Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


21 de Jan de 2019 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Odebrecht assina acordo preliminar no Peru e pagará R$ 28 mi como garantia - Jornal Brasil em Folhas
Odebrecht assina acordo preliminar no Peru e pagará R$ 28 mi como garantia


A filial da Odebrecht no Peru emitiu uma nota nesta quinta-feira (5) confirmando a assinatura de um termo de cooperação com o Ministério Público do país.

"A Odebrecht Peru confirma a assinatura de um termo de cooperação com o Ministério Público desse país e reafirma seu compromisso de apoiar as investigações em curso", diz o comunicado da empresa.

Segundo o Ministério Público do Peru, a empresa se compromete a entregar, como garantia, o valor de 30 milhões de soles peruanos, o equivalente a R$ 28 milhões.

O montante não está vinculado à multa negociada no país, mas à restituição de parte dos lucros ilícitos obtidos pela empreiteira em negócios no Peru. A indenização a ser paga será determinada na assinatura do acordo final, segundo as autoridades daquele país.

Segundo o DOJ, o Departamento de Justiça dos EUA, a Odebrecht pagou cerca de US$ 788 milhões em propinas em mais de cem projetos em 12 países entre 2001 e 2016: Brasil, Peru, Angola, Argentina, Colômbia, Equador, Guatemala, México, Moçambique, Panamá, República Dominicana e Venezuela. Hoje a empresa atua em 27 países.

O DOJ informou que, no Peru, a Odebrecht pagou US$ 29 milhões em propinas entre 2005 e 2014 e teve um benefício de US$ 143 milhões nesse período.

Em dezembro, o governo do Peru havia decidido proibir a participação da Odebrecht em licitações de obras públicas no país. Ao buscar acordos, o objetivo da empresa é continuar atuando no exterior, onde se concentra grande parte de seus negócios.

Integrantes do Ministério Público do país, porém, afirmaram à Folha que o acordo preliminar não garante que a Odebrecht tenha permissão para voltar a ser contratada pelo poder público do país. Segundo pessoas ligadas à investigação, o acordo não trata desse tema.

ADIANTAMENTO

Em nota, o Ministério Público do Peru afirma que a entrega antecipada de valores ao país no contexto de devolução de bens ilícitos é um fato inédito. A instituição cita que as negociações do acordo de leniência da Odebrecht assinado entre Brasil, Estados Unidos e Suíça não teve a exigência desse fator. Tal demanda foi uma condição inicial imposta pelos procuradores peruanos para iniciar as conversas.

Com a entrega, o Peru já recupera parte dos bens ilícitos que a empresa confessa ter obtido no país sem que a multa final seja afetada.

Tal acordo se refere exclusivamente a pessoa jurídica e não inclui os executivos do grupo que trabalham ou trabalharam no país.

"Com o acordo preliminar, a empresa se compromete a entregar ao Ministério Público informação e/ou documentação relevante que seja requisitada, mesmo que se encontre em outro país que não seja o Peru", diz em nota o Ministério Público peruano. "Isso permitirá, por um lado, incorporar informação útil à investigação e, por outro, reduzir os prazos para reunir provas fora do país", diz a nota.

As negociações com o Peru se iniciaram em novembro, mas ganharam celeridade após a assinatura do acordo de leniência em que a Odebrecht se comprometeu a pagar R$ 6,9 bilhões, que serão divididos entre Brasil, Estados Unidos e Suíça e pagos ao longo de 23 anos.

O acordo com o Peru é o primeiro de uma série que a Odebrecht pretende assinar com todos os países citados pelo documento do governo dos EUA. A empresa diz que foi surpreendida com a decisão do Departamento de Justiça de divulgar os nomes dos países afetados sem aviso prévio, o que provocou uma reação em cadeia de governos contra a empresa, proibindo-a de participar de licitações públicas. O acordo peruano já estava bastante adiantado, e os outros começarão a ser negociados agora.

Nesta terça (3), no Equador, um juiz determinou que órgãos públicos não contratem a empresa brasileira devido às suspeitas envolvendo pagamento de propina.

O Panamá também decidiu impedir a construtora de participar de licitações.

Só no Equador, a Odebrecht atuou em 13 projetos, conforme informações do site da empresa, sendo que dois estão em andamento. A estrada Via Interoceânica, que foi concluída, aparece no acordo de delação do grupo como foco de desvios, segundo a Folha apurou.

 

Últimas Notícias

Inep divulga resultado do Enem
Frédéric Lamotte é o novo diretor geral da CA Indosuez Wealth (Miami) e responsável Global da região das Américas
A ACIRLAG chega para impulsionar o setor econômico da região Leste de Aparecida
Inep divulga notas do Enem na sexta-feira
Bolsonaro sanciona Lei do Orçamento 2019 de mais de R$ 3,3 trilhões
Parlamento venezuelano aprova acordo para entrada de ajuda humanitária
Imigrantes hondurenhos sofrem com obstáculos para passagem de caravana
Militares vão atuar de forma mais intensa no Programa Mais Médicos

MAIS NOTICIAS

 

ANP aprova credenciamento de empresa certificadora
 
 
Política de combate à inflação foi bem-sucedida, diz presidente do BC
 
 
Marcos Pontes: fusão de Embraer e Boeing preserva interesses do país
 
 
Número de linhas de celular tem maior queda do ano em novembro
 
 
ANP: Petrobras pede prazo maior para definir quais campos vai explorar
 
 
Ex-presidente do Banco Central defende política econômica do governo

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2017 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212