Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


24 de Jan de 2019 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Ex-tesoureiro admite na Justiça contabilidade oculta do PP espanhol - Jornal Brasil em Folhas
Ex-tesoureiro admite na Justiça contabilidade oculta do PP espanhol


O Partido Conservador espanhol (situação) teria uma contabilidade oculta, admitiu nesta segunda-feira publicamente a um tribunal Luis Bárcenas, ex-tesoureiro da organização e quem é julgado como protagonista de uma ampla rede de corrupção.

Gerente e depois tesoureiro do Partido Popular (PP) de 1989 a 2009, Bárcenas já havia revelado em 2013 - interrogado por um juiz a portas fechadas - a existência de uma caixa preta da organização com dinheiro não declarado.

Ele afirmou ter entregue dinheiro em envelopes ao atual chefe de governo, Mariano Rajoy.

Perguntado publicamente nesta segunda sobre a caixa B, Bárcenas confirmou que existiram recursos que não estavam na contabilidade oficial.

Segundo ele, eram doações de empresários, que não esperavam contrapartidas.

Bárcenas testemunhou em juízo pela chamada chamada trama Gürtel, iniciada em outubro, pela qual pode ser sentenciado a 42 anos de prisão.

A trama era supostamente dirigida pelo empresário Francisco Correa, que pagava subornos e presenteava funcionários do PP em troca de licitações de obras públicas para empresas amigas.

Se os empresários conseguissem um contrato, eles pagavam uma comissão, parte dela para Bárcenas, de acordo com o depoimento de Correa.

É uma acusação infundada, em todo caso é uma estupidez, afirmou Bárcenas nesta segunda-feira. Não recebi absolutamente nada de Correa nem para mim nem para o PP, acrescentou.

Bárcenas precisa explicar a origem de sua fortuna de 48 milhões de euros em contas suíças. Nesta segunda-feira, alegou que sempre manejou grandes quantias de dinheiro em espécie, sobretudo porque se dedicava à venda de obras de arte.

Ele também defendeu Rajoy, ao afirmar que o presidente do PP deu ordens em 2003 de não trabalhar mais com empresas de Correa, porque lhe contaram que Correa se dedicava a atividades ilícitas.

Rajoy não assumiu qualquer responsabilidade no caso Gürtel, mas lamentou ter enviado em 2013 uma mensagem de texto a Bárcenas em que dizia: Seja forte.

 

Últimas Notícias

Chega a 73 o número de mortos em explosão no México; feridos somam 74
Forte terremoto de magnitude 6,7 atinge o Chile
Mais de 150 imigrantes se afogam no Mar Mediterrâneo
Brasil e Europa vão ser interligados por novo cabo submarino
Acordo para mudar nome da Macedônia gera protestos em Atenas
Ghosn está disposto a aceitar qualquer condição para obter fiança
Bombeiros buscam pessoa desaparecida depois de tromba dágua no Rio
Mega-Sena acumula de novo e pode pagar R$ 38 milhões na quarta-feira

MAIS NOTICIAS

 

ANP aprova credenciamento de empresa certificadora
 
 
Política de combate à inflação foi bem-sucedida, diz presidente do BC
 
 
Marcos Pontes: fusão de Embraer e Boeing preserva interesses do país
 
 
Número de linhas de celular tem maior queda do ano em novembro
 
 
ANP: Petrobras pede prazo maior para definir quais campos vai explorar
 
 
Ex-presidente do Banco Central defende política econômica do governo

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2017 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212