Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


23 de Mar de 2019 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Presidente da Petrobras diz que vai manter investimentos em pesquisa - Jornal Brasil em Folhas
Presidente da Petrobras diz que vai manter investimentos em pesquisa


O presidente da Petrobras, Pedro Parente, afirmou que não haverá corte de despesas para investimentos em projetos de pesquisa e desenvolvimento do Instituto Alberto Luiz Coimbra de Pós-Graduação e Pesquisa de Engenharia (Coppe), da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ).

Parente fez nesta semana a primeira visita à Coppe, reunindo-se com diretores, professores e coordenadores de programas.

Não vamos reduzir projetos de pesquisa e desenvolvimento. Nossa redução de despesas não passa por isso. Não tenho dúvida de que passamos por um momento muito difícil, mas o setor pode retomar o dinamismo com os novos leilões, que serão realizados em 2017, novas parcerias e desinvestimentos. Diria que estamos começando a trilhar o caminho da melhora, disse Parente.

Segundo Parente, a redução de despesas, estimada em 18%, deve-se à crise do setor de óleo e gás, ocasionada pela entrada no mercado do óleo de xisto e pelo aumento da oferta de óleo.

Todas as empresas petrolíferas estão otimizando portfólio, reduzindo custos e efetivo. A Petrobras precisaria fazer o mesmo, ainda que não tivesse ocorrido aumento explosivo do seu endividamento, informou o presidente da empresa.

Ele disse que a dívida da Petrobras é cinco vezes maior que a geração de caixa operacional. É a maior dívida dentre as empresas do setor, tanto em termos absolutos quanto relativos. Pagávamos US$1,7 bilhões em juros. Em 2015, passamos a pagar R$ 6,3 bilhões. Nossa dívida quintuplicou, os juros dobraram e, se nada for feito, pagaremos 17 bilhões em juros.

Política

Docentes da universidade fizeram perguntas sobre assuntos considerados importantes para a economia do país, como a política de conteúdo nacional e a retirada da Petrobras de setores estratégicos, como o petroquímico e o de biocombustíveis. Parente disse que a retirada da empresa da operação comercial desses setores é necessária para recuperação da rentabilidade e redução do endividamento.

O diretor de Relações Institucionais e professor do Programa de Planejamento Energético da Coppe, Luiz Pinguelli Rosa, mostrou-se preocupado com a desvinculação da Petrobras de setores estratégicos para o país, como o de distribuição. Pinguelli destacou que a Petrobras tem grande importância para o país por ser uma empresa de energia integrada. Parece um equívoco sair de setores como o de distribuição, vendendo partes da empresa, inclusive, e o de biocombustíveis, que a meu ver, são importantes para o futuro da Petrobras, afirmou Pinguelli.

Parente negou que a Petrobras vá sair da distribuição. “Oferecemos 49% das ações da BR Distribuidora. Vamos dividir o controle da BR, mas não vamos abrir mão da gestão. Ele acrescentou que, por seu tamanho e sua demanda, a empresa pode contribuir para uma indústria brasileira competitiva internacionalmente.

Sou brasileiro e patriota, e gostaria de comprar tudo no Brasil, se o prazo, o preço e a qualidade forem competitivos. Mas não posso prejudicar a Petrobras. Tivemos que fazer leasing para encomendas que estavam atrasadas e poderiam nos causar prejuízos de R$ 3 bilhões, lembrou.

Projetos

O diretor da Coppe, Edson Watanabe, apresentou alguns dos principais projetos da instituição, como a Boca de Sino Multifuncional (BSMF) e a Boia de Sustentação de Risers (BSR), projetos vencedores do Prêmio ANP 2015, o robô Dóris, usado na exploração offshore, e o ônibus híbrido a hidrogênio e eletricidade, entre outros. Outro projeto apresentado no encontro foi o de Sistemas Inteligentes de Produção Óleo e Gás (Sipog), usados para aumentar a eficiência na exploração offshore.

No curto prazo, a iniciativa prevê avanços na produção de materiais, inovação industrial, construção naval e descomissionamento de instalações e, no médio prazo, geração de energia renovável, uso do gás natural dos poços para geração de energia elétrica e transmissão de energia em corrente contínua.

Após as reuniões, a comitiva da Petrobras embarcou no Maglev-Cobra, o trem de levitação magnética desenvolvido pela Coppe, e visitou o LabOceano, onde está instalado o tanque oceânico mais profundo do mundo.

Fundada em 1963, a Coppe realizou 2 mil projetos em parceria com a Petrobras, nos últimos 12 anos, envolvendo recursos em torno de R$ 1 bilhão. Foi a primeira universidade a formalizar um projeto em parceria com a estatal, em 1977.

 

Últimas Notícias

Bolsonaro participa no Chile de Cúpula Presidencial Sul-Americana
Sul e Sudeste se unem e formam consórcio para ações conjuntas
Copom inicia reunião nesta terça para definir taxa básica de juros
Mercado reduz projeção de crescimento da economia de 2,28% para 2,01%
Atividade econômica tem queda de 0,41% em janeiro, diz BC
Governo lança edital de estudos para concessão de 22 aeroportos
Governo do Rio anuncia rompimento da concessão do Maracanã
Feiras em São Paulo oferecem oportunidades de intercâmbio no exterior

MAIS NOTICIAS

 

Copom inicia reunião nesta terça para definir taxa básica de juros
 
 
Mercado reduz projeção de crescimento da economia de 2,28% para 2,01%
 
 
Atividade econômica tem queda de 0,41% em janeiro, diz BC
 
 
Governo lança edital de estudos para concessão de 22 aeroportos
 
 
Governo do Rio anuncia rompimento da concessão do Maracanã
 
 
Conflitos e segurança poderão contar pontos na avaliação de escolas

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2017 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212