Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


14 de Nov de 2018 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Marconi defende redução dos juros como mecanismo para criação de empregos - Jornal Brasil em Folhas
Marconi defende redução dos juros como mecanismo para criação de empregos


Ao anunciar, nesta segunda-feira (6/2), conjunto de 10 medidas para estimular o desenvolvimento da economia do turismo em Goiás, o governador Marconi Perillo disse estar otimista com os rumos da economia do Brasil em 2017, mas observou que somente uma queda consistente na taxa básica de juros (Selic) será capaz de promover uma aceleração na criação de novos empregos. Marconi afirmou que, apesar de os indicadores já mostrarem um horizonte de recuperção do crescimento do País, o desafio de gerar empregos exige medidas mais enérgicas, como o corte na Selic.

"Defendo a redução dos juros para que possamos criar mais empregos. Com os juros altos como ainda estão não teremos condições de acelerar a criação de novos postos de trabalho. Esse é o maior desafio que o Brasil tem de enfrentar", afirmou Marconi, em entrevista coletiva ao lado das entidades que compõem o Trade Turístico do Estado, no Palácio das Esmeraldas. O governador disse que, a partir da política de redução gradativa da taxa de básica de juros da economia adotada pelo Banco Central, é possível antever que a Selic encerrará o ano em um dígito, mas pregou mais ousadia nos cortes.

Marconi afirmou estar "bastante preocupado com a geração de empregos", que ainda deverá levar um certo tempo. "A economia cresce entre 0,5% e 1% [índice anualizado], mas só daqui um ano pra frente é que ela começa a viabilizar os empregos", disse o governador. "O que mais me anima é a perspectiva de que vamos ter uma boa queda nos juros. Os juros atrapalham tudo, encarecem a dívida dos estados, dos municipios, de quem precisa do crédito. Todo mundo perde e as pessoas ficam meio tímidas pra investir."

Marconi reconheceu a vontade política da equipe econômica do governo do presidente Michel Temer no sentido de contornar a crise, mas ressaltou que esse crescimento precisa ser sustentável, amparado por reformas estruturantes, como por exemplo, a tributária. "Se não fizer a reforma tributária também não vai adiantar esse esforço. A PEC dos Gastos foi aprovada e isso é importante porque o grande problema do Brasil é esse círculo vicioso. O Brasil depende de capital externo pra financiar o déficit. Se você não aprova uma reforma agora, não vai deixar de depender de dinheiro de fora", destaca.

"Fizemos e estamos fazendo tudo o que podíamos fazer para equilibrar as contas do Estado"
Marconi afirmou que vai terminar o governo "razoavelmente com as contas equilibradas", destacando o ajuste fiscal nas contas públicas realizado no final de 2014 pra cá. Ele afirmou que nem todas as medidas dependem dos governadores e que em muitas situações, as decisões vêm de cima, em referência ao Proposta de Emenda Constitucional (PEC) que fixa o teto de gastos também em nível estadual, uma exigência para que os estados recebessem os recursos advindos da repatriação. "Fizemos e estamos fazendo tudo o que podíamos fazer para equilibrar as contas do Estado", disse

O governador citou como exemplo o déficit no sistema previdenciário estadual, que chegava a R$152 mihões por mês, cerca de R$ 2 bilhões ao ano - para pagar os servidores aposentados - 40 mil. Foi o que motivou o aumento da taxa de contribuição de 13,25% para 14,25%. "Imagine R$ 2 bilhões investidos em infraestrutura, turismo. Se continuarmos aposentando as pessoas com 40 anos de idade, essa conta não vai fechar", finalizou.

 

Últimas Notícias

Nordeste perdeu 1 milhão de trabalhadores no campo de 2012 para 2017
IBGE prevê em 2019 safra de grãos 0,2% menor que a de 2018
Safra de grãos pode chegar a 238,3 milhões de toneladas, diz Conab
Banco do Brasil tem lucro de 14,3% no terceiro trimestre
Percentual de inadimplentes recua em outubro, diz CNC
Boletos vencidos de todos os tipos serão pagos em qualquer banco
Leonardo de Morais toma posse na presidência da Anatel
Natal deve movimentar R$ 53,5 bilhões na economia do país, prevê SPC

MAIS NOTICIAS

 

No Congresso, Temer defende reuniões frequentes entre Poderes
 
 
Bolsonaro reafirma, no Congresso, compromisso com a Constituição
 
 
Bolsonaro critica Enem e diz que prova deve cobrar conhecimentos úteis
 
 
Governo de transição dividiu trabalhos por temas em dez frentes
 
 
Para ministro, é “mais simples” unir MEC com Ciência e Tecnologia
 
 
Bolsonaro e Temer iniciam hoje formalmente governo de transição

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2019 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212