Assine Brasil em Folhas / Nuvem / Pressreader



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


23 de Sep de 2018 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade
 

...

...

 
Notícias
 Defensoria Pública do Rio dá entrada em 20 ações para troca de nome e gênero - Jornal Brasil em Folhas
Defensoria Pública do Rio dá entrada em 20 ações para troca de nome e gênero


O Núcleo de Defesa dos Direitos Homoafetivos e Diversidade Sexual (Nudiversis) da Defensoria Pública do Estado do Rio de Janeiro deu entrada hoje (29), Dia Nacional de Visibilidade Trans, em 20 ações de mudança de nome e gênero. As ações, ajuizadas na Vara de Registros Públicos da Capital, são embasadas por laudos psicossociais elaborados por equipe multidisciplinar do núcleo.

A coordenadora do Nudiversis, Livia Casseres, explicou que a entrada de duas dezenas de ações foi simbólica, aproveitando a data, para provocar o Judiciário a refletir sobre a questão e acelerar esses tipos de processos. “Os processos demoram muito, anos. Há juízes que suspendem o processo enquanto a pessoa não fizer a cirurgia. É preciso desvincular as mudanças de nome e gênero de questões cirúrgicas, anatômicas, pois muitas pessoas se sentem bem com seu corpo, mas exercem uma identidade de gênero diferente”.

Até o primeiro semestre do ano passado, a fila para cirurgias de transgenitalização chegava a 300 pessoas no estado do Rio de Janeiro. Com a crise financeira na saúde do Rio, as cirurgias foram interrompidas. “Isso pode emperrar os processos ainda mais,” lamentou. “A manutenção do registro civil, da identidade, do CPF incompatíveis com a identidade que a pessoa exerce é um fator de contínua de discriminação dela no dia a dia. Ela precisa da sua identidade de gênero reconhecida civilmente para poder exercer sua dignidade plena”.

A supervisora do projeto Damas (um curso de capacitação profissional para travestis e transexuais) da prefeitura do Rio, Beatriz Cordeiro, explicou que a mudança de nome e gênero contribui para maior inserção dessa população, ainda tão marginalizada, no mercado de trabalho. “A minha documentação condiz com a minha expressão de gênero, o que facilita demais a nossa inserção”.

Segundo Beatriz, uma pesquisa feita na capital, aponta que 92% dos travestis e sexuais que se prostituem gostariam de ocupar o mercado formal de trabalho. “Infelizmente, eles são postos nesses nichos profissional, porque não é oferecida a oportunidade da diversidade profissional, mesmo que a pessoa tenha capacidade, formação e qualificação para ocupar qualquer vaga”, disse.

 

Últimas Notícias

Deputado Marlúcio promove caminhonetadas em várias regiões de Aparecida
Dia da Árvore: desmatamento vem caindo, mas ainda há desafios
Brincar com os quatro elementos da natureza ajuda a criança a se desenvolver melhor
Meninas que praticam esportes, cuidado com a alimentação!
Indústria paulista fecha 2,5 mil postos de trabalho em agosto
Aneel descarta revisão de bandeira tarifária em conta de luz
BNDES: empréstimos para Cuba e Venezuela não deveriam ter sido feitos
Brasil amplia investimento em educação infantil, diz OCDE

MAIS NOTICIAS

 

Toffoli toma posse hoje na presidência do STF
 
 
Chanceler do Paraguai visita Brasil para negociar construção de pontes
 
 
Indústria recua em oito dos 15 locais pesquisados pelo IBGE em julho
 
 
Brasil amplia investimento em educação infantil, diz OCDE
 
 
México investiga caso de deputadas forçadas a renunciar
 
 
A série de ataques de 11 de Setembro completa 17 anos

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2017 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212