pediu vista e não há data para ser retomado.

 

Últimas Notícias

Deputado Marlúcio promove caminhonetadas em várias regiões de Aparecida
Dia da Árvore: desmatamento vem caindo, mas ainda há desafios
Brincar com os quatro elementos da natureza ajuda a criança a se desenvolver melhor
Meninas que praticam esportes, cuidado com a alimentação!
Indústria paulista fecha 2,5 mil postos de trabalho em agosto
Aneel descarta revisão de bandeira tarifária em conta de luz
BNDES: empréstimos para Cuba e Venezuela não deveriam ter sido feitos
Brasil amplia investimento em educação infantil, diz OCDE

MAIS NOTICIAS

 

Toffoli toma posse hoje na presidência do STF
 
 
Chanceler do Paraguai visita Brasil para negociar construção de pontes
 
 
Indústria recua em oito dos 15 locais pesquisados pelo IBGE em julho
 
 
Brasil amplia investimento em educação infantil, diz OCDE
 
 
México investiga caso de deputadas forçadas a renunciar
 
 
A série de ataques de 11 de Setembro completa 17 anos

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2017 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212