Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


13 de Nov de 2018 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Inflação de janeiro fica em 1,75% em Goiânia - Jornal Brasil em Folhas
Inflação de janeiro fica em 1,75% em Goiânia


Os grupos de alimentação, educação, despesas pessoais, transportes, saúde e cuidados pessoais, habitação e artigos residenciais começaram o ano com os preços em alta, pressionando o Índice de Preços ao Consumidor (IPC) de Goiânia. A variação do índice foi de 1,75%, ficando 0,55 p.p superior a taxa da inflação registrada em dezembro (1,20%), que já tinha sido considerada elevada pelos consumidores e analistas de mercado.

O índice da inflação de Goiânia foi apurado pela Gerência de Pesquisas Sistemáticas e Especiais do Instituto Mauro Borges de Estatísticas e Estudos Socioeconômicos (IMB) da Secretaria de Gestão e Planejamento (Segplan). No acumulado dos últimos 12 meses a taxa é de 14,15%. E o consumidor pode preparar o bolso e cortar despesas para se adequar ao orçamento familiar, porque, a tendência para todo o ano é de inflação elevada, segundo estimativas do gerente de Pesquisas Sistemáticas e Especiais do IMB/Segplan, economista Marcelo Eurico de Sousa.

Em janeiro, a aceleração do IPC ocorreu devido a forte pressão dos reajustes de preços no grupo da alimentação. Diversos produtos ficaram mais caros no mês passado, com destaque para hortaliças e legumes (17,99%), raízes e tubérculos (20,46%) e frutas (10,61%). Além destes subgrupos, outro item que também ficou mais caro foi o feijão carioca, que subiu mais 6,67%.

O tomate voltou a subir, aumentando 37,76% em janeiro, devido a queda da oferta por causa das chuvas que prejudicaram as lavouras. A cenoura teve variação de 37,50%, cebola de 21,56%, abobrinha, 13,88%, feijão carioca, 6,67% e outros. A carne bovina também subiu, com destaque para o contra filé (5,23%) e o patinho (3,43%), enquanto a cerveja aumentou 2,01% em janeiro, na comparação com dezembro. A alta destes produtos refletiu também no preço do almoço a peso (0,48%), do salgadinho (1,94%) e até no picolé (4,31%).

Educação

A volta às aulas puxou para cima os custos com a educação (9,16%). As mensalidades escolares do ensino fundamental subiram 18,62% e do ensino médio, 15,53%. A alta no grupo despesas pessoais (6,30%) foi influenciada pelos aumentos dos serviços do empregado doméstico (11,68%); cigarro (6,25%); corte de cabelo masculino (8,20%) e brinquedos (3,88%). Em janeiro, também foram registrados reajustes nos custos dos transportes (1,42%), puxado pelos aumentos nos preços de etanol (3,45%), gasolina comum (2,49%); passagem de ônibus interestadual (18,64%) e intermunicipal (9,22%) e conserto de veículo automotor (7,73%).

No grupo saúde e cuidados pessoais (0,97%), os itens que mais influenciaram a alta foram consultas médicas (3,12%); medicamentos: analgésico e antitérmico (2,15%) e anticoncepcional (1,49%); condicionador para cabelo (2,96%), desodorante (1,75%), lâmina de barbear (3,33%), sabonete (1,48%) e shampoo (1,72%).

Os grupos habitação (0,44%) e artigos residenciais (1,16%) também registraram alta em janeiro. Na habitação pesaram as altas da energia elétrica (1,50%), cera líquida (9,68%), limpador multiuso (3,76%), sabão em barra (1,53%) e sabão em pó (1,31%). Já nos artigos residenciais observou-se aumentos nos preços de aparelho de televisão (4,29%); geladeira (2,27%), fogão 4 bocas (4,36%); conjunto de estofado (4,85%),colchão de solteiro (4,77%).

Em janeiro, dos nove grupos que compõem o IPC-Goiânia, sete apresentaram variação positiva e apenas dois tiveram variação negativa: vestuário (-2,13%) e comunicação (-0,06%). Dos 205 produtos/serviços pesquisados mensalmente pelos técnicos do IMB/Segplan, 117 apresentaram elevação, 23 ficaram estáveis e 65 tiveram variação negativa.

Cesta básica

O ano de 2016 começou com o custo da cesta básica em alta (5,40%), o maior desde novembro do ano passado (7,49%). Para comprar os 12 itens que compõem a cesta, o trabalhador goianiense teve de desembolsar R$ 336,53, o correspondente a 38,24% do salário mínimo vigente no País – R$ 880,00.

Dos 12 itens, três apresentaram reduções de preços: carnes -0,07%, leite – 1,43% e farinha/massas -0,34%. Dois ficaram estáveis: arroz e pão e os demais registraram altas: feijão (4,36%), legumes/tubérculos (16,58%), café (2,83%), açúcar (0,84%), margarina (10,91%), óleo de soja (2,19%) e frutas (10,76%).

 

Últimas Notícias

Nordeste perdeu 1 milhão de trabalhadores no campo de 2012 para 2017
IBGE prevê em 2019 safra de grãos 0,2% menor que a de 2018
Safra de grãos pode chegar a 238,3 milhões de toneladas, diz Conab
Banco do Brasil tem lucro de 14,3% no terceiro trimestre
Percentual de inadimplentes recua em outubro, diz CNC
Boletos vencidos de todos os tipos serão pagos em qualquer banco
Leonardo de Morais toma posse na presidência da Anatel
Natal deve movimentar R$ 53,5 bilhões na economia do país, prevê SPC

MAIS NOTICIAS

 

No Congresso, Temer defende reuniões frequentes entre Poderes
 
 
Bolsonaro reafirma, no Congresso, compromisso com a Constituição
 
 
Bolsonaro critica Enem e diz que prova deve cobrar conhecimentos úteis
 
 
Governo de transição dividiu trabalhos por temas em dez frentes
 
 
Para ministro, é “mais simples” unir MEC com Ciência e Tecnologia
 
 
Bolsonaro e Temer iniciam hoje formalmente governo de transição

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2019 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212