Assine Brasil em Folhas / Nuvem / Pressreader



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


21 de Sep de 2018 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade
 

...

...

 
Notícias
 Trump rebate questionamento duro feito por juízes da Califórnia ao seu governo - Jornal Brasil em Folhas
Trump rebate questionamento duro feito por juízes da Califórnia ao seu governo


Um dia depois de o governo dos Estados Unidos ser duramente questionado por três juízes da Corte Federal de Apelação de São Francisco, na Califórnia, por ter assinado uma ordem executiva proibindo a entrada nos EUA de pessoas provenientes de sete países muçulmanos, o presidente Donald Trump rebateu a atitude dos magistrados e classificou as perguntas de políticas.

Durante um discurso para funcionários da polícia, em Washington, capital, nesta quarta-feira (8), Trump disse que são vergonhosos os argumentos apresentados por quem se manifestou contra o seu veto.

Na noite de ontem (7), durante audiência acompanhada com grande interesse pela mídia norte-americana, a Corte de São Francisco - conhecida pelo nome de Nono Circuito, por abranger uma região do Oeste e Noroeste dos Estados Unidos - ouviu os argumentos do governo federal em favor do restabelecimento do veto. O tribunal ouviu também as razões da Procuradoria do Estado de Washington, responsável pelo questionamento jurídico que colocou Trump pela primeira vez na defensiva, desde que ele assumiu a Presidência em 20 de janeiro.

No fim da audiência, a comissão informou que deve resolver ainda esta semana se mantém a decisão da primeira instância, que suspendeu a medida, ou se restabelece o veto para a entrada de refugiados e cidadãos provenientes de sete nações muçulmanas.

Nesta quarta-feira (8), Trump comentou o questionamento que os juízes fizeram à sua proibição. Eu ouvi coisas que eu não podia acreditar, coisas que realmente não tinham nada que ver com o que eu [defendo]. Eu jamais gostaria de chamar a corte de tendenciosa, então eu não vou chamá-lo de tendenciosa. E ainda não tivemos uma decisão. Mas... seria tão grandioso para o nosso sistema de Justiça que eles fossem capazes de ler uma declaração [a ordem executiva] e fazer o que é certo.

Trump disse também que a ordem executiva está dentro de suas atribuições como presidente. Mesmo um mau estudante de escola secundária entenderia isso, acrescentou.

Ordem polêmica

A ordem executiva assinada por Trump em 27 de janeiro suspende todo o sistema de admissão de refugiados dos EUA por 120 dias. Também suspende indefinidamente o programa de acolhimento de refugiados da Síria e proíbe a entrada nos Estados Unidos, por 90 dias, de pessoas de sete países: Irã, Iraque, Líbia, Somália, Sudão, Síria e Iêmen.

A ordem de Trump foi a primeira a ser anulada por um tribunal de primeira instância. O veto à entrada de refugiados e cidadãos de países muçulmanos também provocou movimentos de protesto de cidadãos americanos e imigrantes, em solidariedade às pessoas prejudicadas pela ordem.

 

Últimas Notícias

Centro está preparado para lançamento de foguete após acidente
Cidades brasileiras integram programa de preservação de florestas
MP denuncia ex-marido de corretora assassinada no Rio
Bolsonaro segue estável e internado no Hospital Albert Einstein
Goiás entra para a elite dos Estados mais competitivos do País
Petrobras eleva gasolina em 2 centavos; diesel permanece inalterado
MME faz consulta sobre planejamento da transmissão de energia elétrica
Inadimplência do consumidor subiu 3,63% em agosto

MAIS NOTICIAS

 

Toffoli toma posse hoje na presidência do STF
 
 
Chanceler do Paraguai visita Brasil para negociar construção de pontes
 
 
Indústria recua em oito dos 15 locais pesquisados pelo IBGE em julho
 
 
Brasil amplia investimento em educação infantil, diz OCDE
 
 
México investiga caso de deputadas forçadas a renunciar
 
 
A série de ataques de 11 de Setembro completa 17 anos

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2017 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212