Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


19 de Jan de 2019 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Polônia publica nomes de 10.000 guardas e SS de Auschwitz - Jornal Brasil em Folhas
Polônia publica nomes de 10.000 guardas e SS de Auschwitz


O Instituto polonês para a memória nacional (IPN) anunciou nesta segunda-feira em Cracóvia a publicação online de cerca de 10.000 nomes de agentes do campo de concentração nazista de Auschwitz-Birkenau.

A publicação dos 9.686 nomes, de acordo com o site do IPN, é apenas o início de um vasto projeto, disse a repórteres o presidente do instituto, Jaroslaw Szarek.

A lista, uma compilação de informações sobre os campos de concentração de Auschwitz e Auschwitz-Birkenau, e campos secundários associados, será posteriormente enriquecida com outros lugares de detenção e extermínio durante o regime nazista na Alemanha.

No total, o número de nomes já recolhidos atinge cerca de 25.000.

Szarek sublinhou a importância desta iniciativa no contexto da aparição periódica no exterior do termo campos poloneses, um erro combatido energicamente pelas autoridades e diplomacia polonesas.

Essa classificação pode ser atribuída à ignorância daqueles que dizem, mas às vezes trata-se de má vontade, e de uma política anti-polonesa histórica, afirmou.

O banco de dados acessível em cinco línguas é um instrumento para lutar contra as mentiras, acrescentou o chefe do IPN.

Os arquivos digitais também incluem cerca de 350 sentenças proferidas após a Segunda Guerra Mundial contra guardas, mas esses documentos não foram traduzidos.

A lista de nomes foi estabelecida em grande parte graças ao trabalho de um historiador, Aleksander Lasik, que trabalhou sobre o tema desde 1982 e começou a identificar os SS em Auschwitz.

A investigação não foi fácil, observou o diretor do Museu de Auschwitz, Piotr Cywinski, já que na véspera da derrota, os alemães queimaram um monte de documentos.

Hoje temos mais informações sobre os prisioneiros do que sobre os SS, disse ele.

Assim, o museu convidou recentemente os alemães e austríacos a relatar todas as memórias dos soldados da Waffen-SS, recordações, cartas ou fotos, para permitir entender melhor a mentalidade dos executores.

O vice-diretor do IPN, Mateusz Szpytma, salientou que foram identificados alguns empregados de cidadania ucraniana, lituana e letã, mas não polonesa.

Quando os alemães lançaram uma operação de recrutamento, o Estado clandestino (a direção da resistência polonesa) proibiu os poloneses de responder, e terminou em fracasso, disse ele.

 

Últimas Notícias

Inep divulga resultado do Enem
Frédéric Lamotte é o novo diretor geral da CA Indosuez Wealth (Miami) e responsável Global da região das Américas
A ACIRLAG chega para impulsionar o setor econômico da região Leste de Aparecida
Inep divulga notas do Enem na sexta-feira
Bolsonaro sanciona Lei do Orçamento 2019 de mais de R$ 3,3 trilhões
Parlamento venezuelano aprova acordo para entrada de ajuda humanitária
Imigrantes hondurenhos sofrem com obstáculos para passagem de caravana
Militares vão atuar de forma mais intensa no Programa Mais Médicos

MAIS NOTICIAS

 

ANP aprova credenciamento de empresa certificadora
 
 
Política de combate à inflação foi bem-sucedida, diz presidente do BC
 
 
Marcos Pontes: fusão de Embraer e Boeing preserva interesses do país
 
 
Número de linhas de celular tem maior queda do ano em novembro
 
 
ANP: Petrobras pede prazo maior para definir quais campos vai explorar
 
 
Ex-presidente do Banco Central defende política econômica do governo

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2017 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212