Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


21 de Fev de 2019 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Otan estuda possibilidade de se unir à coalizão contra grupo EI - Jornal Brasil em Folhas
Otan estuda possibilidade de se unir à coalizão contra grupo EI


A Otan explora a possibilidade de se unir à coalizão contra o grupo jihadista Estado Islâmico (EI) na Síria e no Iraque, indicou nesta quinta-feira o secretário de Defesa americano, Ashton Carter.

Estamos agora explorando a possibilidade de que a Otan se una à coalizão (...), o que é um desenvolvimento significativo, disse o chefe do Pentágono, ao final de uma reunião ministerial da coalizão em Bruxelas.

Os 28 membros da Aliança Atlântica já participam individualmente da coalizão contra o EI, liderada pelos Estados Unidos, que reúne 66 países. A Otan se manteve até agora à margem da ofensiva contra o EI.

A Otan como novo membro poderia aportar capacidades únicas, inclusive a experiência para formar e treinar tropas terrestres e apoiando a estabilização, acrescentou Carter.

Nesta quinta-feira, a Otan deu seu aval para enviar seus aviões de vigilância AWCAS nos Estados Unidos para permitir à Força Aérea americana liberar suas próprias aeronaves em operações aéreas em Iraque e Síria.

No total, 49 países estavam representados na reunião, entre eles Iraque e Arábia Saudita.

O chefe do Pentágono pediu aos membros da coalizão que contribuam com mais armas, equipamento, tropas e contribuições financeiras para lançar o plano de campanha militar da coalizão que tem como primeiro objetivo reconquistar Mossul, a segunda cidade do Iraque, e o bastião sírio do EI, Raqa.

Em 18 meses, a coalizão liderada pelos Estados Unidos fez mais de 10.000 bombardeios aéreos. O Pentágono estima que o Estado Islâmico tenha perdido 40% dos territórios que ocupava no Iraque, entre eles a cidade de Ramadi, e 10% dos que controlava na Síria.

Mas a ofensiva para reconquistar Mossul e Raqa poderia ser lançada em vários meses.

Pouco antes, Ahmed Assiri, porta-voz do ministro saudita da Defesa, o vice-príncipe herdeiro Mohamed ben Salman, assegurou que a decisão do reino de mobilizar forças em terra na Síria era irreversível.

O reino está preparado para lançar operações aéreas ou terrestres (...) no âmbito da coalizão e sob comando dos Estados Unidos, explicou sem dar maiores detalhes. Esta proposta já foi saudada na semana passada por representantes do Pentágono.

 

Últimas Notícias

Brasil perdeu 7,2 milhões de linhas de celular no ano passado
Petrobras reduz em 3% GLP empresarial nas refinarias
Ministro do STJ nega pedido de prisão domiciliar a João de Deus
Escassez de chuvas leva governo a acionar termelétricas mais caras
Picciani, Paulo Melo e Albertassi serão julgados por Bretas
Suspensa permissão para deputada receber denúncias contra professores
MPT não descarta pedir bloqueio dos bens do Flamengo
Número de mortos identificados em Brumadinho chega a 151

MAIS NOTICIAS

 

Sul do Chile enfrenta 45 focos de incêndios florestais
 
 
Governo de Minas oferece suporte psicossocial às vítimas de Brumadinho
 
 
Força Nacional de Segurança começa a deixar o Ceará
 
 
Licitação de ônibus em São Paulo tem contratos de R$ 71 bi em 20 anos
 
 
Força Nacional vai atuar em Belém na primeira quinzena de março
 
 
Fiocruz alerta para agravamento de doenças na população após tragédia

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2017 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212