Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


14 de Nov de 2018 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Venda de máquinas industriais registra queda pelo quarto ano seguido - Jornal Brasil em Folhas
Venda de máquinas industriais registra queda pelo quarto ano seguido


O presidente da Associação Brasileira da Indústria de Máquinas e Equipamentos (Abimaq), João Carlos Marchesan, disse hoje (25) que a falta de confiança, agravada pelos juros altos foi determinante para a queda no faturamento em 2016. Os números divulgados pela Abimaq mostram que a indústria de máquinas e equipamentos registrou a quarta queda seguida em 2016, de 24,3% na receita líquida total, ou seja, nas vendas internas e exportações. A queda vem acontecendo desde 2013, com -5%, em 2014 com -11,6% e em 2015 amargou -14,4%. O ano passado teve o pior desempenho na série histórica iniciada em 1999.

“A incerteza política, uma inflação elevadíssima, com 10%, uma Selic de 14%, a restrição de crédito, ou seja, os próprios bancos não operando com o Finame (Financiamento para aquisição e produção de máquinas e equipamentos novos), e a falta de confiança de quem vai comprar a máquina impediram o crescimento do setor”, disse o presidente da associação.

A receita do setor foi de R$66,3 bilhões em 2016, abaixo dos R$66,8 bilhões registrados em 2003, até então a pior marca histórica. Se comparado ao último ano de crescimento do setor, 2012, o número de 2016 representa apenas 54,4% da receita daquele período.

Segundo a Abimaq, esta é a maior crise histórica do setor, que, mesmo diante de uma retomada da economia, deve ser um dos últimos a voltar a crescer por causa do elevado nível de capacidade ociosa da indústria em geral, o que tende a adiar novos investimentos mesmo diante da ligeira expansão da atividade econômica prevista para 2017 e 2018.

Apesar dos desafios, o presidente-executivo José Velloso Dias Cardoso tem otimismo no crescimento, que pode ser alavancado pelo setor de máquinas agrícolas. “Acreditamos que o faturamento vai subir, principalmente porque agora entraremos [2017] com juros declinantes, longe do ideal, mas é natural que o setor se recupere. Com otimismo podemos esperar um crescimento de 5% no total de vendas de máquinas, com excelente perspectiva no setor de máquinas agrícolas com previsão de 15% no faturamento”, afirmou.

O balanço de 2016 divulgado pela Abimaq também revelou que três setores apresentaram variação positiva nas exportações. O setor de máquinas para bens de consumo cresceu 24,7%, o de máquinas para a indústria de transformação teve aumento de 10,8% e o de máquinas para logística e construção civil apresentaram crescimento de 7,9%. Já os demais setores apresentaram queda, sendo a maior nas vendas de máquinas para petróleo e energia renovável (-51,1%).

 

Últimas Notícias

Nordeste perdeu 1 milhão de trabalhadores no campo de 2012 para 2017
IBGE prevê em 2019 safra de grãos 0,2% menor que a de 2018
Safra de grãos pode chegar a 238,3 milhões de toneladas, diz Conab
Banco do Brasil tem lucro de 14,3% no terceiro trimestre
Percentual de inadimplentes recua em outubro, diz CNC
Boletos vencidos de todos os tipos serão pagos em qualquer banco
Leonardo de Morais toma posse na presidência da Anatel
Natal deve movimentar R$ 53,5 bilhões na economia do país, prevê SPC

MAIS NOTICIAS

 

No Congresso, Temer defende reuniões frequentes entre Poderes
 
 
Bolsonaro reafirma, no Congresso, compromisso com a Constituição
 
 
Bolsonaro critica Enem e diz que prova deve cobrar conhecimentos úteis
 
 
Governo de transição dividiu trabalhos por temas em dez frentes
 
 
Para ministro, é “mais simples” unir MEC com Ciência e Tecnologia
 
 
Bolsonaro e Temer iniciam hoje formalmente governo de transição

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2019 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212