Assine Brasil em Folhas / Nuvem / Pressreader



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


21 de Sep de 2018 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade
 

...

...

 
Notícias
 Grande dia para as ondas gravitacionais de Einstein - Jornal Brasil em Folhas
Grande dia para as ondas gravitacionais de Einstein


Um brilhante aniversário para as ondas gravitacionais surgidas das teorias de Albert Einstein - anunciadas em 1915, e publicadas em 1916. Cem anos depois, cientistas de vários países anunciaram nesta quinta-feira terem uma prova direta de sua existência.

A seguir, três aspectos fundamentais para compreender este acontecimento:

Pergunta: O que é uma onda gravitacional?

Resposta: Uma onda gravitacional é uma ondulação ínfima do espaço-tempo que se propaga no Universo na velocidade da luz.

Estas ondas foram apresentadas conceitualmente há 100 anos pelo físico Albert Einstein, como uma consequência de sua teoria geral da relatividade de 1915.

Einstein descreveu a gravidade como uma curvatura do espaço. As massas, como o sol, por exemplo, curvam o espaço. Um pouco como quando alguém sobe numa cama elástica ou num trampolim.

Se as massas são pequenas, a deformação é fraca (um caroço de uva numa cama elástica não a altera). Se as massas são grandes, a deformação é importante (uma pessoa sobre a cama elástica deforma a trama).

Se as massas são deslocadas e têm uma aceleração, estas deformações se deslocam e se propagam através do espaço, formando ondas gravitacionais.

Para ilustrar estas oscilações é frequentemente utilizada a imagem de ondas que se propagam na superfície de um lago quando uma pedra é lançada. Quanto mais longe, mais fraca se torna a onda.

As ondas gravitacionais procuradas e econtradas pelos cientistas do Ligo são aquelas produzidas por fenômenos astrofísicos violentos, tais como a fusão de dois buracos negros ou a explosão de estrelas gigantes.

Os outros são muito pequenas para que possam ser observadas. Mas estão em torno de nós sem estarmos conscientes disso e sem consequências para nós.

P: Por que, então, é importante conseguir detectar de maneira direta estas ondas gravitacionais?

R: Detectá-las confirma as previsões de Einstein. É um marco para os físicos. E seus principais descobridores podem aspirar a um prêmio Nobel.

Mais especificamente, abre o caminho para uma nova astronomia, a astronomia gravitacional.

Além dos vários meios eletromagnéticos para observar o cosmos atualmente, os astrofísicos têm uma nova ferramenta para a observação dos fenômenos violentos no Universo. A detecção dessas ondas gravitacionais permite ver o que acontece no interior de uma fusão de dois buracos negros, por exemplo.

Para nós, a descoberta das ondas gravitacionais não vai representar mudanças imediatas. Mas o progresso tecnológico para desenvolver os detectores de ondas poderá se refletir em nossas vidas diárias.

P: Como está organizada a detecção das ondas gravitacionais?

R: Albert Einstein estava ciente de que seria muito difícil observar as ondas gravitacionais. Por cerca de 50 anos nada aconteceu em particular. Até que nos anos 1950 o físico americano Joseph Weber estabeleceu como meta encontrá-las e construiu os primeiros detectores.

Enquanto isso, ficaram evidentes provas indiretas da existência de ondas gravitacionais.

Em 1974, a observação de um pulsar - uma estrela de nêutrons que emite radiação eletromagnética intensa numa dada direção, como um farol - em órbita de outro astro, permitiu deduzir que essas ondas existiam.

Russell Hulse e Joseph Taylor ganharam o Prêmio Nobel de Física em 1993 por este feito.

Na década de 1990 os Estados Unidos decidiram construir o LIGO (Laser Interferometer Gravitational-wave Observatory), um observatório ambicioso composto por dois instrumentos gigantes, que usam como fonte de luz um laser infravermelho. Um deles está em Louisiana e outro no estado de Washington.

França e Itália fizeram o mesmo com Virgo, perto da cidade de Pisa.

Em 2007, Ligo e Virgo decidiram trabalhar juntos, trocando dados em tempo real e analisando os resultados conjuntamente.

Nos últimos anos os instrumentos do Ligo foram submetidos a importantes modificações que o mantiveram inativo.

O detector avançado Ligo voltou a funcionar em setembro de 2015. E foi ele que detectou em 14 de setembro a onda gravitacional GW150914.

 

Últimas Notícias

Dia da Árvore: desmatamento vem caindo, mas ainda há desafios
Centro está preparado para lançamento de foguete após acidente
Cidades brasileiras integram programa de preservação de florestas
MP denuncia ex-marido de corretora assassinada no Rio
Bolsonaro segue estável e internado no Hospital Albert Einstein
Goiás entra para a elite dos Estados mais competitivos do País
Petrobras eleva gasolina em 2 centavos; diesel permanece inalterado
MME faz consulta sobre planejamento da transmissão de energia elétrica

MAIS NOTICIAS

 

Toffoli toma posse hoje na presidência do STF
 
 
Chanceler do Paraguai visita Brasil para negociar construção de pontes
 
 
Indústria recua em oito dos 15 locais pesquisados pelo IBGE em julho
 
 
Brasil amplia investimento em educação infantil, diz OCDE
 
 
México investiga caso de deputadas forçadas a renunciar
 
 
A série de ataques de 11 de Setembro completa 17 anos

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2017 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212