Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


14 de Nov de 2018 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Lyceu de Goiânia é desocupado e apresenta grande depredação - Jornal Brasil em Folhas
Lyceu de Goiânia é desocupado e apresenta grande depredação


Ocupado por manifestantes desde 11 de dezembro do ano passado, o Colégio Estadual Lyceu de Goiânia foi desocupado nesta quinta-feira (11). A desocupação ocorreu após acordo da Secretaria de Estado da Educação, Cultura e Esporte (Seduce) com os estudantes. O detalhe destoante é que a escola ficou muito depredada, diferentemente do que vinha acontecendo nas outras desocupações. No total, já são 21 escolas desocupadas. Faltam apenas oito.
O sub-secretário da pasta, Marcelo Oliveira, negociou a saída dos estudantes do colégio. O diretor do Lyceu, Edjar Barbosa, também conversou com os manifestantes. Os ocupantes pediram que não houvesse punição ou perseguição e a construção do grêmio do colégio. A Seduce garantiu que não haverá perseguição aos ex-ocupantes. Todas as desocupações têm sido feitas de forma pacífica.
Durante a ocupação, o Lyceu foi depredado e sofreu pichações. Foram furtadas lâmpadas, computadores, aparelhos de som, caixas de papel, projetores, microondas e documentos da Coordenação. Até mesmo a geladeira da escola foi levada. Foram constatadas impressoras estragadas e a ausência de 195 colchonetes. Além disso, também foram encontrados filtros de água com focos do mosquito Aedes Aegypti.
O Colégio Estadual Lyceu de Goiânia foi fundado em 1937. Coordenadores, professores e funcionários da escola ficaram chocados com a situação da escola após os manifestantes deixarem o local. De acordo com Edjar Barbosa, a partir de agora será também elaborado um novo calendário para garantir os 200 dias letivos. São 380 alunos e, desses, 20% pediram a transferência, devido ao atraso para início das aulas. Professores efetivos também pediram transferência para outra escola.
Durante a negociação, os ocupantes não tocaram na questão da proposta de gestão compartilhada entre Estado e Organizações Sociais (OSs). Disseram que o protesto continuará, mas de outra forma. Sem ocupações. Eram em média 25 ocupantes no Lyceu.
A vistoria detalhada do prédio será feita pela Secretaria de Estado de Gestão e Planejamento (Segplan). Depois da higienização, as aulas serão retomadas, provavelmente na próxima segunda-feira (15), de acordo com informações do diretor.
Os ocupantes trancaram com cadeado a ala de salas de aula, de cozinha, laboratório e cinema. Foi preciso arrombar o portão que dá acesso a esses locais.

 

Últimas Notícias

Nordeste perdeu 1 milhão de trabalhadores no campo de 2012 para 2017
IBGE prevê em 2019 safra de grãos 0,2% menor que a de 2018
Safra de grãos pode chegar a 238,3 milhões de toneladas, diz Conab
Banco do Brasil tem lucro de 14,3% no terceiro trimestre
Percentual de inadimplentes recua em outubro, diz CNC
Boletos vencidos de todos os tipos serão pagos em qualquer banco
Leonardo de Morais toma posse na presidência da Anatel
Natal deve movimentar R$ 53,5 bilhões na economia do país, prevê SPC

MAIS NOTICIAS

 

No Congresso, Temer defende reuniões frequentes entre Poderes
 
 
Bolsonaro reafirma, no Congresso, compromisso com a Constituição
 
 
Bolsonaro critica Enem e diz que prova deve cobrar conhecimentos úteis
 
 
Governo de transição dividiu trabalhos por temas em dez frentes
 
 
Para ministro, é “mais simples” unir MEC com Ciência e Tecnologia
 
 
Bolsonaro e Temer iniciam hoje formalmente governo de transição

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2019 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212