Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


16 de Jan de 2019 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Mongólia promete à China que não permitirá mais visitas de Dalai Lama ao país - Jornal Brasil em Folhas
Mongólia promete à China que não permitirá mais visitas de Dalai Lama ao país


O governo da Mongólia se comprometeu perante a China a não permitir mais visitas de Dalai Lama, depois que uma recente viagem do líder espiritual tibetano no exílio ao país de Ásia Central estremeceu as relações diplomáticas e comerciais entre Pequim e Ulan Bator.

Segundo informa nesta quarta-feira o jornal governista chinês Global Times, o ministro das Relações Exteriores, Tsend Munkh-Orgil, expressou à imprensa de seu país seu pesar pelo impacto nas relações bilaterais chinês-mongóis que causou a recente visita de Dalai Lama, e afirmou que este não voltará a ser autorizado a viajar à Mongólia.

A viagem à Mongólia do líder tibetano, que deixou todo político em 2011, se emoldurou no fato de que boa parte da população desse país de Ásia Central pratica o budismo.

No entanto, o ministro das Relações Exteriores mongol ressaltou que também não serão permitidas futuras viagens desta personalidade em nome da religião.

Em Pequim, o Ministério das Relações Exteriores chinês reagiu hoje a esta decisão pedindo ao governo da Mongólia que aprenda a lição e respeite os interesses da China, honre seus compromissos e faça esforços para que melhorem as relações bilaterais, em palavras da porta-voz Hua Chunying.

A questão tibetana é um assunto de soberania e integridade territorial, por isso a posição de Pequim a respeito é clara e consistente, acrescentou Hua.

Nas últimas semanas, a China condenou a visita de Dalai Lama ao país vizinho e cancelou em represália vários encontros bilaterais entre os Executivos de ambos países.

As tensões também se transferiram ao campo comercial, já que a China estabeleceu novas taxas à exportação de produtos procedentes da Mongólia e dificultou o acesso de caminhões de carga mongóis a território chinês, algo que afeta muito um país que tem no gigante chinês seu parceiro comercial quase exclusivo.

A China considera o 14° Dalai Lama Tenzin Gyatso, prêmio Nobel da Paz em 1989, um separatista cujo objetivo soterrado é a independência da região autônoma do Tibete, e Pequim costuma protestar contra os países que com frequência convidam o líder espiritual a participar de atos públicos.

 

Últimas Notícias

Mercado financeiro prevê inflação em 4,02% neste ano
Consultas de CPFs para vendas a prazo no comércio crescem 2,8%
Battisti ficará em isolamento por um ano em prisão na Sardenha
CNN Brasil será lançado neste ano
Toffoli nega habeas corpus preventivo para Battisti
ANP aprova credenciamento de empresa certificadora
Política de combate à inflação foi bem-sucedida, diz presidente do BC
Marcos Pontes: fusão de Embraer e Boeing preserva interesses do país

MAIS NOTICIAS

 

ANP aprova credenciamento de empresa certificadora
 
 
Política de combate à inflação foi bem-sucedida, diz presidente do BC
 
 
Marcos Pontes: fusão de Embraer e Boeing preserva interesses do país
 
 
Número de linhas de celular tem maior queda do ano em novembro
 
 
ANP: Petrobras pede prazo maior para definir quais campos vai explorar
 
 
Ex-presidente do Banco Central defende política econômica do governo

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2017 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212