Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


13 de Nov de 2018 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Mongólia promete à China que não permitirá mais visitas de Dalai Lama ao país - Jornal Brasil em Folhas
Mongólia promete à China que não permitirá mais visitas de Dalai Lama ao país


O governo da Mongólia se comprometeu perante a China a não permitir mais visitas de Dalai Lama, depois que uma recente viagem do líder espiritual tibetano no exílio ao país de Ásia Central estremeceu as relações diplomáticas e comerciais entre Pequim e Ulan Bator.

Segundo informa nesta quarta-feira o jornal governista chinês Global Times, o ministro das Relações Exteriores, Tsend Munkh-Orgil, expressou à imprensa de seu país seu pesar pelo impacto nas relações bilaterais chinês-mongóis que causou a recente visita de Dalai Lama, e afirmou que este não voltará a ser autorizado a viajar à Mongólia.

A viagem à Mongólia do líder tibetano, que deixou todo político em 2011, se emoldurou no fato de que boa parte da população desse país de Ásia Central pratica o budismo.

No entanto, o ministro das Relações Exteriores mongol ressaltou que também não serão permitidas futuras viagens desta personalidade em nome da religião.

Em Pequim, o Ministério das Relações Exteriores chinês reagiu hoje a esta decisão pedindo ao governo da Mongólia que aprenda a lição e respeite os interesses da China, honre seus compromissos e faça esforços para que melhorem as relações bilaterais, em palavras da porta-voz Hua Chunying.

A questão tibetana é um assunto de soberania e integridade territorial, por isso a posição de Pequim a respeito é clara e consistente, acrescentou Hua.

Nas últimas semanas, a China condenou a visita de Dalai Lama ao país vizinho e cancelou em represália vários encontros bilaterais entre os Executivos de ambos países.

As tensões também se transferiram ao campo comercial, já que a China estabeleceu novas taxas à exportação de produtos procedentes da Mongólia e dificultou o acesso de caminhões de carga mongóis a território chinês, algo que afeta muito um país que tem no gigante chinês seu parceiro comercial quase exclusivo.

A China considera o 14° Dalai Lama Tenzin Gyatso, prêmio Nobel da Paz em 1989, um separatista cujo objetivo soterrado é a independência da região autônoma do Tibete, e Pequim costuma protestar contra os países que com frequência convidam o líder espiritual a participar de atos públicos.

 

Últimas Notícias

Nordeste perdeu 1 milhão de trabalhadores no campo de 2012 para 2017
IBGE prevê em 2019 safra de grãos 0,2% menor que a de 2018
Safra de grãos pode chegar a 238,3 milhões de toneladas, diz Conab
Banco do Brasil tem lucro de 14,3% no terceiro trimestre
Percentual de inadimplentes recua em outubro, diz CNC
Boletos vencidos de todos os tipos serão pagos em qualquer banco
Leonardo de Morais toma posse na presidência da Anatel
Natal deve movimentar R$ 53,5 bilhões na economia do país, prevê SPC

MAIS NOTICIAS

 

No Congresso, Temer defende reuniões frequentes entre Poderes
 
 
Bolsonaro reafirma, no Congresso, compromisso com a Constituição
 
 
Bolsonaro critica Enem e diz que prova deve cobrar conhecimentos úteis
 
 
Governo de transição dividiu trabalhos por temas em dez frentes
 
 
Para ministro, é “mais simples” unir MEC com Ciência e Tecnologia
 
 
Bolsonaro e Temer iniciam hoje formalmente governo de transição

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2019 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212