Assine Brasil em Folhas / Nuvem / Pressreader



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


22 de Sep de 2018 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade
 

...

...

 
Notícias
 Goiás reconhece esforço do governo pelo título de Patrimônio Mundial - Jornal Brasil em Folhas
Goiás reconhece esforço do governo pelo título de Patrimônio Mundial


Quinze anos após o reconhecimento da cidade de Goiás como de Patrimônio Mundial, a comunidade vilaboense elege o governador Marconi Perillo como o principal artífice da mobilização que viabilizou a conquista do tão sonhado título junto à Organização das Nações Unidas (ONU). A partir desta quinta-feira, dia 15, até domingo, dia 18, várias atividades, que incluem apresentações musicais, inaugurações de obras e rodas de conversa, vão marcar as comemorações do título internacional.

Nesta quinta, será a abertura solene das comemorações, na Praça do Coreto, em frente ao Palácio Conde dos Arcos, com a presença do ministro da Cultura, Roberto Freire. A cidade recebeu em dezembro de 2001, da Unesco, em Helsinque, na Finlândia, o título de Patrimônio Histórico da Humanidade.

História
O governador Marconi Perillo, ao assumir o governo pela primeira vez em 1999, deflagrou uma série de tratativas com ativistas culturais do Brasil e do exterior, na perspectiva de viabilizar o sonho de garantir à cidade de Goiás um título de tamanha grandeza. A partir daí, o Governo de Goiás se voltou, com esforços decisivos e desmedidos, para a consecução deste ideal.

Foi criada na época uma comissão de notáveis da Agência Goiana de Cultura Pedro Ludovico e sob a coordenação do Movimento Pró-cidade de Goiás, presidido por Brasilete Caiado, que possibilitou a criação do Dossiê de Goiás, o documento mais completo sobre a nossa história e elaborado no primeiro ano do novo governo estadual, cujo peso já fez pender, de início, a balança da Unesco da concessão do título.

Mas a Unesco queria mais, queria de volta a cidade ao estilo antigo. A instituição exigiu um programa de preservação, com infraestrutura urbana, saneamento e fiação subterrânea, seguido de um inventário do potencial turístico, elaborado pela Agetur, além da preservação da Serra Dourada e a total despoluição do Rio Vermelho. Mais R$ 20 milhões foram investidos, por determinação do governador Marconi Perillo, com o foco de devolver a Goiás o seu caráter original, revigorando as raízes e reavivando a história da Vila Boa.

O empenho pessoal do governador tornou possível a realização do velho sonho da histórica Vila Boa e, mais que isso, a conquista do sagrado direito de ver a saga da Cidade-Mãe de Goiás estampada no livro dos grandes feitos da História Universal. Goiás, antes só dos goianos e, de forma incompreensível e inaceitável, até então tratado como província pelo chamado Brasil desenvolvido, seria, a partir de então, patrimônio da humanidade. “Tomaram-nos as riquezas, mas não o berço, o sangue dos antepassados, não a história”, disse Marconi duas vezes durante as transferências simbólicas do governo para a cidade de Goiás.

Na liderança pessoal do governador estava a soma das vontades que se concretizaram, ideais transformados em obras, a modernidade, o desenvolvimento, a fraternidade e a justiça social. Mas não bastava conquistar um título, era preciso materializá-lo e cuidar para que não houvesse retrocesso.

Fica
Antes da concessão do tombamento, por ação direta de Marconi, foi criado o Festival Internacional de Cinema e Vídeo Ambiental (Fica), hoje referência mundial, e que influenciaria positivamente na declaração de Patrimônio Mundial. Na época, o governador assumiu o compromisso e o resgatou plenamente: ampliar e modernizar as galerias de águas pluviais da cidade e instalar iluminação pública com fiação subterrânea, com uso de arandelas e candelabros usados no período colonial.

Um dos dramas vivenciados pela cidade de Goiás foram as duas enchentes, uma delas de grandes proporções. Em janeiro de 2001, chuvas intermitentes deixaram 123 pessoas desalojadas, duas casas centenárias totalmente destruídas e 50 danificadas. Oito pontes foram interditadas no município por risco de desabamento. O temporal ocorrido na virada de 2001 para 2002, menos de um mês após a cidade receber o título da Unesco, deixou um saldo pior. Quarenta casarões tombados pelo órgão ligado à ONU, inclusive o da poetisa Cora Coralina, sofreram sérios danos. Vinte e três lojas à beira do rio viraram ruínas. A enxurrada danificou ainda calçamentos de pedras, postes de ferro e outros itens do conjunto histórico.

Por determinação do governador, era preciso reconstruir o que foi destruído. Obras emergenciais e de restauração, realizadas com dinheiro público, recuperaram o charme da cidade. Após 2002, técnicos de órgãos de defesa do patrimônio histórico e do meio ambiente fizeram relatórios e pareceres. O principal deles, elaborado pelo Conselho Internacional de Monumentos e Sítios Históricos (Icomos, da sigla em inglês), da Unesco, apontou o assoreamento e a diminuição gradativa da vazão do Rio Vermelho como responsáveis pelo transbordamento dele e da destruição em suas margens. O conselho da Unesco pediu a suspensão de edificações na caixa de vazão do rio e a reconstrução das pontes tradicionais, feitas de madeira, no lugar das mais modernas, de concreto.

