Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


16 de Fev de 2019 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Consórcio condenado a pagar R$ 200 mil por morte de operário na Arena Pantanal - Jornal Brasil em Folhas
Consórcio condenado a pagar R$ 200 mil por morte de operário na Arena Pantanal


O Tribunal Regional do Trabalho de Mato Grosso (TRT/MT) condenou o consórcio C.L.E., responsável pelas instalações de informática da Arena Pantanal, a pagar R$ 200 mil pelas irregularidades que ocasionaram a morte do trabalhador Muhammad Ali Dom Alerrandro Paolo Nicholas Poseidon Maciel Afonso, de 32 anos, ocorrida em 8 de março de 2014. A decisão é da Segunda Turma do tribunal.

Os desembargadores acataram os argumentos apresentados pelo Ministério Público do Trabalho (MPT) na ação civil pública que pede a condenação do consórcio por dano moral coletivo. A ação transitou em julgado no mês passado, ou seja, não há mais possibilidade de recurso. O montante será destinado ao Fundo de Amparo ao Trabalhador (FAT).

As empresas Etel Engenharia Montagens e Automação Ltda e Canal Livre Comércio e Serviços Ltda, que formavam o consórcio, foram consideradas culpadas de não cumprir uma série de itens de segurança obrigatórios, como a ausência de orientação e treinamento de segurança para o trabalho com instalações elétricas energizadas e fornecimento de equipamentos de proteção individual (EPIs) adequados para eletricidade.

Muhammad Ali Dom Alerrandro Paolo Nicholas Poseidon Maciel Afonso morreu no dia 8 de março de 2014 após ser eletrocutado quando lançava cabos em uma eletrocalha que estava energizada.

As empresas, inicialmente, haviam sido condenadas pelo juiz Alex Fabiano, da 6ª Vara do Trabalho de Cuiabá, a pagar R$ 2 milhões, além de ter que observar 49 obrigações. O consórcio recorreu ao TRT, questionando a condenação por dano moral coletivo. Em seu parecer, acatado pela Segunda Turma, o relator considerou o montante inicial da pena aplicada excessiva, reduzindo o montante para R$ 200 mil.

Para o relator do processo, desembargador Roberto Benatar, embora o acidente de trabalho tenha ocasionado a morte de um trabalhador, a tragédia “repercutiu na coletividade”, pois ficaram demonstradas diversas irregularidades na área de segurança e saúde do trabalho.

“Mesmo em uma sociedade capitalista, onde a maximização do lucro é a condição essencial de sua existência, o trabalho humano é o bem primordial a ser valorizado, pois constitui a base do sistema econômico”, afirmou Benatar em seu relatório.

 

Últimas Notícias

Governadores pedem ao STF julgamento de processos sobre repasses
Ministro quer atrair investimentos privados para Jardim Botânico do RJ
Fies vai oferecer 100 mil vagas a juro zero para alunos de baixa renda
TJ libera R$ 13 milhões para Vale ressarcir gastos do governo mineiro
Vale pede mais tempo para analisar Termo de Ajuste Preliminar
Deputados do Rio presos podem ter posses suspensas
Vale suspende operação em barragem em Brucutu e de mina em Brumadinho
TRE-RJ mantém ex-deputado Paulo Melo inelegível até 2024

MAIS NOTICIAS

 

Sul do Chile enfrenta 45 focos de incêndios florestais
 
 
Governo de Minas oferece suporte psicossocial às vítimas de Brumadinho
 
 
Força Nacional de Segurança começa a deixar o Ceará
 
 
Licitação de ônibus em São Paulo tem contratos de R$ 71 bi em 20 anos
 
 
Força Nacional vai atuar em Belém na primeira quinzena de março
 
 
Fiocruz alerta para agravamento de doenças na população após tragédia

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2017 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212