Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


18 de Fev de 2019 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Tesouro Direto derrete com incertezas políticas e abre oportunidade de compra - Jornal Brasil em Folhas
Tesouro Direto derrete com incertezas políticas e abre oportunidade de compra


A rentabilidade bruta dos títulos do Tesouro Direto derreteram após o terremoto em Brasília com a divulgação da delação do dono da JBS, Joesley Batista, envolvendo o presidente Michel Temer. A taxa de retorno do título IPCA+ com vencimento em 2045, por exemplo, despencou 19,6% com o caos político.

O economista e professor Alan Ghani explica que as taxas dos títulos incorporam as expectativas de inflação e de juros futuros acrescidas de um prêmio de risco. “De ontem para hoje as expectativas para inflação não mudaram, foi o prêmio de risco que aumentou muito”, explica.

Embora o terremoto político tenha levado alguns economistas a revisarem sua perspectiva de corte da Selic na próxima reunião do Copom (Comitê de Política Monetária) – de 1 ponto percentual para 0,75 pp – a curva de juros no longo prazo não sofreu tamanha mudança para justificar o tombo nos rendimentos, segundo o economista.

“O cenário político piorou muito e enfraqueceu muito o governo, o que levou a uma incerteza grande em relação às reformas, principalmente da Previdência, ficou mais difícil sua aprovação. Se não aprovar, piora a parte fiscal, o que aumenta o risco. Para financiar o governo [por meio do Tesouro Direto], o mercado vai exigir mais taxa de juros do que exigiu até ontem, quer mais retorno para compensar esse risco”, explica Ghani.

Se o cenário é de riscos elevados? Vale a pena comprar agora? “Particularmente acho que ainda tem muita incerteza, muita novidade para sair e há espaço para a taxa subir mais um pouco, mas já é um bom momento para comprar”, conta Ghani.

O economista conta que, quem quiser se arriscar um pouco mais, pode esperar por mais uma ou duas semanas para comprar com taxas mais atrativas. No futuro, as taxas tendem a se normalizar. “O Brasil é um ‘player’ importante no mercado”, destaca o economista ao explicar que o risco não deve se manter em curva ascendente por longos períodos.

Se o momento é bom para compra, quem tem os títulos que estão derretendo não precisa se desesperar. O prejuízo só é realizado que o investidor vender o título, o que não é recomendado pelo economista. Se for mantido até sua data de vencimento, o título tem sua rentabilidade contratada garantida.

 

Últimas Notícias

Governadores pedem ao STF julgamento de processos sobre repasses
Ministro quer atrair investimentos privados para Jardim Botânico do RJ
Fies vai oferecer 100 mil vagas a juro zero para alunos de baixa renda
TJ libera R$ 13 milhões para Vale ressarcir gastos do governo mineiro
Vale pede mais tempo para analisar Termo de Ajuste Preliminar
Deputados do Rio presos podem ter posses suspensas
Vale suspende operação em barragem em Brucutu e de mina em Brumadinho
TRE-RJ mantém ex-deputado Paulo Melo inelegível até 2024

MAIS NOTICIAS

 

Sul do Chile enfrenta 45 focos de incêndios florestais
 
 
Governo de Minas oferece suporte psicossocial às vítimas de Brumadinho
 
 
Força Nacional de Segurança começa a deixar o Ceará
 
 
Licitação de ônibus em São Paulo tem contratos de R$ 71 bi em 20 anos
 
 
Força Nacional vai atuar em Belém na primeira quinzena de março
 
 
Fiocruz alerta para agravamento de doenças na população após tragédia

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2017 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212