Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


19 de Nov de 2018 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Historiador Arno Wehling é o mais novo imortal da Academia Brasileira de Letras - Jornal Brasil em Folhas
Historiador Arno Wehling é o mais novo imortal da Academia Brasileira de Letras


O historiador e professor Arno Wehling será o sucessor do poeta Ferreira Gullar na Cadeira 37 da Academia Brasileira de Letras (ABL). Ele foi eleito na tarde de hoje (9), por 18 votos, superando o poeta e filósofo Antonio Cícero, que também postulava a cadeira e teve 15 votos. A Cadeira 37 estava vaga desde a morte de Gullar, em dezembro do ano passado. Votaram 23 acadêmicos presentes e 11 por carta. Houve um voto em branco.

Carioca, de 70 anos, Wehling é o atual presidente do Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro (IHGB). Graduado em história pela então Faculdade Nacional de Filosofia da Universidade do Brasil, hoje Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) e em direito pela Universidade Santa Úrsula, tem doutorado e livre docência em história ibérica, ambos pela Universidade de São Paulo (USP) e pós-doutorado pela Universidade do Porto, em Portugal.

Com nove livros publicados, o novo acadêmico desenvolveu sua atividade intelectual como historiador e ensaísta, sobretudo nos campos da epistemologia das ciências humanas, da história das ideias políticas e jurídicas e da história do direito e das instituições. Entre seus trabalhos, incluem-se estudos sobre aspectos epistemológicos relacionados à história nas obras de filósofos como Tocqueville, Kant, Goethe, Nietzsche e Ortega y Gasset, além dos brasileiros Varnhagen, Capistrano de Abreu e Silvio Romero.

Homem de academia

Toda a atividade profissional de Wehling está centrada no âmbito universitário, onde foi professor titular de teoria e metodologia da história da UFRJ e de história do direito e das instituições da UniRio, na qual é professor emérito. Como docente e pesquisador, atuou na implantação e desenvolvimento dos programas de pós-graduação em história da UFRJ e da Unirio.

Com a eleição de Arno Wehling nesta quinta-feira, e de João Almino, ontem (8), a Academia Brasileira de Letras volta a ficar com seu quadro de 40 membros completo. Foram quatro as vagas abertas no ano passado, em consequência do falecimento de acadêmicos, mas duas Cadeiras já haviam sido preenchidas no ano passado, a de número 40, pelo economista Edmar Bacha, e a 24, pelo poeta Geraldo Carneiro.

 

Últimas Notícias

Submarino argentino é encontrado um ano e um dia após desaparecimento
Parlamento cubano rejeita resolução da Eurocâmara sobre direitos human
Incêndio da Califórnia registra 74 mortos e mais de mil desaparecidos
Livro mistura suspense e fantasia em reflexão sobre violência no país
EBC e Fundação Getulio Vargas firmam acordo para revitalizar acervo
Trabalho de escoramento em viaduto paulistano prossegue neste sábado
Belo Horizonte tem previsão de mais chuva; temporais já mataram quatro
Prefeito de Mariana diz que não desistirá de ação no Reino Unido

MAIS NOTICIAS

 

Morre em Pelotas o criador da camisa canarinho, Aldyr Schlee
 
 
Brasil concentrou 40% dos feminicídios da América Latina em 2017
 
 
Jungmann e Toffoli anunciam sistema para unificar processos de presos
 
 
Pensamento liberal deve guiar a equipe econômica de Bolsonaro
 
 
Gold3-4 minutosfajn permanecerá à frente do BC até Senado aprovar Campos Neto
 
 
Senado argentino aprova orçamento de 2019 como prometeu ao FMI

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2019 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212