Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


17 de Fev de 2019 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Okja, o monstro do Netflix que provoca polêmica mas agrada em Cannes - Jornal Brasil em Folhas
Okja, o monstro do Netflix que provoca polêmica mas agrada em Cannes


A controvérsia envolvendo o filme Okja, do sul-coreano Bong Joon-ho, o primeiro do Netflix a disputar a Palma de Ouro, ofuscou sua estreia nesta sexta-feira, mas não impediu os aplausos ao longa-metragem.

Na aguardada primeira exibição do filme, no Grande Teatro Lumière do Palácio de Festivais, aconteceram algumas vaias quando o logo do Netflix - que decidiu não exibir o filme nas salas de cinema francesas -, apareceu na tela. As reclamações se repetiram quando problemas técnicos forçaram o recomeço do filme.

Mas ao final da exibição para a imprensa, os críticos aplaudiram a história da amizade entre uma menina e um animal insólito, geneticamente modificado, que uma multinacional deseja capturar. A mensagem principal é um apelo contra os maus-tratos dos animais e os métodos selvagens das grandes empresas.

Questionado sobre o incidente durante a entrevista coletiva após a exibição, o diretor Bong Joon-Ho minimizou o fato.

Sempre acontecem problemas técnicos nos festivais, estou muito feliz porque vocês assistiram as primeiras cenas duas vezes.

O cineasta também evitou briga com o presidente do júri desta edição do festival, o espanhol Pedro Almodóvar, para quem seria um enorme paradoxo que a Palma de Ouro ou qualquer outro prêmio entregue a um filme não possa ser assistido nas salas de cinema.

Almodóvar pode dizer o que quiser. Estou feliz de ter meu filme aqui. Sou um fã de Pedro e que fale bem ou mal (do filme) já me sinto homenageado, declarou.

A atriz britânica Tilda Swinton, que interpreta a ambiciosa presidente da multinacional, opinou que as afirmações do diretor espanhol comprometeram as possibilidades de Okja estar entre os premiados, ao mesmo tempo que defendeu o direito de Almodóvar falar o que quiser.

Desde o anúncio da seleção de Okja e de outro filme produzido pelo Netflix - The Meyerowitz Stories, do americano Noah Baumbach, que será exibido domingo -, para a mostra oficial de Cannes, a plataforma americana enfrenta a revolta dos defensores das salas de cinema.

A gigante do streaming, que tem 100 milhões de assinantes, não pretende exibir os dois filmes nas salas de cinema francesas. A situação provocou irritação entre os puristas da sétima arte e o circuito exibidor francês.

Pressionados, os organizadores do festival mudaram as regras para exigir, a partir de 2018, que todo filme na disputa pela Palma de Ouro se comprometa a ser exibido nas salas francesas.

O presidente do Netflix, Reed Hastings, escreveu no Facebook na semana passada, em plena polêmica, que Okja é um filme incrível, cuja participação na competição de Cannes as salas de cinema querem impedir.

Ao falar sobre o financiamento do filme, que custou 50 milhões de dólares, Bong Joon-Ho afirmou que o Netflix contribuiu com um orçamento importante e uma liberdade total em todas as fases das filmagens e da montagem.

Respeitaram meu trabalho, disse.

Além da camaleônica Swinton, o elenco tem ainda o americano Jake Gyllenhaal e a britânica Lily Collins. A jovem Seo-Hyun Ahn interpreta com brio a jovem protagonista.

O filme se passa entre a Coreia do Sul e Nova York.

Na questão técnica, para criar as imagens do insólito animal, que tem uma aparência surpreendente, foram utilizados vários atributos procedentes de animais reais, afirmou o especialista de efeitos visuais Erik-Jan de Boer.

Observamos porcos e hipopótamos e utilizamos estas informações para tornar Okja o mais hiper-realista possível, explicou.

 

Últimas Notícias

Governadores pedem ao STF julgamento de processos sobre repasses
Ministro quer atrair investimentos privados para Jardim Botânico do RJ
Fies vai oferecer 100 mil vagas a juro zero para alunos de baixa renda
TJ libera R$ 13 milhões para Vale ressarcir gastos do governo mineiro
Vale pede mais tempo para analisar Termo de Ajuste Preliminar
Deputados do Rio presos podem ter posses suspensas
Vale suspende operação em barragem em Brucutu e de mina em Brumadinho
TRE-RJ mantém ex-deputado Paulo Melo inelegível até 2024

MAIS NOTICIAS

 

Sul do Chile enfrenta 45 focos de incêndios florestais
 
 
Governo de Minas oferece suporte psicossocial às vítimas de Brumadinho
 
 
Força Nacional de Segurança começa a deixar o Ceará
 
 
Licitação de ônibus em São Paulo tem contratos de R$ 71 bi em 20 anos
 
 
Força Nacional vai atuar em Belém na primeira quinzena de março
 
 
Fiocruz alerta para agravamento de doenças na população após tragédia

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2017 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212