Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


17 de Nov de 2018 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Suspensão do mandato do ex-presidente da Câmara de BH é ampliada por 60 dias - Jornal Brasil em Folhas
Suspensão do mandato do ex-presidente da Câmara de BH é ampliada por 60 dias


A suspensão do mandato de vereador do ex-presidente da Câmara Municipal de Belo Horizonte, Wellington Magalhães (PTN), foi prorrogada por mais 60 dias. Ele é acusado dos crimes de corrupção, enriquecimento ilícito, lavagem de dinheiro e fraude em licitações e na contratação de serviços de publicidade do Legislativo da capital mineira. Segundo informou hoje (3) o Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG), a juíza Patrícia Santos Firmo atendeu pedido dos promotores para que o prazo fosse estendido até o fim das investigações, impedindo que Magalhães possa interferir no andamento dos trabalhos.

Em sua fundamentação, a magistrada disse que o afastamento das funções públicas atende interesse público e que há indícios concretos de práticas ilícitas. Ela disse ainda que o investigado era influente na Câmara e poderia prejudicar o depoimento dos funcionários com sua presença. A decisão foi assinada na quarta-feira (1º). A Agência Brasil tentou contato com a defesa Wellington Magalhães, mas ainda não obteve retorno.

O mandato do vereador foi suspenso pela primeira vez no dia 6 de dezembro de 2016. Na época, ele era presidente da Câmara Municipal de Belo Horizonte. Seu vice, Henrique Braga (PSDB), assumiu interinamente e foi reconduzido ao posto na eleição que ocorreu no dia 1º de janeiro, durante a cerimônia de posse da nova legislatura. Embora tenha sido reeleito para um novo mandato de vereador, Wellington Magalhães não pôde comparecer à cerimônia devido ao afastamento determinado pelo TJMG.

O inquérito corre em segredo de justiça e é conduzido por promotores do Ministério Público de Minas Gerais (MPMG) e do Ministério Público de Contas do estado (MPC-MG). As investigações tiveram início em abril após indícios apontarem que o patrimônio de Wellington Magalhães não era condizente com o salário de vereador. Ele teria adquirido veículos de luxo; uma mansão de 1.700 metros quadrados na orla da Lagoa da Pampulha, na capital mineira; e um imóvel em condomínio em Esmeraldas, região metropolitana de Belo Horizonte, onde ele estaria fazendo grandes festas.

Paralelamente a essas aquisições, as despesas da Câmara Municipal de Belo Horizonte com a contratação de serviços de publicidade tiveram aumento superior a 100%, saltando de cerca de R$ 7,5 milhões no exercício 2013/2014 para mais de R$18 milhões apenas em 2015. Os promotores analisaram contratos de licitação da Casa e passaram a suspeitar da prática de lavagem de dinheiro, em que Wellington Magalhães se valeria de empresas de sua confiança.

 

Últimas Notícias

Presidente Díaz-Canel defende trabalho de médicos cubanos no Brasil
Ministério vai lançar edital para repor vagas de médicos cubanos
CFM afirma que há médicos suficientes para atender Brasil
Associação lança projeto para conscientizar população sobre diabetes 2
Transposição do S. Francisco está na pauta de prioridades da transição
Temer inaugura primeira etapa do acelerador de elétrons Sirius
Temer diz que decidirá “lá na frente” reajuste de ministros do STF
Só um governador do Nordeste participa de encontro em Brasília

MAIS NOTICIAS

 

Volume de vendas do varejo cai 1,3% em setembro
 
 
Gilmar Mendes suspende decisão que obriga bancos a ressarcir clientes
 
 
Prefeitos e secretários pedem para manter cubanos no Mais Médicos
 
 
Em depoimento, Lula nega que é dono de sítio em Atibaia
 
 
Mega-Sena acumula e pode pagar R$ 33 milhões no próximo sorteio
 
 
Enem: estudantes fazem hoje prova de matemática e ciências da natureza

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2019 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212