Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


19 de Jan de 2019 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Delação virou saída para reduzir pena, diz Jaques Wagner sobre Palocci - Jornal Brasil em Folhas
Delação virou saída para reduzir pena, diz Jaques Wagner sobre Palocci


Dias após Antonio Palocci decidir fazer uma delação premiada, o ex-ministro petista Jaques Wagner disse em Oxford estar tranquilo quanto ao conteúdo possivelmente revelado. Assim como devem estar tranquilos, ele afirmou à Folha, os ex-presidentes Luiz Inácio Lula da Silva e Dilma Rousseff.
Wagner, ex-ministro do governo Dilma e ex-governador da Bahia, participava do Brazil Forum, série de debates realizada neste fim de semana em Londres e Oxford.
“Eu não sei o que ele vai falar. Se alguém pode estar tenso, é quem teve relacionamento com ele”, disse. “É difícil que o Lula tenha preocupação. O Lula e a Dilma.”
“A coisa do Lula não é o patrimônio. É muito mais fazer política. Inventaram um triplex, um sítio. Dizem que há milhões em uma conta no exterior. Cadê a conta?”.
Questionado sobre as razões que levaram Palocci -ex-ministro da Fazenda e da Casa Civil- à delação, Wagner disse não existir surpresa. “No sistema jurídico que vivemos, a delação virou a única saída para não ficar preso por muito tempo.”
Réu em dois processos em Curitiba, Palocci teme que suas penas possam ultrapassar os 30 anos de prisão. A negociação do acordo será feita pelos advogados Adriano Bretas e Tracy Reinaldet.

INTRIGA

Após falar com a reportagem, Wagner participou de uma mesa com o ex-governador Ciro Gomes (PDT) e Timothy Power, diretor de estudos brasileiros em Oxford.
O tema do debate era o futuro da política após o impeachment e a Lava Jato. No sábado, o juiz Sergio Moro e o ex-ministro José Eduardo Cardozo, do PT, haviam falado entre vaias e aplausos.
“Querem transformar a política em uma torcida organizada de futebol”, disse Wagner, criticando a crescente polarização brasileira.
Wagner criticou também a existência do cargo de vice-presidente, que descreveu como “gasto de dinheiro” e “fórum de intriga”. No caso do afastamento de Dilma, ele disse que teria sido melhor haver eleições antecipadas.
“Vice-presidente, vice-governador e vice-prefeito só servem para tramar”, disse. “Com a rapidez em que a gente chega de avião, não tem sentido ter um vice.”
Ciro Gomes, pré-candidato à Presidência, disse ao público -como já havia feito antes- que “o Brasil está sob um golpe de Estado”, criticando o afastamento da presidente Dilma Rousseff. “O Brasil é um país autoritário. Nós não temos quase nenhuma tradição democrática.”
Ele afirmou que o Brasil “está rachado entre diferenças de opinião e moralismos de goela” e que “a única reforma que Michel Temer não vai poder desfazer é a tomada de três pinos, mais nada.”

ATRITOS

O debate entre Wagner e Gomes não teve grandes demonstrações políticas da plateia, ao contrário do dia anterior, quando Moro e Cardozo causaram comoção. Em outra mesa, o ministro do STF (Supremo Tribunal Federal) Luís Roberto Barroso foi chamado de “golpista”.
Já o ex-ministro Patrus Ananias, do Desenvolvimento Social e Combate à Fome, foi chamado de “demagogo”.
Ananias havia feito duras críticas às reformas implementadas pela gestão do presidente Michel Temer. “Do que Karl Marx e Rosa Luxemburgo não conseguiram me convencer, esse governo golpista conseguiu.”
O Brazil Forum, voltado a estudantes brasileiros no Reino Unido, foi organizado em parceria com a embaixada brasileira e firmas como Latam e Uber, entre outras.

 

Últimas Notícias

Inep divulga resultado do Enem
Frédéric Lamotte é o novo diretor geral da CA Indosuez Wealth (Miami) e responsável Global da região das Américas
A ACIRLAG chega para impulsionar o setor econômico da região Leste de Aparecida
Inep divulga notas do Enem na sexta-feira
Bolsonaro sanciona Lei do Orçamento 2019 de mais de R$ 3,3 trilhões
Parlamento venezuelano aprova acordo para entrada de ajuda humanitária
Imigrantes hondurenhos sofrem com obstáculos para passagem de caravana
Militares vão atuar de forma mais intensa no Programa Mais Médicos

MAIS NOTICIAS

 

ANP aprova credenciamento de empresa certificadora
 
 
Política de combate à inflação foi bem-sucedida, diz presidente do BC
 
 
Marcos Pontes: fusão de Embraer e Boeing preserva interesses do país
 
 
Número de linhas de celular tem maior queda do ano em novembro
 
 
ANP: Petrobras pede prazo maior para definir quais campos vai explorar
 
 
Ex-presidente do Banco Central defende política econômica do governo

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2017 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212