Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


22 de Nov de 2018 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Trabalho do governador Marconi e da Adial foi importante para suspender a ADI no SFT - Jornal Brasil em Folhas
Trabalho do governador Marconi e da Adial foi importante para suspender a ADI no SFT


O diretor de Relações Institucionais da Mitsubishi Motors do Brasil, Alfredo Sestini Filho, ressaltou, nesta segunda-feira (13/3), a importância do trabalho do governador Marconi Perillo na suspensão da Ação Direta de Inconstitucionalidade (ADI), do governo de São Paulo, que questionava benefícios fiscais goianos. A ação tramitava no Supremo Tribunal Federal (STF) e foi retirada da pauta pela ministra Rosa Weber, após articulação do governador Marconi Perillo, do vice, José Eliton e de empresários.

“O trabalho feito pelo governador Marconi Perillo e pelo pessoal da Adial (Associação Pró-Desenvolvimento Industrial do Estado de Goiás) foi de absoluta importância”, apontou o diretor da Mitsubishi, após reunião da Adial, no Rizzo Plaza, em Goiânia. Sestini destacou a importância de programas de benefícios fiscais ao afirmar que o investimento de R$ 1,2 bilhão da Mitsubishi em Catalão, entre 2012 e 2014, só foi possível graças à política de incentivos praticada em Goiás. À época, a empresa ampliou as instalações e a capacidade de produção foi dobrada.

No encontro com mais de 30 empresários, o presidente da Adial, Cesar Helou, explicou como foi realizada a articulação dos empresários com Marconi e José Eliton até a suspensão da tramitação da ADI. “Não foi uma coisa simples. Trouxemos essa informação para que nossos associados pudessem entender e valorizar as pessoas que trabalharam [na articulação]”, declarou. “Quando precisa ser urgente, o governador provou que sabe ser urgente”, elogiou o presidente da Adial.

Cesar Helou declarou que as mais de 400 empresas que possuem incentivo fiscal em Goiás teriam seus negócios inviabilizados, caso a ADI prosperasse no Supremo, por causa da perda da competitividade. “Se acaba o incentivo fiscal, essas empresas vão migrar, vão sair daqui e ir para outros estados. Em um prazo de um ano poderiam acabar de 500 mil a 1 milhão de empregos”, contabilizou.

 

Últimas Notícias

Michelle Bolsonaro e Marcela Temer visitam o Palácio da Alvorada
STF adia decisão definitiva sobre decreto de indulto natalino
Empresário repassou mansão a Adriana Ancelmo, diz delator
Audiência debate mudanças no currículo dos cursos de engenharia
Presidente eleito se reúne com Mozart Ramos, do Instituto Ayrton Senna
MP quer multar prefeitura de SP por falta de manutenção de viadutos
Criação de emprego formal desacelera 24,6% em outubro, revela Caged
Fábio Ramalho considera normal sua candidatura à presidência da Câmara

MAIS NOTICIAS

 

Grafiteira faz mural de 500 m2 no Rio para homenagear mulheres negras
 
 
Estados poderão decidir se darão aulas a distância no ensino médio
 
 
Estudante poderá escolher área a ser avaliada no segundo dia do Enem
 
 
PF prende suspeitos de ligações com facções criminosas em sete estados
 
 
Bolsonaro confirma Mandetta para a Saúde
 
 
México habilita 26 empresas brasileiras para compra de carne de frango

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2019 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212