Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


18 de Nov de 2018 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Parques tecnológicos firmam parceria que permite intercâmbio de empresas - Jornal Brasil em Folhas
Parques tecnológicos firmam parceria que permite intercâmbio de empresas


A Justiça argentina decidiu reabrir hoje (29) a denúncia do promotor Alberto Nismam contra a ex-presidente Cristina Kirchner. Dias antes de aparecer morto, Nismam acusou a ex-presidente de ter tentado garantir a impunidade de iranianos que perpetraram em 1994 um atentado contra a Associação Mutual Israelita Argentina (Amia), no qual 85 pessoas morreram e cerca de 330 ficaram feridas. As informações são da Agência Ansa.

Em janeiro do ano passado, Nisman havia acusado Kirchner, o ministro de Relações Exteriores, Héctor Timerman, e outros dirigentes políticos de terem negociado um acordo bilateral com o governo do Irã, assinado em 2013, com a intenção de encobrir altos funcionários iranianos na investigação.

Apenas quatro dias depois de ter apresentado sua denúncia, no dia 18 de janeiro de 2015, Nisman foi encontrado morto em seu apartamento em Buenos Aires.

O promotor era responsável pela investigação do atentado contra a sede da Amia, uma das principais instituições da comunidade judia na Argentina, que deu ordens de prisão a seis altos dirigentes de Teerã acusados de organizar o ataque.

O acordo assinado por Argentina e Irã nunca foi ratificado pelo Parlamento iraniano e foi declarado inconstitucional pela Suprema Corte de Buenos Aires. A denúncia de Nisman se tornou objeto de um processo jurídico que acabou sendo arquivado até esta quinta, quando foi reaberto.

A decisão deliberada de encobrir os responsáveis de origem iraniana (...) foi tomada pela presidente Cristina Kirchner e instrumentada principalmente pelo ministro de Relações Exteriores, Héctor Marcos Timerman, disse Nisman ano passado, durante a apresentação de sua denúncia. Segundo o promotor, a mandatária teria tido motivos comerciais, como intercâmbio de petróleo e grãos.

 

Últimas Notícias

Bolsonaro terá uma série de reuniões na próxima semana em Brasília
Com pênalti controverso, Brasil vence Uruguai por um a zero
Brasil está preparado para substituir médicos cubanos, afirma Temer
Chega a quatro número de vítimas das chuvas em Belo Horizonte
Estudantes poderão renovar o Fies até o dia 23
Massoterapeuta Dani Bumbum deixa prisão no Rio
Cervejas terão rótulos com os ingredientes usados na fabricação
Temporal causa mortes e estragos em BH; adolescente está desaparecida

MAIS NOTICIAS

 

Morre em Pelotas o criador da camisa canarinho, Aldyr Schlee
 
 
Brasil concentrou 40% dos feminicídios da América Latina em 2017
 
 
Jungmann e Toffoli anunciam sistema para unificar processos de presos
 
 
Pensamento liberal deve guiar a equipe econômica de Bolsonaro
 
 
Gold3-4 minutosfajn permanecerá à frente do BC até Senado aprovar Campos Neto
 
 
Senado argentino aprova orçamento de 2019 como prometeu ao FMI

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2019 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212