Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


18 de Fev de 2019 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Bomba usada em Manchester era potente e sofisticada (NYT) - Jornal Brasil em Folhas
Bomba usada em Manchester era potente e sofisticada (NYT)


A bomba detonada por um jovem suicida em Manchester na segunda-feira à noite, que deixou 22 mortos e 59 feridos, era potente e sofisticada, segundo fotos da polícia britânica reveladas e analisadas nesta quarta-feira pelo The New York Times (NYT).

A análise inicial da bomba, baseada em elementos fotografados e recolhidos na cena do crime, não permitem deduzir a quantidade ou o tipo de explosivo que compunha a carga, mas faz pensar que se tratava de um dispositivo artesanal fabricado depois de uma profunda reflexão e com cuidado, segundo o jornal americano.

O periódico publica com exclusividade oito fotos nas quais são vistos diferentes elementos do explosivo, do detonador a uma bateria, passando por fragmentos de uma mochila azul, pedaços de metal e de parafusos.

Estes elementos, analisados por pessoas especializadas em manejo de explosivos, e que foram consultadas pelo The New York Times, permitem deduzir que a bomba era potente, dotada de uma carga ultrarrápida e que o projétil foi colocado com cuidado e metodicamente para causar o maior dano possível.

A bomba era suficientemente potente para impulsionar o tórax do suicida para longe da explosão e causar a devastação em um grande semicírculo, onde estava a maioria das vítimas, segundo o jornal.

A publicação insiste no fato de que a bomba tinha um detonador pouco comum, com um pequeno circuito impresso e não um simples interruptor, como costumar ser. Isso poderia sugerir que havia um retardador, um receptor para ativá-lo à distância, ou uma combinação de ambos.

Segundo especialistas questionados pelo NYT, esta possível redundância poderia ter sido instalada para dar diferentes opções que permitiriam ativar o explosivo pelo suicida ou pela célula que planejou o atentado.

O dispositivo também contava com uma bateria mais potente do que as utilizadas normalmente para este tipo de artefato.

Todos estes sinais poderiam ser um indício de que o artífice tinha dificuldades de fabricar um detonador confiável.

 

Últimas Notícias

Brasil perdeu 7,2 milhões de linhas de celular no ano passado
Petrobras reduz em 3% GLP empresarial nas refinarias
Ministro do STJ nega pedido de prisão domiciliar a João de Deus
Escassez de chuvas leva governo a acionar termelétricas mais caras
Picciani, Paulo Melo e Albertassi serão julgados por Bretas
Suspensa permissão para deputada receber denúncias contra professores
MPT não descarta pedir bloqueio dos bens do Flamengo
Número de mortos identificados em Brumadinho chega a 151

MAIS NOTICIAS

 

Sul do Chile enfrenta 45 focos de incêndios florestais
 
 
Governo de Minas oferece suporte psicossocial às vítimas de Brumadinho
 
 
Força Nacional de Segurança começa a deixar o Ceará
 
 
Licitação de ônibus em São Paulo tem contratos de R$ 71 bi em 20 anos
 
 
Força Nacional vai atuar em Belém na primeira quinzena de março
 
 
Fiocruz alerta para agravamento de doenças na população após tragédia

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2017 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212