Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


15 de Fev de 2019 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Ministério Público investiga fraude em compra de merenda escolar em São Paulo - Jornal Brasil em Folhas
Ministério Público investiga fraude em compra de merenda escolar em São Paulo


O Ministério Público de São Paulo (MPSP) continua a colher depoimentos dos investigados na Operação Alba Branca, que apura fraudes em compras da merenda escolar da rede estadual. A suspeita é que a Cooperativa Orgânica Agrícola Familiar (Coaf), localizada em Bebedouro, no interior paulista, pagava propina a funcionários públicos em troca da celebração de contratos. A operação foi deflagrada no dia 19 de janeiro pelo MPSP e pela Polícia Civil de São Paulo.

Nos depoimentos foram citados agentes públicos como o presidente da Assembleia Legislativa de São Paulo, Fernando Capez (PSDB), o ex-chefe de gabinete da Casa Civil do governo estadual Luiz Roberto dos Santos, conhecido como Moita, e o atual secretário de Logística e Transporte, Duarte Nogueira Júnior, que já foi secretário de Agricultura. Foram citados ainda os deputados federais Baleia Rossi (PMDB) e Nelson Marquezelli (PTB).

Por envolver agentes públicos com foro privilegiado, o MPSP criou uma força na Procuradoria-Geral de Justiça para conduzir as investigações. Com base no que for apurado, o promotor Leonardo Romanelli pode oferecer denúncia à Justiça.

De acordo com o MP, a Coaf liderava o esquema de pagamento de propina. A cooperativa mantinha contratos com diversas prefeituras, com valores superiores a R$ 1 milhão, e um contrato com o governo estadual. A empresa também é investigada por fraudar a modalidade de compra “chamada pública”, pois ela pressupõe a aquisição de produtos de pequenos produtores agrícolas. A cooperativa, por sua vez, adquiria também de grandes produtores e na central de abastecimento do estado, segundo informou o MP.

Em nota da Secretaria de Educação, o governo paulista diz que segue a legislação do Programa Nacional de Alimentação Escolar (Pnae), que determina o uso, na merenda escolar, de 30% de alimentos cultivados e produzidos por meio da agricultura familiar, e que se mantém à disposição da Polícia Civil e do Ministério Público para dar sequência às investigações.

Para o deputado federal Nelson Marquezelli, o depoimento que cita o nome dele “não deixa claro seu envolvimento no esquema alvo da investigação”. Segundo o deputado, a citação não tem consistência: o próprio depoente deixa claro que ouviu dizer, sem apresentar qualquer indício ou prova de fatos que, seguramente, jamais ocorreram”. A nota enviada pela assessoria de Marquezelli acrescenta que ele “foi envolvido de maneira torpe, com base em declarações infundadas, sem base em nenhum fato e por versões desprovidas de fundamentos”.

O deputado Baleia Rossi repudiou a citação do nome dele nos depoimentos e disse que não tem qualquer ligação com as denúncias de corrupção. “Não interferi, recomendei, pedi ou gestionei em defesa de qualquer empresa fornecedora nas citadas prefeituras ou quaisquer outras. Inclusive, o próprio delator [ex-presidente da Coaf], Cássio Chebabi, afirma isso em sua delação, desmentindo o depoimento das pessoas que mencionam o meu nome.” Rossi disse que estuda as medidas judiciais cabíveis contra quem o tenha citado, fazendo “alegações criminosas”.

Os demais citados na investigação foram procurados pela Agência Brasil, mas não houve retorno até a publicação desta reportagem.

 

Últimas Notícias

Governadores pedem ao STF julgamento de processos sobre repasses
Ministro quer atrair investimentos privados para Jardim Botânico do RJ
Fies vai oferecer 100 mil vagas a juro zero para alunos de baixa renda
TJ libera R$ 13 milhões para Vale ressarcir gastos do governo mineiro
Vale pede mais tempo para analisar Termo de Ajuste Preliminar
Deputados do Rio presos podem ter posses suspensas
Vale suspende operação em barragem em Brucutu e de mina em Brumadinho
TRE-RJ mantém ex-deputado Paulo Melo inelegível até 2024

MAIS NOTICIAS

 

Sul do Chile enfrenta 45 focos de incêndios florestais
 
 
Governo de Minas oferece suporte psicossocial às vítimas de Brumadinho
 
 
Força Nacional de Segurança começa a deixar o Ceará
 
 
Licitação de ônibus em São Paulo tem contratos de R$ 71 bi em 20 anos
 
 
Força Nacional vai atuar em Belém na primeira quinzena de março
 
 
Fiocruz alerta para agravamento de doenças na população após tragédia

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2017 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212