Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


14 de Nov de 2018 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Piratas do Cerrado apreende mais de R$ 1 milhão em roupas - Jornal Brasil em Folhas
Piratas do Cerrado apreende mais de R$ 1 milhão em roupas


Após dois anos de intensa investigação, a Delegacia Estadual de Repressão a Crimes Contra o Consumidor (Decon) deflagrou em Jaraguá, a Operação Piratas do Cerrado, para cumprir oito mandados de prisão preventiva e 11 de busca e apreensão em depósitos, galpões e lojas que comercializavam mercadorias sem nota fiscal e adulteravam os artigos usando etiquetas de marcas famosas.

Durante a operação, nesta semana, três pessoas foram presas e uma foi conduzida coercitivamente. Um veículo usado para a prática delituosa foi apreendido pelos policiais, que apreenderam, também, R$ 27 mil em espécie, 58 folhas de cheques preenchidos, etiquetas, anotações de vendas, celulares e cerca de 25 mil peças de vestuário e calçados sem nota fiscal.

O objetivo da operação, conforme destaca o delegado Webert Leonardo Santos, da Decon, foi coibir a sonegação fiscal, a concorrência desleal em relação aos comerciantes regularizados, associação criminosa, lavagem de dinheiro, crime contra as marcas e patentes e os crimes contra as relações de consumo. Segundo explicou, a Decon instaurou inquérito e passou a monitorar as denúncias que eram feitas, identificando os suspeitos ao longo desses dois anos. “Só então deflagramos a ação ostensiva para cumprir os mandados deferidos pelo Poder Judiciário”, afirmou.

Coordenada pelo delegado Webert Leonardo, a operação contou com o apoio logístico da 15ª Delegacia Regional de Polícia de Goianésia, que tem como titular o delegado Marco Antônio Zenaide Maia Junior. Participaram, ainda, o GT3, a Delegacia de Polícia de Ceres, a Delegacia de Itapaci, o Grupo de Repressão a Crimes contra o Consumidor (Gecon) de Anápolis, o Grupo de Capturas e Apoio Operacional (Caop) de Anápolis, a Delegacia Especializada no Atendimento à Mulher (Deam) de Goianésia.

Segundo o delegado, toda a execução desta ação contou com a parceria do Poder Judiciário de Jaraguá, que reconheceu a importância da operação e disponibilizou espaço para abrigar todos os artigos apreendidos nos 11 estabelecimentos comerciais e depósitos clandestinos. “Foi uma operação extremamente exitosa, tanto nos seus resultados práticos positivos de prisões e apreensões, quanto no seu efeito pedagógico”, declarou o delegado Webert.

Novas operações
Conforme acentuou o coordenador da operação, aqueles que teimam em adulterar artigos de vestuário e vender como se fossem de marcas famosas e, ainda, sem nota fiscal, vão ser alvos de novas operações. “Há várias outras frentes de investigações com a mesma finalidade sendo realizadas no município de Jaraguá que deverão culminar com novas prisões e apreensões”, afirmou.

Ainda de acordo com a polícia, as investigações são aprofundadas a cada denúncia. Uma das linhas de investigação aponta indícios de que até lojas de shoppings estariam introduzindo aos seus estoques produtos fabricados em Jaraguá e adulterados com etiquetas de marcas famosas com a finalidade de obtenção de maior lucro. “É bem variada a forma de agir desses grupos em Jaraguá; alguns têm lojas como fachadas para o negócio clandestino, outros usam apenas galpões e depósitos, inclusive em áreas rurais”, ressaltou.WhatsApp Image 2016-12-21 at 18.30.52

As peças de roupas apreendidas, no valor aproximado de mais de R$ 1 milhão, ostentavam marcas de renome nacional e internacional, entre elas, a Calvin Klein, Dudalina, Colcci, Diesel, Hollister, Carelli, Fórum, John John, Aleatory, Lacoste, Lança Perfume e outras. Para surpresa dos policiais, grande quantidade de calçados também foi encontrada nos depósitos e apreendidas. Entre eles, tênis etiquetados como se fossem Adidas.

Jaraguá x mercados clandestinos
Jaraguá é conhecida como grande polo de confecções que ganhou fama pelos jeans de alta qualidade. Além de peças para adultos, a Decon encontrou nos 11 pontos investigados artigos de vestuário infantil, entre elas, os da marca Lilica Ripilica. O comércio de artigos com marcas adulteradas abastece, segundo o delegado da Decon, Webert Leonardo, os mercados clandestinos em Goiânia, principalmente na Bernardo Sayão e na 44, as cidades do interior do estado, além de Tocantins, Pará, Minas Gerais e São Paulo. Há indícios de que países da América do Sul, entre eles a Bolívia e o Paraguai, também recebem artigos de vestuário de Jaraguá.

 

Últimas Notícias

Nordeste perdeu 1 milhão de trabalhadores no campo de 2012 para 2017
IBGE prevê em 2019 safra de grãos 0,2% menor que a de 2018
Safra de grãos pode chegar a 238,3 milhões de toneladas, diz Conab
Banco do Brasil tem lucro de 14,3% no terceiro trimestre
Percentual de inadimplentes recua em outubro, diz CNC
Boletos vencidos de todos os tipos serão pagos em qualquer banco
Leonardo de Morais toma posse na presidência da Anatel
Natal deve movimentar R$ 53,5 bilhões na economia do país, prevê SPC

MAIS NOTICIAS

 

No Congresso, Temer defende reuniões frequentes entre Poderes
 
 
Bolsonaro reafirma, no Congresso, compromisso com a Constituição
 
 
Bolsonaro critica Enem e diz que prova deve cobrar conhecimentos úteis
 
 
Governo de transição dividiu trabalhos por temas em dez frentes
 
 
Para ministro, é “mais simples” unir MEC com Ciência e Tecnologia
 
 
Bolsonaro e Temer iniciam hoje formalmente governo de transição

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2019 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212