Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


19 de Fev de 2019 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Brasil defende calendário eleitoral e diálogo político na Venezuela - Jornal Brasil em Folhas
Brasil defende calendário eleitoral e diálogo político na Venezuela


O ministro das Relações Exteriores, Aloysio Nunes, defendeu nesta segunda-feira (10) a confirmação do calendário eleitoral na Venezuela para que o país garanta o restabelecimento pleno da democracia. Após se encontrar com o secretário-geral da Organização dos Estados Americanos (OEA), Luís Almagro, o chanceler brasileiro não descartou uma avaliação coletiva da crise venezuelana pelos países do órgão.

O Brasil apoia o diálogo político nacional, um diálogo que seja inclusivo, leal e eficaz. E que garanta o pleno restabelecimento da democracia, a separação dos poderes e o Estado de Direito. Insistimos na urgência da confirmação do calendário eleitoral. O povo precisa falar, e a voz do povo é um elemento central na solução da crise venezuelana, disse Nunes.

O encontro entre o chanceler brasileiro e o secretário da OEA ocorreu na manhã de hoje no Palácio Itamaraty, em Brasília. Em declaração à imprensa, Aloysio Nunes lembrou que o governo brasileiro tem insistido na oferta de ajuda humanitária ao país vizinho, o que poderia minorar o sofrimento por que passa o povo venezuelano com a falta de alimentos e de remédios.

OEA reforça necessidade de eleições

De acordo com Luís Almagro, a redemocratização na Venezuela somente ocorrerá com a entrega do poder ao verdadeiro soberano, que é o povo. A única saída da crise institucional e política é com eleições, com um cronograma eleitoral que permita ao povo soberano decidir seu futuro, afirmou.

O secretário-geral da OEA disse ainda que cada artigo da Carta Democrática Interamericana foi afetado pela situação atual da Venezuela”. E citou como exemplos a persistência de presos políticos, a crise humanitária, que, segundo ele, tem afetado direitos sociais básicos da população, a falta da separação de poderes e o não reconhecimento da Assembleia Nacional.

 

Últimas Notícias

Brasil perdeu 7,2 milhões de linhas de celular no ano passado
Petrobras reduz em 3% GLP empresarial nas refinarias
Ministro do STJ nega pedido de prisão domiciliar a João de Deus
Escassez de chuvas leva governo a acionar termelétricas mais caras
Picciani, Paulo Melo e Albertassi serão julgados por Bretas
Suspensa permissão para deputada receber denúncias contra professores
MPT não descarta pedir bloqueio dos bens do Flamengo
Número de mortos identificados em Brumadinho chega a 151

MAIS NOTICIAS

 

Sul do Chile enfrenta 45 focos de incêndios florestais
 
 
Governo de Minas oferece suporte psicossocial às vítimas de Brumadinho
 
 
Força Nacional de Segurança começa a deixar o Ceará
 
 
Licitação de ônibus em São Paulo tem contratos de R$ 71 bi em 20 anos
 
 
Força Nacional vai atuar em Belém na primeira quinzena de março
 
 
Fiocruz alerta para agravamento de doenças na população após tragédia

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2017 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212