Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


21 de Fev de 2019 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Parques tecnológicos firmam parceria que permite intercâmbio de empresas - Jornal Brasil em Folhas
Parques tecnológicos firmam parceria que permite intercâmbio de empresas


A Justiça argentina decidiu reabrir hoje (29) a denúncia do promotor Alberto Nismam contra a ex-presidente Cristina Kirchner. Dias antes de aparecer morto, Nismam acusou a ex-presidente de ter tentado garantir a impunidade de iranianos que perpetraram em 1994 um atentado contra a Associação Mutual Israelita Argentina (Amia), no qual 85 pessoas morreram e cerca de 330 ficaram feridas. As informações são da Agência Ansa.

Em janeiro do ano passado, Nisman havia acusado Kirchner, o ministro de Relações Exteriores, Héctor Timerman, e outros dirigentes políticos de terem negociado um acordo bilateral com o governo do Irã, assinado em 2013, com a intenção de encobrir altos funcionários iranianos na investigação.

Apenas quatro dias depois de ter apresentado sua denúncia, no dia 18 de janeiro de 2015, Nisman foi encontrado morto em seu apartamento em Buenos Aires.

O promotor era responsável pela investigação do atentado contra a sede da Amia, uma das principais instituições da comunidade judia na Argentina, que deu ordens de prisão a seis altos dirigentes de Teerã acusados de organizar o ataque.

O acordo assinado por Argentina e Irã nunca foi ratificado pelo Parlamento iraniano e foi declarado inconstitucional pela Suprema Corte de Buenos Aires. A denúncia de Nisman se tornou objeto de um processo jurídico que acabou sendo arquivado até esta quinta, quando foi reaberto.

A decisão deliberada de encobrir os responsáveis de origem iraniana (...) foi tomada pela presidente Cristina Kirchner e instrumentada principalmente pelo ministro de Relações Exteriores, Héctor Marcos Timerman, disse Nisman ano passado, durante a apresentação de sua denúncia. Segundo o promotor, a mandatária teria tido motivos comerciais, como intercâmbio de petróleo e grãos.

 

Últimas Notícias

Brasil perdeu 7,2 milhões de linhas de celular no ano passado
Petrobras reduz em 3% GLP empresarial nas refinarias
Ministro do STJ nega pedido de prisão domiciliar a João de Deus
Escassez de chuvas leva governo a acionar termelétricas mais caras
Picciani, Paulo Melo e Albertassi serão julgados por Bretas
Suspensa permissão para deputada receber denúncias contra professores
MPT não descarta pedir bloqueio dos bens do Flamengo
Número de mortos identificados em Brumadinho chega a 151

MAIS NOTICIAS

 

Sul do Chile enfrenta 45 focos de incêndios florestais
 
 
Governo de Minas oferece suporte psicossocial às vítimas de Brumadinho
 
 
Força Nacional de Segurança começa a deixar o Ceará
 
 
Licitação de ônibus em São Paulo tem contratos de R$ 71 bi em 20 anos
 
 
Força Nacional vai atuar em Belém na primeira quinzena de março
 
 
Fiocruz alerta para agravamento de doenças na população após tragédia

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2017 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212