Assine Brasil em Folhas / Nuvem / Pressreader



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


20 de Sep de 2018 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade
 

...

...

 
Notícias
 Bomba usada em Manchester era potente e sofisticada (NYT) - Jornal Brasil em Folhas
Bomba usada em Manchester era potente e sofisticada (NYT)


A bomba detonada por um jovem suicida em Manchester na segunda-feira à noite, que deixou 22 mortos e 59 feridos, era potente e sofisticada, segundo fotos da polícia britânica reveladas e analisadas nesta quarta-feira pelo The New York Times (NYT).

A análise inicial da bomba, baseada em elementos fotografados e recolhidos na cena do crime, não permitem deduzir a quantidade ou o tipo de explosivo que compunha a carga, mas faz pensar que se tratava de um dispositivo artesanal fabricado depois de uma profunda reflexão e com cuidado, segundo o jornal americano.

O periódico publica com exclusividade oito fotos nas quais são vistos diferentes elementos do explosivo, do detonador a uma bateria, passando por fragmentos de uma mochila azul, pedaços de metal e de parafusos.

Estes elementos, analisados por pessoas especializadas em manejo de explosivos, e que foram consultadas pelo The New York Times, permitem deduzir que a bomba era potente, dotada de uma carga ultrarrápida e que o projétil foi colocado com cuidado e metodicamente para causar o maior dano possível.

A bomba era suficientemente potente para impulsionar o tórax do suicida para longe da explosão e causar a devastação em um grande semicírculo, onde estava a maioria das vítimas, segundo o jornal.

A publicação insiste no fato de que a bomba tinha um detonador pouco comum, com um pequeno circuito impresso e não um simples interruptor, como costumar ser. Isso poderia sugerir que havia um retardador, um receptor para ativá-lo à distância, ou uma combinação de ambos.

Segundo especialistas questionados pelo NYT, esta possível redundância poderia ter sido instalada para dar diferentes opções que permitiriam ativar o explosivo pelo suicida ou pela célula que planejou o atentado.

O dispositivo também contava com uma bateria mais potente do que as utilizadas normalmente para este tipo de artefato.

Todos estes sinais poderiam ser um indício de que o artífice tinha dificuldades de fabricar um detonador confiável.

 

Últimas Notícias

Centro está preparado para lançamento de foguete após acidente
Cidades brasileiras integram programa de preservação de florestas
MP denuncia ex-marido de corretora assassinada no Rio
Bolsonaro segue estável e internado no Hospital Albert Einstein
Goiás entra para a elite dos Estados mais competitivos do País
Petrobras eleva gasolina em 2 centavos; diesel permanece inalterado
MME faz consulta sobre planejamento da transmissão de energia elétrica
Inadimplência do consumidor subiu 3,63% em agosto

MAIS NOTICIAS

 

Toffoli toma posse hoje na presidência do STF
 
 
Chanceler do Paraguai visita Brasil para negociar construção de pontes
 
 
Indústria recua em oito dos 15 locais pesquisados pelo IBGE em julho
 
 
Brasil amplia investimento em educação infantil, diz OCDE
 
 
México investiga caso de deputadas forçadas a renunciar
 
 
A série de ataques de 11 de Setembro completa 17 anos

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2017 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212