Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


20 de Nov de 2018 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Ambiciosa ponte que ligará Macau, Hong Kong e China desperta dúvidas - Jornal Brasil em Folhas
Ambiciosa ponte que ligará Macau, Hong Kong e China desperta dúvidas


A construção da ponte de Hong Kong-Zhuhai-Macau, uma estrutura de 55 quilômetros sobre o delta do rio das Pérolas, na China, e que será um dos viadutos marítimos mais longos do mundo, foi prejudicada por atrasos, superfaturamento e tensões políticas.

O macroprojeto consiste em uma série de pontes e túneis que conectam as cidades de Hong Kong, Macau e Zhuhai, unindo as duas margens do delta do rio das Pérolas, através de uma ilha artificial onde estará o porto de entrada a China e Macau, e na qual se pretende construir uma linha férrea e canais subterrâneos urbanos para os passageiros.

Uma vez em funcionamento, a expectativa é que a ponte reduza a apenas 30 minutos a viagem entre as três cidades, que agora é de mais de três horas por estrada.

Segundo informações publicadas pelas empresas construtoras e citada pela televisão estatal chinesa CCTV, a estrutura será composta por mais de 400 mil toneladas de aço, o equivalente a 60 torres Eiffel.

A CCTV citou fontes governamentais ao assinalar que o projeto de infraestrutura é considerado o mais ambicioso da China até o momento.

A ponte, custeada pelos governos de China, Hong Kong e Macau, cuja construção começou em 2009 e com inauguração prevista para 2016, causou problemas e gerou polêmicas que dificultaram a previsão de quando a faraônica obra estará pronta.

A construção do segmento de Hong Kong, para o qual o governo local aprovou um orçamento de cerca de US$ 4 bilhões em 2011 para construir uma ilha artificial a noroeste do aeroporto da cidade para receber um dos extremos da ponte, suscitou forte mal-estar político e social em meados do ano passado.

O governo de Hong Kong reconheceu em meados de 2016 a existência de atrasos na obra e a necessidade de elevar seu custo em US$ 700 milhões, além de admitir as dificuldades técnicas do projeto, devido em parte a problemas para estabilizar o leito do rio.

Cerca de sete quilômetros de percurso serão construídos sob a água em uma área submetida a fortes correntes e tufões durante o verão.

Até meados do ano passado, sete operários tinham morrido em acidentes de trabalho durante sua construção, e grupos de ambientalistas criticaram as técnicas de dragagem utilizadas para recuperar grande parte da terra para o projeto por terem impactado diretamente na redução do habitat de espécies como o golfinho branco chinês.

Um recente estudo sobre as populações de mamíferos marítimos realizado para o Departamento de Agricultura, Pesca e Conservação de Hong Kong revelou que esta espécie praticamente desapareceu das ilhas do sudoeste.

Enquanto alguns estimam que a ponte poderia começar a ser usada no final de 2017, o pedágio político e econômico da colossal obra também está sendo objeto de discussão, especialmente em Hong Kong, onde é visto pelos cidadãos como desnecessária e uma ameaça pela possível chegada excessiva de turistas chineses.

Hong Kong e Macau, partidários de restringir severamente o número e o tipo de veículos que entram em seus territórios já pequenos e populosos, ainda não chegaram a um acordo com o governo chinês sobre quem terá acesso à ponte.

O estudo de viabilidade realizado pelas empresas envolvidas no projeto afirmou que, até 2035, o fluxo na ponte poderia chegar a entre 35,7 mil e 49,2 mil veículos por dia.

Comparado com os números do tráfego além da fronteira atual entre Hong Kong e a província chinesa de Cantão, com uma média de 41,6 mil carros ao dia, isso significaria que a entrada de veículos por estrada dobraria.

A este projeto é preciso somar o trem de alta velocidade que começará a operar no final de 2018 desde a península de Kowloon em Hong Kong até a cidade chinesa de Cantão (capital da província homônima e também situada no delta do Rio das Pérolas) em um percurso de 48 minutos.

Em meio à toda polêmica, cabe lembrar que já existe um transporte regular por balsa que liga Macau, Zhuhai e Hong Kong em uma hora, e livre dos engarrafamentos.

 

Últimas Notícias

Estimativa do mercado para inflação cai pela quarta vez seguida
Autoridades de Cuba anunciam retorno de médicos antes do fim do ano
Guatemala monitora atividades de vulcão que pode ter novas erupções
Marcelo Piloto é extraditado do Paraguai para o Brasil
Ex-CEO da Nissan é preso no Japão suspeito de reduzir próprio lucro
Governador eleito do Rio promete nova concessão para o Maracanã
Relatório alerta que há 45 barragens sob ameaça de desabamento
Relatório alerta que há 45 barragens sob ameaça de desabamento

MAIS NOTICIAS

 

Estimativa do mercado para inflação cai pela quarta vez seguida
 
 
Autoridades de Cuba anunciam retorno de médicos antes do fim do ano
 
 
Guatemala monitora atividades de vulcão que pode ter novas erupções
 
 
Ex-CEO da Nissan é preso no Japão suspeito de reduzir próprio lucro
 
 
Governador eleito do Rio promete nova concessão para o Maracanã
 
 
Relatório alerta que há 45 barragens sob ameaça de desabamento

 


 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2019 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212