Assine Brasil em Folhas / Nuvem / Pressreader



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


23 de Sep de 2018 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade
 

...

...

 
Notícias
 Primeiro-ministro da Itália congela renúncia e defende eleição rápida - Jornal Brasil em Folhas
Primeiro-ministro da Itália congela renúncia e defende eleição rápida


Mantido no cargo pelo presidente Sergio Mattarella, o primeiro-ministro da Itália, Matteo Renzi, só aceitou adiar sua renúncia com a condição de que a lei orçamentária de 2017 seja aprovada o mais rápido possível.

Na manhã seguinte ao referendo constitucional do último domingo (4), no qual sua reforma política foi rejeitada por 60% dos eleitores, Renzi queria deixar o Palácio Chigi e até a secretaria do Partido Democrático (PD) imediatamente.

Eu disse, sou diferente dos outros, não posso ficar nem um dia a mais, dizia o premier a seus aliados mais próximos, que lhe pediam para permanecer até pelo menos o fim do ano, segundo a Agência Ansa. No entanto, ele foi persuadido por Mattarella a congelar sua renúncia até a aprovação da lei orçamentária.

O texto já recebeu o aval da Câmara, mas ainda precisa ser chancelado pelo Senado, onde a base aliada possui uma maioria estreita. Se o orçamento não for aprovado até 31 de dezembro, a Itália iniciará o ano que vem com as finanças paralisadas.

No fim das contas, o chefe de Estado convenceu Renzi de que ele só precisará postergar seu pedido de demissão em alguns dias. Com o fim da tramitação da lei, o primeiro-ministro poderá deixar o cargo sem nenhuma pendência e abrir caminho para a formação do novo governo.

Sergio Mattarella me pediu para permanecer até a aprovação da lei orçamentária, e eu não podia me comportar como um menino que faz caprichos e leva a bola embora porque perdeu a partida, declarou o premier, que cancelou todos os seus compromissos institucionais para mostrar que não mudará de ideia.

Novas eleições

O que não se sabe é qual será a duração do próximo gabinete. A atual legislatura termina só em 2018, mas há pressões de todos os lados para que sejam realizadas eleições antecipadas já no primeiro semestre de 2017. O próprio Renzi defende ir às urnas em um prazo brevíssimo.

Com um capital de 40% do eleitorado - não o suficiente para vencer um referendo de sim ou não, mas bastante em uma eleição com a oposição fragmentada -, o premier deve permanecer como secretário do PD, o maior partido da Itália, para capitalizar esse patrimônio de votos. O ideal para ele seria realizar eleições antes do próximo congresso da sigla, marcado para o ano que vem, para evitar os efeitos negativos de uma disputa interna.

 

Últimas Notícias

Deputado Marlúcio promove caminhonetadas em várias regiões de Aparecida
Dia da Árvore: desmatamento vem caindo, mas ainda há desafios
Brincar com os quatro elementos da natureza ajuda a criança a se desenvolver melhor
Meninas que praticam esportes, cuidado com a alimentação!
Indústria paulista fecha 2,5 mil postos de trabalho em agosto
Aneel descarta revisão de bandeira tarifária em conta de luz
BNDES: empréstimos para Cuba e Venezuela não deveriam ter sido feitos
Brasil amplia investimento em educação infantil, diz OCDE

MAIS NOTICIAS

 

Toffoli toma posse hoje na presidência do STF
 
 
Chanceler do Paraguai visita Brasil para negociar construção de pontes
 
 
Indústria recua em oito dos 15 locais pesquisados pelo IBGE em julho
 
 
Brasil amplia investimento em educação infantil, diz OCDE
 
 
México investiga caso de deputadas forçadas a renunciar
 
 
A série de ataques de 11 de Setembro completa 17 anos

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2017 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212