Assine Brasil em Folhas / Nuvem / Pressreader



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


20 de Sep de 2018 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade
 

...

...

 
Notícias
 Suspensão do mandato do ex-presidente da Câmara de BH é ampliada por 60 dias - Jornal Brasil em Folhas
Suspensão do mandato do ex-presidente da Câmara de BH é ampliada por 60 dias


A suspensão do mandato de vereador do ex-presidente da Câmara Municipal de Belo Horizonte, Wellington Magalhães (PTN), foi prorrogada por mais 60 dias. Ele é acusado dos crimes de corrupção, enriquecimento ilícito, lavagem de dinheiro e fraude em licitações e na contratação de serviços de publicidade do Legislativo da capital mineira. Segundo informou hoje (3) o Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG), a juíza Patrícia Santos Firmo atendeu pedido dos promotores para que o prazo fosse estendido até o fim das investigações, impedindo que Magalhães possa interferir no andamento dos trabalhos.

Em sua fundamentação, a magistrada disse que o afastamento das funções públicas atende interesse público e que há indícios concretos de práticas ilícitas. Ela disse ainda que o investigado era influente na Câmara e poderia prejudicar o depoimento dos funcionários com sua presença. A decisão foi assinada na quarta-feira (1º). A Agência Brasil tentou contato com a defesa Wellington Magalhães, mas ainda não obteve retorno.

O mandato do vereador foi suspenso pela primeira vez no dia 6 de dezembro de 2016. Na época, ele era presidente da Câmara Municipal de Belo Horizonte. Seu vice, Henrique Braga (PSDB), assumiu interinamente e foi reconduzido ao posto na eleição que ocorreu no dia 1º de janeiro, durante a cerimônia de posse da nova legislatura. Embora tenha sido reeleito para um novo mandato de vereador, Wellington Magalhães não pôde comparecer à cerimônia devido ao afastamento determinado pelo TJMG.

O inquérito corre em segredo de justiça e é conduzido por promotores do Ministério Público de Minas Gerais (MPMG) e do Ministério Público de Contas do estado (MPC-MG). As investigações tiveram início em abril após indícios apontarem que o patrimônio de Wellington Magalhães não era condizente com o salário de vereador. Ele teria adquirido veículos de luxo; uma mansão de 1.700 metros quadrados na orla da Lagoa da Pampulha, na capital mineira; e um imóvel em condomínio em Esmeraldas, região metropolitana de Belo Horizonte, onde ele estaria fazendo grandes festas.

Paralelamente a essas aquisições, as despesas da Câmara Municipal de Belo Horizonte com a contratação de serviços de publicidade tiveram aumento superior a 100%, saltando de cerca de R$ 7,5 milhões no exercício 2013/2014 para mais de R$18 milhões apenas em 2015. Os promotores analisaram contratos de licitação da Casa e passaram a suspeitar da prática de lavagem de dinheiro, em que Wellington Magalhães se valeria de empresas de sua confiança.

 

Últimas Notícias

Centro está preparado para lançamento de foguete após acidente
Cidades brasileiras integram programa de preservação de florestas
MP denuncia ex-marido de corretora assassinada no Rio
Bolsonaro segue estável e internado no Hospital Albert Einstein
Goiás entra para a elite dos Estados mais competitivos do País
Petrobras eleva gasolina em 2 centavos; diesel permanece inalterado
MME faz consulta sobre planejamento da transmissão de energia elétrica
Inadimplência do consumidor subiu 3,63% em agosto

MAIS NOTICIAS

 

Toffoli toma posse hoje na presidência do STF
 
 
Chanceler do Paraguai visita Brasil para negociar construção de pontes
 
 
Indústria recua em oito dos 15 locais pesquisados pelo IBGE em julho
 
 
Brasil amplia investimento em educação infantil, diz OCDE
 
 
México investiga caso de deputadas forçadas a renunciar
 
 
A série de ataques de 11 de Setembro completa 17 anos

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2017 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212