Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


21 de Fev de 2019 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Defensoria Pública do Rio dá entrada em 20 ações para troca de nome e gênero - Jornal Brasil em Folhas
Defensoria Pública do Rio dá entrada em 20 ações para troca de nome e gênero


O Núcleo de Defesa dos Direitos Homoafetivos e Diversidade Sexual (Nudiversis) da Defensoria Pública do Estado do Rio de Janeiro deu entrada hoje (29), Dia Nacional de Visibilidade Trans, em 20 ações de mudança de nome e gênero. As ações, ajuizadas na Vara de Registros Públicos da Capital, são embasadas por laudos psicossociais elaborados por equipe multidisciplinar do núcleo.

A coordenadora do Nudiversis, Livia Casseres, explicou que a entrada de duas dezenas de ações foi simbólica, aproveitando a data, para provocar o Judiciário a refletir sobre a questão e acelerar esses tipos de processos. “Os processos demoram muito, anos. Há juízes que suspendem o processo enquanto a pessoa não fizer a cirurgia. É preciso desvincular as mudanças de nome e gênero de questões cirúrgicas, anatômicas, pois muitas pessoas se sentem bem com seu corpo, mas exercem uma identidade de gênero diferente”.

Até o primeiro semestre do ano passado, a fila para cirurgias de transgenitalização chegava a 300 pessoas no estado do Rio de Janeiro. Com a crise financeira na saúde do Rio, as cirurgias foram interrompidas. “Isso pode emperrar os processos ainda mais,” lamentou. “A manutenção do registro civil, da identidade, do CPF incompatíveis com a identidade que a pessoa exerce é um fator de contínua de discriminação dela no dia a dia. Ela precisa da sua identidade de gênero reconhecida civilmente para poder exercer sua dignidade plena”.

A supervisora do projeto Damas (um curso de capacitação profissional para travestis e transexuais) da prefeitura do Rio, Beatriz Cordeiro, explicou que a mudança de nome e gênero contribui para maior inserção dessa população, ainda tão marginalizada, no mercado de trabalho. “A minha documentação condiz com a minha expressão de gênero, o que facilita demais a nossa inserção”.

Segundo Beatriz, uma pesquisa feita na capital, aponta que 92% dos travestis e sexuais que se prostituem gostariam de ocupar o mercado formal de trabalho. “Infelizmente, eles são postos nesses nichos profissional, porque não é oferecida a oportunidade da diversidade profissional, mesmo que a pessoa tenha capacidade, formação e qualificação para ocupar qualquer vaga”, disse.

 

Últimas Notícias

Brasil perdeu 7,2 milhões de linhas de celular no ano passado
Petrobras reduz em 3% GLP empresarial nas refinarias
Ministro do STJ nega pedido de prisão domiciliar a João de Deus
Escassez de chuvas leva governo a acionar termelétricas mais caras
Picciani, Paulo Melo e Albertassi serão julgados por Bretas
Suspensa permissão para deputada receber denúncias contra professores
MPT não descarta pedir bloqueio dos bens do Flamengo
Número de mortos identificados em Brumadinho chega a 151

MAIS NOTICIAS

 

Sul do Chile enfrenta 45 focos de incêndios florestais
 
 
Governo de Minas oferece suporte psicossocial às vítimas de Brumadinho
 
 
Força Nacional de Segurança começa a deixar o Ceará
 
 
Licitação de ônibus em São Paulo tem contratos de R$ 71 bi em 20 anos
 
 
Força Nacional vai atuar em Belém na primeira quinzena de março
 
 
Fiocruz alerta para agravamento de doenças na população após tragédia

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2017 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212