Assine Brasil em Folhas / Nuvem / Pressreader



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


23 de Sep de 2018 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade
 

...

...

 
Notícias
 Em Fórum no Rio de Janeiro, Marconi diz que pacto federativo “só existe no discurso” - Jornal Brasil em Folhas
Em Fórum no Rio de Janeiro, Marconi diz que pacto federativo “só existe no discurso”


“Um pacto federativo que só existe no discurso”, afirmou nesta quinta-feira, dia 18, o governador Marconi Perillo em palestra aos participantes do XXIX Fórum Nacional – Recessão, crise estadual e da infraestrutura. Para onde vai a economia brasileira?, realizado na sede do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), no Rio de Janeiro, sob a coordenação do economista e presidente interino do Instituto Nacional de Altos Estudos (INAE), Raul Velloso.

Marconi falou no painel Crise Financeira Estadual, que teve também a participação dos governadores do Rio de Janeiro, Luiz Fernando Pezão (PMDB), e de Santa Catarina, Raimundo Colombo (PSD).

Marconi lamentou que a União, que fica com 70% do bolo fiscal, se exime de responsabilidades, como a questão da Segurança Pública. Ele disse que o financiamento da Segurança Pública e da Saúde é uma das grandes contradições do chamado Pacto Federativo.

No caso da Saúde, argumentou que “a União faz de conta que paga consultas, faz de conta que paga internação e faz de conta que paga leitos de UTI”. Outra anomalia, segundo Marconi, diz respeito ao financiamento da Educação. “O Fundeb (Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação) é uma farsa”, disse, alegando que a responsabilidade maior de financiar a Educação fica com estados e municípios.

Na palestra, o governador voltou a defender a reforma da Previdência. Disse que 55% de tudo que se arrecada na União, excluindo os juros da dívida, são para bancar a Previdência. “Não tem como País dar certo”, afirmou. Explicou que em Goiás existem 400 coronéis na reserva e 33 em atividade. Dias atrás, assinou a aposentadoria de um coronel com 47 anos de idade e salário de R$ 28 mil por mês. Para Marconi, se alguma coisa não for feita, “os governos vão entrar em colapso, os estados vão falir mesmo”.

Na visão do governador goiano, é preciso afastar o populismo e o corporativismo do debate sobre a Previdência. No fórum, ele também falou dos avanços de Goiás no Ideb e o desafio de implantar o modelo de gestão escolar por Organizações Sociais. Goiás, contou, foi um dos primeiros estados a regulamentar o direito de greve. Recentemente, o STF decidiu pela proibição de greve de forças de segurança.

Fez também referência à retomada dos investimentos, uma vez que Goiás é um dos primeiros estados do País a destinar vultosos recursos para as áreas de infraestrutura, Educação e obras municipais, no valor de R$ 9 bilhões – R$ 6 bilhões de investimentos públicos e R$ 3 bilhões da iniciativa privada. Lamentou ainda que os estados continuem pagando a conta, uma vez que leis são criadas, mas a União continua se eximindo da responsabilidade de aportar recursos em áreas fundamentais, como Segurança, Saúde e Educação.

Estados quebrados
De acordo com o presidente interino do XXIX Fórum Nacional, Raul Velloso, o Brasil tem quatro apagões que precisam ser enfrentados e todos são interligados entre si. São os apagões fiscal, de investimento, de infraestrutura e de produtividade, que “se tornam muito piores por estarmos no meio da pior recessão da história”, disse.

O economista disse a atual recessão econômica é causa e também consequência desses apagões. “Por isso, é complicado e difícil resolver”, manifestou. Disse ainda que a recessão impede a economia de crescer e, fazendo isso, cria buracos financeiros muitos pesados no setor público que necessitam ser resolvidos. “Se não resolver esses buracos, o investimento não sobe”.

Todas as saídas dependem do governo federal, sinalizou. No lado fiscal, por exemplo, Raul Velloso afirmou que a ênfase tem de ser na previdência pública e fazer um fundo de ativos para ajudar a pagar o déficit previdenciário e, ao mesmo tempo, trazer dinheiro para o caixa dos estados, que estão “quebrados, porque a recessão derrubou as receitas”.

Esta foi primeira vez que o Fórum Nacional não foi presidido pelo ex-ministro João Paulo dos Reis Veloso, superintendente do Inae, que se recupera de um acidente. A participação de Marconi foi elogiada pelos governadores do Rio, Luiz Fernando Pezão, e de Santa Catarina, Raimundo Colombo, que chamou Marconi de “nossa referência”.

 

Últimas Notícias

Varejo perde R$ 19,5 bilhões em 2017 por danos em produtos e furtos
A partir deste sábado, candidatos só podem ser presos em flagrante
Brasileiros não se sentem prontos para lidar com a morte, diz pesquisa
Aos 95 anos, Gervásio Baptista recebe Medalha do Mérito Jornalístico
PF combate grupo criminoso responsável por contrabando de cigarros
Primavera começa hoje com possibilidade de novo episódio do El Niño
Facebook anuncia medidas para combater contas falsas e desinformação
Polícia Militar faz operação na Rocinha

MAIS NOTICIAS

 

Toffoli toma posse hoje na presidência do STF
 
 
Chanceler do Paraguai visita Brasil para negociar construção de pontes
 
 
Indústria recua em oito dos 15 locais pesquisados pelo IBGE em julho
 
 
Brasil amplia investimento em educação infantil, diz OCDE
 
 
México investiga caso de deputadas forçadas a renunciar
 
 
A série de ataques de 11 de Setembro completa 17 anos

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2017 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212