Assine Brasil em Folhas / Nuvem / Pressreader



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


24 de Sep de 2018 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade
 

...

...

 
Notícias
 Ex-chefe do Exército argentino é detido por violações dos Direitos Humanos - Jornal Brasil em Folhas
Ex-chefe do Exército argentino é detido por violações dos Direitos Humanos


O ex-chefe do Exército argentino Cesar Milani foi detido nesta sexta-feira (17), acusado de sequestrar e torturar três pessoas durante a ditadura militar (1976-1983). O general da reserva também está sendo investigado pelo desaparecimento de um soldado e por enriquecimento ilícito.

Milani foi nomeado chefe do Exército em 2013 pela então presidente Cristina Kirchner e ficou no cargo até o fim de seu segundo mandato em 2015 – apesar das denúncias de violações de Direitos Humanos durante a ditadura. Ele foi detido depois de prestar depoimento perante a Justiça sobre a privação ilegal de liberdade e tortura de Ramon Olivera, seu pai Ramon Olivera e Veronica Matta.

Segundo Ramon Olivera, os militares levaram seu pai de casa em marco de 1977. Ele foi solto, mas depois de ter sido torturado durante dois dias e ter sofrido um derrame. Depois foi a vez de Ramon ser preso. Ele disse que reconheceu Milani quando estava sendo torturado.

Milani nega todas as acusações de Olivera e de Veronica Matta, que também foi sequestrada em 1976, quando tinha 17 anos. Ramon Olivera diz que fez a primeira denúncia em 1984, mas o caso ganhou importância quando ele repetiu sua história em 2013 – o ano em que Cristina Kirchner, cujo governo adotou a defesa dos Direitos Humanos como bandeira, nomeou Milani para chefiar o Exército.

O ex-presidente Nestor Kirchner (2003-2007) revogou as leis de anistia de governos anteriores, reabrindo centenas de casos contra militares e civis, suspeitos de envolvimento na tortura e no desaparecimento de milhares de opositores. A viúva e sucessora dele, Cristina Kirchner (2007-2015), manteve a mesma política e tinha a simpatia das organizações de Direitos Humanos, por isso a nomeação de Milani e a decisão de Cristina Kirchner de mantê-lo no cargo, apesar das acusações, causaram surpresa.

O Centro de Estudos Legais e Sociais (Cels), organismo de Direitos Humanos, comemorou a detenção de Milani em um comunicado, mas criticou a demora da Justiça em atuar. “É imprescindível sinalizar que isso só ocorre depois de Milani ter deixado o serviço ativo e a chefia do Estado Maior e quando o governo que o designou para esse cargo concluiu seu mandato”.

 

Últimas Notícias

Varejo perde R$ 19,5 bilhões em 2017 por danos em produtos e furtos
A partir deste sábado, candidatos só podem ser presos em flagrante
Brasileiros não se sentem prontos para lidar com a morte, diz pesquisa
Aos 95 anos, Gervásio Baptista recebe Medalha do Mérito Jornalístico
PF combate grupo criminoso responsável por contrabando de cigarros
Primavera começa hoje com possibilidade de novo episódio do El Niño
Facebook anuncia medidas para combater contas falsas e desinformação
Polícia Militar faz operação na Rocinha

MAIS NOTICIAS

 

Toffoli toma posse hoje na presidência do STF
 
 
Chanceler do Paraguai visita Brasil para negociar construção de pontes
 
 
Indústria recua em oito dos 15 locais pesquisados pelo IBGE em julho
 
 
Brasil amplia investimento em educação infantil, diz OCDE
 
 
México investiga caso de deputadas forçadas a renunciar
 
 
A série de ataques de 11 de Setembro completa 17 anos

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2017 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212