Obras
Por meio de decreto, o governador Marconi Perillo ampliou a Área de Proteção Ambiental (APA) da Bacia de Serra Dourada em janeiro de 2000. Uma das mais importantes normas é o impedimento do desmatamento numa faixa de 30 metros das margens dos rios e afluentes.

Outra obra de grande vulto é a duplicação da G0-070, também conhecida como Rodovia do Boi, que liga Goiânia à cidade de Goiás. A duplicação avançou e o último trecho, entre o trevo de Mossâmedes e a cidade de Goiás deve ser concluído em 2017. Mais de R$ 200 milhões foram investidos pelo Governo do Estado na duplicação. Numa parceria com a prefeitura, o governador destinou recursos para criação do Lago das Acácias, o mais novo cartão postal da cidade.

Sobre as comemorações de 15 anos de tombamento, o superintendente de Cultura da Seduce, Nasr Chaul, afirma que a data tem um significado expressivo para o povo goiano e, por isso, merece ser celebrada. “Essa comemoração é importante porque Goiás é a única cidade no Estado que tem esse título mundial, que premia a manutenção das tradições, cultura, natureza e arquitetura ao longo dos séculos”, comenta Chaul.

Nars Chaul também destaca que o Governo de Goiás tem feito um extenso trabalho, por meio de várias secretarias, para manutenção e valorização da antiga capital do Estado, com obras de saneamento, iluminação e ações culturais. Uma delas é o Festival Internacional de Cinema e Vídeo Ambiental (Fica) que reúne cineastas e ambientalistas do mundo inteiro e este ano chegou à sua 18ª edição.

Segundo Marconi, “o título de Patrimônio Cultural faz jus à arquitetura, à cultura e à memória da cidade. Sendo o primeiro núcleo urbano fundado no território goiano, no início do século 18. Entre becos, casarões coloniais e quintais, entre procissões, igrejas e santos barrocos, entre alfenins e empadões está escrita a história goiana-brasileira e a história de todos os seus fabulosos personagens”.

Para a maioria da população da cidade de Goiás, o título de Patrimônio da Humanidade contribuiu muito para aumentar o fluxo do turismo. Acreditam que o interesse maior das pessoas em relação à antiga capital cresceu após o tombamento pela Unesco, aumentando a concentração do turismo religioso e o cultural voltado para a terceira idade.

Não há dúvida de que o título de Patrimônio da Humanidade mudou a rotina da cidade e seus habitantes observam com tranquilidade o movimento – principalmente nos finais de semana -, quando dezenas de ônibus chegam a Goiás lotados de estudantes de Goiânia, Brasília, Uberlândia e cidades do interior do Estado. São viagens de conhecimento, monitoradas por professores.

Com a juventude estampada no rosto, os estudantes visitam as praças, os museus, as igrejas. A Casa de Cora Coralina, na ponte da Lapa, é de longe a atração preferida. A curiosidade em torno da vida da poetisa é enorme. Durante o Festival Internacional de Cinema e Vídeo Ambiental, o museu recebe mais de 300 pessoas em um só dia.

Tocha Olímpica
Para coroar de êxito um momento tão rico da história de Goiás, este ano a cidade recebeu a Tocha Olímpica, com a presença do governador, em meio à alegria e orgulho dos moradores, sobretudo dos que participaram do trajeto carregando o símbolo olímpico. Momento para marcar a história da cidade, que comemora também 15 anos como Patrimônio Histórico da Humanidade. “É o encontro de uma tradição milenar com outra centenária”, observava Marconi, na cerimônia de recepção da Tocha, no coreto em frente ao Palácio Conde dos Arcos.

 

Últimas Notícias

Deputado Marlúcio promove caminhonetadas em várias regiões de Aparecida
Dia da Árvore: desmatamento vem caindo, mas ainda há desafios
Brincar com os quatro elementos da natureza ajuda a criança a se desenvolver melhor
Meninas que praticam esportes, cuidado com a alimentação!
Indústria paulista fecha 2,5 mil postos de trabalho em agosto
Aneel descarta revisão de bandeira tarifária em conta de luz
BNDES: empréstimos para Cuba e Venezuela não deveriam ter sido feitos
Brasil amplia investimento em educação infantil, diz OCDE

MAIS NOTICIAS

 

Toffoli toma posse hoje na presidência do STF
 
 
Chanceler do Paraguai visita Brasil para negociar construção de pontes
 
 
Indústria recua em oito dos 15 locais pesquisados pelo IBGE em julho
 
 
Brasil amplia investimento em educação infantil, diz OCDE
 
 
México investiga caso de deputadas forçadas a renunciar
 
 
A série de ataques de 11 de Setembro completa 17 anos

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2017 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212