Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


16 de Nov de 2018 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Defensoria Pública do Rio dá entrada em 20 ações para troca de nome e gênero - Jornal Brasil em Folhas
Defensoria Pública do Rio dá entrada em 20 ações para troca de nome e gênero


O Núcleo de Defesa dos Direitos Homoafetivos e Diversidade Sexual (Nudiversis) da Defensoria Pública do Estado do Rio de Janeiro deu entrada hoje (29), Dia Nacional de Visibilidade Trans, em 20 ações de mudança de nome e gênero. As ações, ajuizadas na Vara de Registros Públicos da Capital, são embasadas por laudos psicossociais elaborados por equipe multidisciplinar do núcleo.

A coordenadora do Nudiversis, Livia Casseres, explicou que a entrada de duas dezenas de ações foi simbólica, aproveitando a data, para provocar o Judiciário a refletir sobre a questão e acelerar esses tipos de processos. “Os processos demoram muito, anos. Há juízes que suspendem o processo enquanto a pessoa não fizer a cirurgia. É preciso desvincular as mudanças de nome e gênero de questões cirúrgicas, anatômicas, pois muitas pessoas se sentem bem com seu corpo, mas exercem uma identidade de gênero diferente”.

Até o primeiro semestre do ano passado, a fila para cirurgias de transgenitalização chegava a 300 pessoas no estado do Rio de Janeiro. Com a crise financeira na saúde do Rio, as cirurgias foram interrompidas. “Isso pode emperrar os processos ainda mais,” lamentou. “A manutenção do registro civil, da identidade, do CPF incompatíveis com a identidade que a pessoa exerce é um fator de contínua de discriminação dela no dia a dia. Ela precisa da sua identidade de gênero reconhecida civilmente para poder exercer sua dignidade plena”.

A supervisora do projeto Damas (um curso de capacitação profissional para travestis e transexuais) da prefeitura do Rio, Beatriz Cordeiro, explicou que a mudança de nome e gênero contribui para maior inserção dessa população, ainda tão marginalizada, no mercado de trabalho. “A minha documentação condiz com a minha expressão de gênero, o que facilita demais a nossa inserção”.

Segundo Beatriz, uma pesquisa feita na capital, aponta que 92% dos travestis e sexuais que se prostituem gostariam de ocupar o mercado formal de trabalho. “Infelizmente, eles são postos nesses nichos profissional, porque não é oferecida a oportunidade da diversidade profissional, mesmo que a pessoa tenha capacidade, formação e qualificação para ocupar qualquer vaga”, disse.

 

Últimas Notícias

Presidente Díaz-Canel defende trabalho de médicos cubanos no Brasil
Ministério vai lançar edital para repor vagas de médicos cubanos
CFM afirma que há médicos suficientes para atender Brasil
Associação lança projeto para conscientizar população sobre diabetes 2
Transposição do S. Francisco está na pauta de prioridades da transição
Temer inaugura primeira etapa do acelerador de elétrons Sirius
Temer diz que decidirá “lá na frente” reajuste de ministros do STF
Só um governador do Nordeste participa de encontro em Brasília

MAIS NOTICIAS

 

Volume de vendas do varejo cai 1,3% em setembro
 
 
Gilmar Mendes suspende decisão que obriga bancos a ressarcir clientes
 
 
Prefeitos e secretários pedem para manter cubanos no Mais Médicos
 
 
Em depoimento, Lula nega que é dono de sítio em Atibaia
 
 
Mega-Sena acumula e pode pagar R$ 33 milhões no próximo sorteio
 
 
Enem: estudantes fazem hoje prova de matemática e ciências da natureza

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2019 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212