Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


15 de Nov de 2018 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Veja a melhor estratégia para o Tesouro Direto após o maior corte de juros em 8 anos - Jornal Brasil em Folhas
Veja a melhor estratégia para o Tesouro Direto após o maior corte de juros em 8 anos


Com o maior corte em oito anos na taxa básica de juros anunciado na noite de quarta-feira (12), a estratégia para os investimentos no Tesouro Direto deve ser repensada. A perspectiva de mais quedas que levarão a Selic para 8,50% no fim do ano, conforme aponta o Boletim Focus mais recente, reforçam a necessidade de rever as compras dos títulos.

O economista e professor Alan Ghani explica que os melhores títulos para o cenário de queda de juros são os pós-fixados e atrelados à inflação. São as antigas NTN-B e agora mais conhecidas como IPCA+.

“Acredito que haja mais chance no futuro de a inflação surpreender para cima do que para baixo. Está precificado nos mercados que a reforma será aprovada, mas há o risco de isso não acontecer. Uma aplicação pós-fixada seria mais conservadora”, diz.

O sócio e gestor da Rosenberg Investimentos, Marcos Mollica, também orienta a compra de títulos atrelados à inflação. “Os novos títulos de inflação NTN-B com vencimento entre 2022 e 2026 são atrativos. Em um segundo momento, com maior confiança na aprovação das reformas pelo Congresso, podemos apostar em títulos mais longos, como aqueles com vencimento em 2050”, afirma Mollica.

O gestor destaca que o momento atual é de cautela e os vencimentos de médio prazo são seus favoritos. “Precisamos ter confiança [na aprovação das reformas] antes de arriscar mais”, explica.

De olho nessa incerteza, Ghani avalia que os títulos IPCA+ são capazes de proteger os investidos em ambos os cenários. “Se a reforma da Previdência não passa, aumenta o prêmio de título ligado à inflação. Se ela passa pelo Congresso, há uma melhora nas expectativas dos agentes do mercado e talvez a recuperação econômica venha mais rápida do que imaginamos, o que pode ter um repique sobre a inflação”, explica o economista, destacando a importância de ter títulos que remunerem a inflação do período mais juros.

 

Últimas Notícias

Arroz, feijão e carne são os alimentos mais desperdiçados no Brasil
Sobe para 9 total de mortos em deslizamento em Niterói
Bolsonaro diz que, se fosse Temer, vetaria reajuste para magistrados
Fármaco pode eliminar vírus da chikungunya, revela pesquisa
São Paulo inicia vacinação contra febre amarela
Governador lamenta mortes causadas por deslizamento em Niterói
Enem: estudantes fazem hoje prova de matemática e ciências da natureza
Mega-Sena acumula e pode pagar R$ 33 milhões no próximo sorteio

MAIS NOTICIAS

 

No Congresso, Temer defende reuniões frequentes entre Poderes
 
 
Bolsonaro reafirma, no Congresso, compromisso com a Constituição
 
 
Bolsonaro critica Enem e diz que prova deve cobrar conhecimentos úteis
 
 
Governo de transição dividiu trabalhos por temas em dez frentes
 
 
Para ministro, é “mais simples” unir MEC com Ciência e Tecnologia
 
 
Bolsonaro e Temer iniciam hoje formalmente governo de transição

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2019 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212