Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


19 de Fev de 2019 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 EUA dizem que China e Alemanha devem fazer mais para reduzir superávit comercial - Jornal Brasil em Folhas
EUA dizem que China e Alemanha devem fazer mais para reduzir superávit comercial


China e Alemanha não manipulam suas moedas para terem vantagens comerciais indevidas, mas devem se esforçar para reduzir seus respectivos superávits com os Estados Unidos, disse nesta sexta-feira o Departamento do Tesouro americano.

A decisão do Tesouro era esperada porque o próprio presidente Donald Trump deu na quinta-feira um giro de 180 graus em sua posição sobre as práticas comerciais da China, ao afirmar que Pequim não manipula o iuane.

O primeiro relatório da administração Trump sobre as políticas cambiais dos parceiros comerciais dos Estados Unidos mantém, como no governo de Barack Obama, a China e a Alemanha em uma lista de vigilância, embora utilize uma linguagem mais enérgica para referir-se a esses países.

Durante a campanha eleitoral, Trump disse que no primeiro dia de seu governo denunciaria a China por vantagens comerciais indevidas que, segundo ele, acabavam tirando empregos dos americanos e aumentando o déficit comercial bilateral.

Nenhum grande parceiro comercial dos Estados Unidos cumpre os critérios (...) que definem a manipulação da taxa de câmbio, conclui o relatório do Tesouro.

O Tesouro advertiu mas que vigiará rigorosamente a política cambial chinesa e pediu a Pequim que abra seu mercado às mercadorias e aos serviços americanos.

Segundo o Tesouro, a China restringe o acesso dos Estados Unidos a seu mercado e isso explica em parte o grande déficit comercial americano com o gigante asiático: 347 bilhões de dólares no comércio de bens.

O relatório também pressiona a Alemanha, que tem com os Estados Unidos um superávit que no ano passado foi de 65 bilhões de dólares.

A Alemanha, como quarta potência econômica mundial, (...) deve contribuir para um crescimento da demanda e dos fluxos comerciais mais equilibrados, disse o Tesouro.

O governo de Trump disse que o euro está debilitado e que Berlim se aproveita desse para multiplicar suas exportações.

 

Últimas Notícias

Brasil perdeu 7,2 milhões de linhas de celular no ano passado
Petrobras reduz em 3% GLP empresarial nas refinarias
Ministro do STJ nega pedido de prisão domiciliar a João de Deus
Escassez de chuvas leva governo a acionar termelétricas mais caras
Picciani, Paulo Melo e Albertassi serão julgados por Bretas
Suspensa permissão para deputada receber denúncias contra professores
MPT não descarta pedir bloqueio dos bens do Flamengo
Número de mortos identificados em Brumadinho chega a 151

MAIS NOTICIAS

 

Sul do Chile enfrenta 45 focos de incêndios florestais
 
 
Governo de Minas oferece suporte psicossocial às vítimas de Brumadinho
 
 
Força Nacional de Segurança começa a deixar o Ceará
 
 
Licitação de ônibus em São Paulo tem contratos de R$ 71 bi em 20 anos
 
 
Força Nacional vai atuar em Belém na primeira quinzena de março
 
 
Fiocruz alerta para agravamento de doenças na população após tragédia

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2017 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212