Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


18 de Fev de 2019 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Historiador Arno Wehling é o mais novo imortal da Academia Brasileira de Letras - Jornal Brasil em Folhas
Historiador Arno Wehling é o mais novo imortal da Academia Brasileira de Letras


O historiador e professor Arno Wehling será o sucessor do poeta Ferreira Gullar na Cadeira 37 da Academia Brasileira de Letras (ABL). Ele foi eleito na tarde de hoje (9), por 18 votos, superando o poeta e filósofo Antonio Cícero, que também postulava a cadeira e teve 15 votos. A Cadeira 37 estava vaga desde a morte de Gullar, em dezembro do ano passado. Votaram 23 acadêmicos presentes e 11 por carta. Houve um voto em branco.

Carioca, de 70 anos, Wehling é o atual presidente do Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro (IHGB). Graduado em história pela então Faculdade Nacional de Filosofia da Universidade do Brasil, hoje Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) e em direito pela Universidade Santa Úrsula, tem doutorado e livre docência em história ibérica, ambos pela Universidade de São Paulo (USP) e pós-doutorado pela Universidade do Porto, em Portugal.

Com nove livros publicados, o novo acadêmico desenvolveu sua atividade intelectual como historiador e ensaísta, sobretudo nos campos da epistemologia das ciências humanas, da história das ideias políticas e jurídicas e da história do direito e das instituições. Entre seus trabalhos, incluem-se estudos sobre aspectos epistemológicos relacionados à história nas obras de filósofos como Tocqueville, Kant, Goethe, Nietzsche e Ortega y Gasset, além dos brasileiros Varnhagen, Capistrano de Abreu e Silvio Romero.

Homem de academia

Toda a atividade profissional de Wehling está centrada no âmbito universitário, onde foi professor titular de teoria e metodologia da história da UFRJ e de história do direito e das instituições da UniRio, na qual é professor emérito. Como docente e pesquisador, atuou na implantação e desenvolvimento dos programas de pós-graduação em história da UFRJ e da Unirio.

Com a eleição de Arno Wehling nesta quinta-feira, e de João Almino, ontem (8), a Academia Brasileira de Letras volta a ficar com seu quadro de 40 membros completo. Foram quatro as vagas abertas no ano passado, em consequência do falecimento de acadêmicos, mas duas Cadeiras já haviam sido preenchidas no ano passado, a de número 40, pelo economista Edmar Bacha, e a 24, pelo poeta Geraldo Carneiro.

 

Últimas Notícias

Brasil perdeu 7,2 milhões de linhas de celular no ano passado
Petrobras reduz em 3% GLP empresarial nas refinarias
Ministro do STJ nega pedido de prisão domiciliar a João de Deus
Escassez de chuvas leva governo a acionar termelétricas mais caras
Picciani, Paulo Melo e Albertassi serão julgados por Bretas
Suspensa permissão para deputada receber denúncias contra professores
MPT não descarta pedir bloqueio dos bens do Flamengo
Número de mortos identificados em Brumadinho chega a 151

MAIS NOTICIAS

 

Sul do Chile enfrenta 45 focos de incêndios florestais
 
 
Governo de Minas oferece suporte psicossocial às vítimas de Brumadinho
 
 
Força Nacional de Segurança começa a deixar o Ceará
 
 
Licitação de ônibus em São Paulo tem contratos de R$ 71 bi em 20 anos
 
 
Força Nacional vai atuar em Belém na primeira quinzena de março
 
 
Fiocruz alerta para agravamento de doenças na população após tragédia

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2017 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212