Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


14 de Nov de 2018 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 No Rio, Marinha fecha com grades trecho do Boulevard Olímpico - Jornal Brasil em Folhas
No Rio, Marinha fecha com grades trecho do Boulevard Olímpico


A Orla Conde, no Boulevard Olímpico, entre o Museu Histórico Nacional, na Candelária e a zona portuária, junto ao Museu do Amanhã, na Praça Mauá, começou a ser cercada pela Marinha, restringindo o acesso dos populares por um corredor de 3,5 quilômetros.

O espaço foi fechado com grades na área que fica junto à Baía de Guanabara e do outro lado, onde estão os equipamentos públicos instalados pela prefeitura do Rio para servir de lazer, como mesas e bancos, e o gramado ficaram sem acesso pelo público. Durante os Jogos Olímpicos e Paralímpicos, o Boulevard Olímpico chegou a receber mais de 1 milhão de visitantes que passaram por esse local.

Em nota, a Companhia de Desenvolvimento Urbano do Porto do Rio de Janeiro (Cdurp) informou que o espaço foi inaugurado em 5 de agosto último, como parte da Orla Conde. O Largo da Candelária foi revitalizado e aberto ao público após 250 anos fechado para uso exclusivo da Marinha, em acordo assinado com a prefeitura do Rio.

A nota diz ainda que durante a Rio 2016, a área de estacionamento pertencente à Marinha foi ocupada por um dos patrocinadores e devolvida depois dos Jogos Olímpicos. No entanto, o espaço gradeado avançou além da área do 1º Distrito Naval e inviabilizando o uso do novo mobiliário urbano pelos visitantes.

Diálogo

A Secretaria Especial de Concessões e parcerias Público-Privadas (Secpar) entrou em contato com a Marinha solicitando que a área revitalizada seja reaberta. O secretário Especial de Concessões e Parcerias Público-Privadas, Jorge Arraes, afirmou hoje (20) que a prefeitura deverá chegar a um acordo em relação ao fechamento de área do Boulevard Olímpico, no trecho entre o Museu do Amanhã, na Praça Mauá, e a Casa França Brasil, na Candelária.

Arraes disse que o acordo com a Marinha foi cumprido. Esse acerto previa a cessão de uma servidão de passagem para a cidade e, em contrapartida, a prefeitura executaria algumas obras no 1° Distrito Naval. “Cumprimos o que foi combinado. Estamos devolvendo para a Marinha aquilo que já era estacionamento dela e urbanizamos o restante da área, que foi validado por eles”.

Arraes disse desconhecer as razões que levaram a Marinha a cercar a área há mais de três semanas em frente ao Distrito Naval e em frente ao mar. “Eles cercaram também esse trecho e não entendemos o motivo.

O secretário informou disse que a expectativa é que a negociação tenha êxito. “Do ponto de vista estético, é feio e do ponto de vista social, restringe a convivência”.

Em relação ao aspecto da segurança, Arraes considera até admissível a colocação de grades na área que fica em frente ao mar, na Baía de Guanabara. Mas na praça, não. “Eles estão usando como estacionamento. Não é, de fato, o uso adequado e vamos insistir”.

Marinha rebate prefeitura

A Marinha informou, em nota, que em fevereiro de 2014, a Marinha do Brasil (MB) formalizou, junto com a prefeitura do Rio de Janeiro, um Termo de Servidão de Passagem que, em síntese, permitiria o trânsito ao público em geral por um trecho do tombo pertencente ao Comando do 1º Distrito Naval, ligando a Praça Mauá às adjacências da Praça XV, compondo o chamado Boulevard Olímpico.

Esse acordo previa contrapartidas por parte da prefeitura, tais como as construções de um refeitório e de um estacionamento subterrâneo e a reurbanização do espaço interno do Complexo do 1º Distrito Naval, em virtude das obras de demolição do viaduto da Perimetral.

Além disso, a Marinha do Brasil cedeu, temporariamente, uma área situada próxima à Igreja da Candelária, constituindo um canteiro de obras, a fim de permitir a perfuração do Túnel Marcelo Alencar. Tal área, em um segundo momento, foi utilizada como espaço de convivência a ser empregada somente durante a realização dos Jogos Olímpicos e Paralímpicos Rio 2016.

A nota diz que após o encerramento dos referidos eventos, a área em questão deveria ser devolvida à Marinha, devidamente urbanizada, com a colocação de cercadura colonial nos limites originais do referido tombo, e desfeitas as benfeitorias provisórias construídas (bancos e canteiros), permanecendo somente a utilização da servidão de passagem que foi denominada de Orla Conde, o que não ocorreu. Portanto, esta área não faz nem nunca fez parte do projeto da Orla Conde, segundo a Marinha.

No local, o que se configura no momento é que, no centro do que um dia foi o Boulervard Olímpico, existe hoje uma obra inacabada da prefeitura, onde será instalado o estacionamento subterrâneo, aguardando que a contrapartida municipal seja integralmente cumprida, assim como a finalização do refeitório, ainda não concluído. Vale ressaltar também que a obra de construção do citado estacionamento está abandonada pela prefeitura.

Ainda, conforme os acordos firmados com a Prefeitura do Rio de Janeiro, a Marinha é responsável pela conservação, gestão e segurança de toda a servidão de passagem, o que inclui o espaço onde estão posicionados os gradis que circundam a orla e que evitam a queda de transeuntes no mar. Portanto, tais gradis foram colocados, por iniciativa da Marinha, logo no início dos Jogos, como medida de segurança à população, visto que o projeto apresentado pela Prefeitura não incluía dispositivo de proteção ao usuário. Nesse sentido, a Marinha solicitou à prefeitura que fizesse adaptações ao projeto urbanístico inicial, onde contemplasse a colocação de guarda-corpos em toda a extensão da Orla Conde no lugar dos gradis provisórios.

 

Últimas Notícias

Nordeste perdeu 1 milhão de trabalhadores no campo de 2012 para 2017
IBGE prevê em 2019 safra de grãos 0,2% menor que a de 2018
Safra de grãos pode chegar a 238,3 milhões de toneladas, diz Conab
Banco do Brasil tem lucro de 14,3% no terceiro trimestre
Percentual de inadimplentes recua em outubro, diz CNC
Boletos vencidos de todos os tipos serão pagos em qualquer banco
Leonardo de Morais toma posse na presidência da Anatel
Natal deve movimentar R$ 53,5 bilhões na economia do país, prevê SPC

MAIS NOTICIAS

 

No Congresso, Temer defende reuniões frequentes entre Poderes
 
 
Bolsonaro reafirma, no Congresso, compromisso com a Constituição
 
 
Bolsonaro critica Enem e diz que prova deve cobrar conhecimentos úteis
 
 
Governo de transição dividiu trabalhos por temas em dez frentes
 
 
Para ministro, é “mais simples” unir MEC com Ciência e Tecnologia
 
 
Bolsonaro e Temer iniciam hoje formalmente governo de transição

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2019 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212