Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


14 de Nov de 2018 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Educação prepara trabalho que considera as diferenças de alunos das culturas quilombola e indígena - Jornal Brasil em Folhas
Educação prepara trabalho que considera as diferenças de alunos das culturas quilombola e indígena


Após um trabalho de diagnóstico, a Seduce, por meio da Superintendência do Ensino Fundamental, começou a esboçar uma proposta de educação que respeita as diferenças da cultura quilombola e indígena. Respeito às diferenças, esse é o lema de um trabalho iniciado pela Secretaria de Educação, Cultura e Esporte (Seduce) em 2016 que visa promover o ensino respeitando as especificidades de alunos indígenas e quilombolas.

A proposta direcionada às comunidades quilombolas, inclusive, é tema de uma formação para professores de escolas dos municípios de Teresina, Cavalcante e Monte Alegre, realizada nesta quinta e sexta-feira, dias 18 e 19, em Goiânia.

Mais de 70 professores se reúnem no Hotel Umuarama para participar de apresentações e oficinas com o tema Identidade, Contextualização e Teoria da Ação Docente do Currículo das Escolas Quilombolas. O grupo atende a alunos do 1º ao 9º anos do Ensino Fundamental, Educação de Adolescentes, Jovens e Adultos (EJA).

“A formação continuada tem o objetivo de construir a proposta de educação escolar quilombola, não só para as comunidades kalunga, mas para todas as escolas que têm o currículo que atende este público no estado de Goiás”, explica a coordenadora da Educação do Campo Escolar, Indígena e Quilombola da Seduce, Valéria Cavalcante da Silva.

Entre as diferenças a serem levadas em conta para a proposta de educação diferenciada, estão aspectos como salas multisseriadas e especificidades da cultura quilombola. Para tanto, a Secretaria vai trabalhar com calendário acadêmico diferenciado e Projeto Político Pedagógico próprio para cada escola e sua extensão.

A Seduce atende a 39 comunidades quilombolas em todo o Estado, tanto na zona rural quanto urbana.

Parceria

O trabalho desenvolvido pela Seduce conta com apoio da Universidade Federal de Goiás (UFG), Universidade Estadual de Goiás (UEG), professores e pesquisadores. Professora de português da Comunidade II de Monte Alegre, Lourdes Fernandes de Souza, acredita que o encontro é uma oportunidade de melhorar seu trabalho como docente. “Cada unidade de ensino tem sua realidade, ações, modelo de escola e Projeto Político Pedagógico diferenciado. Isso respeita a realidade de cada aluno”, avalia a professora.

 

Últimas Notícias

Nordeste perdeu 1 milhão de trabalhadores no campo de 2012 para 2017
IBGE prevê em 2019 safra de grãos 0,2% menor que a de 2018
Safra de grãos pode chegar a 238,3 milhões de toneladas, diz Conab
Banco do Brasil tem lucro de 14,3% no terceiro trimestre
Percentual de inadimplentes recua em outubro, diz CNC
Boletos vencidos de todos os tipos serão pagos em qualquer banco
Leonardo de Morais toma posse na presidência da Anatel
Natal deve movimentar R$ 53,5 bilhões na economia do país, prevê SPC

MAIS NOTICIAS

 

No Congresso, Temer defende reuniões frequentes entre Poderes
 
 
Bolsonaro reafirma, no Congresso, compromisso com a Constituição
 
 
Bolsonaro critica Enem e diz que prova deve cobrar conhecimentos úteis
 
 
Governo de transição dividiu trabalhos por temas em dez frentes
 
 
Para ministro, é “mais simples” unir MEC com Ciência e Tecnologia
 
 
Bolsonaro e Temer iniciam hoje formalmente governo de transição

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2019 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212