Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


12 de Nov de 2018 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Comissão de Direitos Humanos quer pedir federalização da chacina de Colniza - Jornal Brasil em Folhas
Comissão de Direitos Humanos quer pedir federalização da chacina de Colniza


Parlamentares da Comissão de Direitos Humanos e Minorias da Câmara dos Deputados que foram em diligência à Colniza (MT), região onde nove trabalhadores rurais foram mortos no último dia 20, vão pedir a federalização do crime.

De acordo com o presidente da comissão, Paulão (PT-AL), a intenção é que a Polícia Federal assuma o caso, para que a investigação seja feita com mais estrutura e sem pressões locais. “Vamos fazer um relatório e remetê-lo ao Ministério da Justiça e à Procuradoria-Geral da República, solicitando a participação da Polícia Federal”, disse hoje (28) o deputado, em entrevista à Agência Brasil.

Segundo Paulão, a região de Colniza tem um histórico de grilagem de terras que, no passado, envolvia pessoas com poder econômico e político. Além disso,diz o parlamentar, a polícia local tem pouca estrutura para atuar, por isso, é importante a investigaçao do crime fique a cargo da Polícia Federal.

Paulão afirmou que a comissão vai pedir também uma audiência com o presidente do Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra), Leonardo Goés, e com o governador de Mato Grosso, Pedro Taques, para tratar de titulação de terras para os pequenos agricultores de Colniza. Segundo o deputado, a disputa de por terra na região é um problema crônico que, se não resolvido, pode resultar em mais mortes. O deputado cobrou maior atuação do Ministério da Justiça no caso.

Os integrantes da Comissão de Direitos Humanos e Minorias da Câmara também fizeram uma audiência pública ontem (27), em Colniza, com moradores e representantes do poder público local. Além de Paulão, viajaram ao Mato Grosso os deputados Nilto Tatto (PT-SP), João Daniel (PT-SE) e Ságuas Moraes (PT-MT).

Os parlamentares não foram ao local das mortes por ser uma região de difícil acesso, e eles não dispunham de helicóptero. A comitiva retorna ainda hoje (28) ao Distrito Federal.

Paulão relatou que o clima entre os moradores da região é de medo e disse que, na audiência pública realizada pela comissão, poucos tiveram coragem de falar publicamente. Segundo o parlamentar, para ouvir os moradores, foi necessário fazer reuniões reservadas.

O deputado destacou que é preciso também mobilização da sociedade e do poder público para dar celeridade à apuração dos crimes e conseguir chegar não apenas aos executores, mas também aos mandantes.

Os nove trabalhadores rurais foram assassinados por homens encapuzados. Sete vítimas são de Rondônia, uma de Mato Grosso e uma de Alagoas.

Segundo a Comissão Pastoral da Terra (CPT), conflitos fundiários são comuns há mais de 10 anos na gleba onde ocorreram as mortes, com registros de assassinatos e agressões. A CPT informou que investigações policiais feitas nos últimos anos revelaram que “gerentes das fazendas na região comandavam rede de capangas para amedrontar e fazer os pequenos produtores desocuparem suas terras”.

 

Últimas Notícias

Nordeste perdeu 1 milhão de trabalhadores no campo de 2012 para 2017
IBGE prevê em 2019 safra de grãos 0,2% menor que a de 2018
Safra de grãos pode chegar a 238,3 milhões de toneladas, diz Conab
Banco do Brasil tem lucro de 14,3% no terceiro trimestre
Percentual de inadimplentes recua em outubro, diz CNC
Boletos vencidos de todos os tipos serão pagos em qualquer banco
Leonardo de Morais toma posse na presidência da Anatel
Natal deve movimentar R$ 53,5 bilhões na economia do país, prevê SPC

MAIS NOTICIAS

 

No Congresso, Temer defende reuniões frequentes entre Poderes
 
 
Bolsonaro reafirma, no Congresso, compromisso com a Constituição
 
 
Bolsonaro critica Enem e diz que prova deve cobrar conhecimentos úteis
 
 
Governo de transição dividiu trabalhos por temas em dez frentes
 
 
Para ministro, é “mais simples” unir MEC com Ciência e Tecnologia
 
 
Bolsonaro e Temer iniciam hoje formalmente governo de transição

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2019 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212