Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


17 de Fev de 2019 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Maduro afirma que Trump não pode ser pior que Obama na presidência dos EUA - Jornal Brasil em Folhas
Maduro afirma que Trump não pode ser pior que Obama na presidência dos EUA


O presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, disse nesta segunda-feira que é preciso esperar para ver como Donald Trump se sai na presidência dos Estados Unidos e, após assinalar que houve uma campanha de ódio contra o magnata, acrescentou que não será pior que Barack Obama.

É preciso esperar. Sobre o presidente Donald Trump os grandes veículos de comunicação internacionais especularam muito e nos surpreende a campanha de ódio que há contra Donald Trump, brutal, no mundo inteiro, no mundo ocidental e nos Estados Unidos, afirmou Maduro a jornalistas no palácio presidencial de Miraflores.

Não nos antecipemos aos fatos, nesse sentido eu quero ser prudente e dizer: Esperemos, pior que Obama não será, acrescentou.

O presidente venezuelano salientou que é preciso esperar para ver o comportamento de Trump tanto na política interna dos Estados Unidos como na política internacional, ao mesmo tempo em que ratificou que quer ter relações de respeito, comunicação e cooperação com Washington.

Esperemos, vêm grandes mudanças na política mundial (...) Será o que chamam a era Trump, eu acredito que as mudanças da geopolítica mundial vão estar marcadas pela pluripolaridade e pelo multicentrismo. A época do mundo unipolar acabou e a Venezuela está na onda de essas mudanças, completou.

Além disso, Maduro disse que Obama deixa um legado de guerras na África e na Ásia, deixa o mundo infestado de terrorismo, e na América Latina será lembrado por três golpes de Estado, em alusão ao afastamento dos presidentes de Honduras, Manuel Zelaya em 2009, de Fernando Lugo no Paraguai em 2012, e de Dilma Rousseff no Brasil em 2016.

Também atribuiu a Obama tentativas de golpes contra Evo (Morales, da Bolívia), as campanhas de cerco contra a Nicarágua, as tentativas de golpe e de magnicídio contra Rafael Correa no Equador e tudo o que fez ao povo venezuelano, a guerra econômica, o bloqueio financeiro.

Nesse sentido, indicou que a única coisa que podia reconhecer de Obama como algo positivo é o que tentou fazer com Cuba ao tentar aligeirar os mecanismos do bloqueio, embora tenha ressaltando que acredita faz isso porque acha que é a via pela qual podem reconquistar Cuba e recolonizá-la.

Ontem Maduro fez um apelo pela formação de um grande movimento nacional de rejeição e repúdio contra a ordem executiva de Obama que prorrogou na sexta-feira passada, por mais um ano, a emergência nacional sobre o país caribenho.

Maduro afirmou que a decisão do presidente em fim de mandato dos EUA de renovar a brutal ordem executiva na qual declara a Venezuela uma ameaça incomum e extraordinária é uma expressão de ódio lamentável.

Obama ordenou a continuidade de um ano da emergência nacional declarada em 2015 sobre a Venezuela, onde, segundo indicou, a situação não melhorou e o governo continua enfraquecendo as garantias dos direitos humanos.

 

Últimas Notícias

Governadores pedem ao STF julgamento de processos sobre repasses
Ministro quer atrair investimentos privados para Jardim Botânico do RJ
Fies vai oferecer 100 mil vagas a juro zero para alunos de baixa renda
TJ libera R$ 13 milhões para Vale ressarcir gastos do governo mineiro
Vale pede mais tempo para analisar Termo de Ajuste Preliminar
Deputados do Rio presos podem ter posses suspensas
Vale suspende operação em barragem em Brucutu e de mina em Brumadinho
TRE-RJ mantém ex-deputado Paulo Melo inelegível até 2024

MAIS NOTICIAS

 

Sul do Chile enfrenta 45 focos de incêndios florestais
 
 
Governo de Minas oferece suporte psicossocial às vítimas de Brumadinho
 
 
Força Nacional de Segurança começa a deixar o Ceará
 
 
Licitação de ônibus em São Paulo tem contratos de R$ 71 bi em 20 anos
 
 
Força Nacional vai atuar em Belém na primeira quinzena de março
 
 
Fiocruz alerta para agravamento de doenças na população após tragédia

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2017 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212