Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


18 de Nov de 2018 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Terrorismo afasta turistas e atinge política e economia da Turquia - Jornal Brasil em Folhas
Terrorismo afasta turistas e atinge política e economia da Turquia


Dois jovens se amontoam entre as centenas de pessoas diante da casa noturna Reina, em Istambul, durante as homenagens às 39 vítimas de um atentado no Ano-Novo. Eles vestem dólmãs de cozinheiro e se cobrem com as bandeiras da Turquia.

Ambos vieram de Bursa, a 150 quilômetros dali, para se manifestar sobre uma catástrofe que já anunciam: o colapso do setor turístico.

O escoamento de estrangeiros é uma das consequências mais imediatas da série de ataques sofridos pela Turquia no último ano, como a explosão próxima a um estádio em 10 de dezembro, que matou 45, e o ataque ao clube durante a virada do ano.

O golpe à economia atinge também a política e pode resultar, para analistas, em um governo ainda mais rígido.

"Queremos mostrar que esse não foi apenas um ataque contra um clube, mas contra todo o país", diz à Folha Muhammed Saskin, 18, estudante de hotelaria e cozinheiro. Os atentados fazem com que a Turquia não pareça segura, prejudicando o setor, diz ele.

Dados do Ministério do Turismo indicam que o número de estrangeiros visitando a Turquia caiu 30,8% durante os 11 primeiros meses de 2016 em comparação com o mesmo período de 2015.

O número de turistas russos caiu 77,3%. Turquia e Rússia tiveram atritos diplomáticos em 2015, mas recentemente restauraram laços.

A crise é visível. Pontos turísticos estavam vazios na terça-feira (3). Istambul é popular entre os turistas por cenários como a Basílica de Santa Sofia e o Palácio Topkapi.

As estatísticas preocupam o setor e motivaram a manifestação em solidariedade às vítimas. Saskin diz que soube da homenagem via colegas e viajou a Istambul vestindo a roupa de trabalho.

CONSPIRAÇÃO

O ano foi, para o colunista turco Mustafa Akyol, desastroso. "Foi um ano ruim, ruim, ruim", diz, citando os ataques terroristas, a tentativa de golpe militar em julho e o colapso da economia.

Mas, ao contrário de momentos anteriores da história turca, quando as agruras econômicas fortaleceram alternativas políticas, a crise atual deve consolidar o governo do presidente Recep Tayyip Erdogan, afirma.

"O Estado tem propagado a ideia de que a crise econômica é uma conspiração contra a Turquia. Muitas pessoas acreditam nessa narrativa, o que pode incrementar o apoio dentro de sua base."

O momento político também favorece Erdogan, após o golpe frustrado. "Ele nunca esteve tão popular", afirma Akyol.

"O golpe deu a impressão de que há forças sinistras tentando derrubar o presidente e de que é preciso se unir contra essas forças."

Os repetidos atentados têm um efeito semelhante. A Folha encontrou o juiz aposentado Izzet Dogan assinando um livro de condolências diante do clube noturno Reina. Ele escreveu:

"Os autores do ataque são inimigos da esperança. A violência e o sangue nunca são o suficiente para eles."

Apesar de reconhecer que houve falhas no aparato de segurança, debilitado pela demissão de milhares de servidores públicos, Dogan diz também que falta solidariedade do público a Erdogan. "Se nos uníssemos, seria mais fácil para o governo lidar com essa crise", afirma.

RESPONSABILIDADE

Por outro lado, diz o parlamentar Baris Yarkadas, o público está se cansando da crescente instabilidade. A participação da Turquia no conflito sírio e sua campanha contra militantes curdos são vistos como catalisadores da crise na segurança.

Yarkadas, da sigla de oposição CHP (Partido Republicano do Povo, centro-esquerda), é membro do comitê de segurança no Parlamento.

"O governo espera mais e mais ataques, e a população está ciente de que o país está em conflito", diz. "Mas o Estado não tem uma política para garantir a segurança."

Nesse sentido, Kamal Kiliçdaroglu, líder do CHP, acusou o governo de ser responsável pelo aumento dos ataques e pediu que renuncie devido às 39 mortes na Reina.

Kiliçdaroglu afirmou que ninguém no governo assume a responsabilidade ou atua para prevenir novas ações.

"As pessoas estão em choque, tentando entender o que houve", diz Yarkadas. "Já o governo tenta manipular o público pela mídia estatal dizendo não ter culpa."

 

Últimas Notícias

Submarino argentino é encontrado um ano e um dia após desaparecimento
Parlamento cubano rejeita resolução da Eurocâmara sobre direitos human
Incêndio da Califórnia registra 74 mortos e mais de mil desaparecidos
Livro mistura suspense e fantasia em reflexão sobre violência no país
EBC e Fundação Getulio Vargas firmam acordo para revitalizar acervo
Trabalho de escoramento em viaduto paulistano prossegue neste sábado
Belo Horizonte tem previsão de mais chuva; temporais já mataram quatro
Prefeito de Mariana diz que não desistirá de ação no Reino Unido

MAIS NOTICIAS

 

Morre em Pelotas o criador da camisa canarinho, Aldyr Schlee
 
 
Brasil concentrou 40% dos feminicídios da América Latina em 2017
 
 
Jungmann e Toffoli anunciam sistema para unificar processos de presos
 
 
Pensamento liberal deve guiar a equipe econômica de Bolsonaro
 
 
Gold3-4 minutosfajn permanecerá à frente do BC até Senado aprovar Campos Neto
 
 
Senado argentino aprova orçamento de 2019 como prometeu ao FMI

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2019 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212