Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


19 de Jan de 2019 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Mais de 20 mil casos e 242 mortes por cólera no Iêmen em três semanas - Jornal Brasil em Folhas
Mais de 20 mil casos e 242 mortes por cólera no Iêmen em três semanas


A epidemia de cólera que castiga o Iêmen desde o final de abril causou 242 mortes e 23.425 casos suspeitos naquele país em guerra, indicou nesta sexta-feira a Organização Mundial da Saúde (OMS), que teme atingir 250.000 casos nos próximos seis meses.

Na quinta-feira foram registrados 3.460 novos possíveis casos e outras 20 mortes por cólera, em um país onde cerca de dois terços da população passa fome, segundo a ONU.

A velocidade de propagação da epidemia de cólera é sem precedentes, declarou por telefone à imprensa em Genebra o representante da OMS no Iêmen, Nevio Zagaria.

A cólera é uma infecção intestinal aguda, provocada pela ingestão de água ou alimentos contaminados pelo bacilo Vibrio cholerae.

Quando alguém apresenta sintomas, são na maioria dos casos de leves a moderados. No entanto, uma minoria desenvolve diarreia aquosa aguda, acompanhada de desidratação grave. Sem medicação e tratamento, este quadro pode ser fatal, de acordo com a OMS.

A epidemia se espalha por todo o país, onde as instalações hospitalares e condições de higiene se deterioraram pela guerra entre rebeldes xiitas huthis e as forças leais ao governo, apoiadas desde março de 2015 por uma coalizão árabe liderada pela Arábia Saudita.

A guerra causou uma grave crise humanitária no Iêmen. Cerca de 19 milhões de pessoas, ou seja, em torno de dois terços da população, precisam urgentemente de ajuda humanitária.

Na segunda-feira os rebeldes xiitas declararam estado de emergência pela epidemia de cólera e pediram ajuda à comunidade internacional para enfrentar o problema na capital Sanaa.

Os casos de cólera registrados recentemente superam a média habitual e o sistema de saúde da capital é incapaz de conter esta catástrofe, afirmou o Departamento de Saúde da administração instaurada pelos rebeldes xiitas huthis na capital do país.

De acordo com a OMS, os combates deixaram mais de 8.000 mortos e mais de 44.500 feridos desde março de 2015.

Zagaria explicou que as agências da ONU estão se preparando para lançar um plano de emergência contra a cólera no Iêmen nas próximas 48 horas, com a intenção de aumentar o número de centros de tratamento e reidratação.

Ele lamentou a falta de fundos recebidos para ajudar as autoridades iemenitas a reparar as infraestruturas destruídas pelos combates e ataques aéreos da coalizão árabe.

A velocidade (de propagação) da doença é muito alta e se faz necessária uma ajuda substancial para reparar a rede de encanamento e esgoto e tentar purificar o sistema sanitário, disse ele.

 

Últimas Notícias

Inep divulga resultado do Enem
Frédéric Lamotte é o novo diretor geral da CA Indosuez Wealth (Miami) e responsável Global da região das Américas
A ACIRLAG chega para impulsionar o setor econômico da região Leste de Aparecida
Inep divulga notas do Enem na sexta-feira
Bolsonaro sanciona Lei do Orçamento 2019 de mais de R$ 3,3 trilhões
Parlamento venezuelano aprova acordo para entrada de ajuda humanitária
Imigrantes hondurenhos sofrem com obstáculos para passagem de caravana
Militares vão atuar de forma mais intensa no Programa Mais Médicos

MAIS NOTICIAS

 

ANP aprova credenciamento de empresa certificadora
 
 
Política de combate à inflação foi bem-sucedida, diz presidente do BC
 
 
Marcos Pontes: fusão de Embraer e Boeing preserva interesses do país
 
 
Número de linhas de celular tem maior queda do ano em novembro
 
 
ANP: Petrobras pede prazo maior para definir quais campos vai explorar
 
 
Ex-presidente do Banco Central defende política econômica do governo

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2017 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212