Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


17 de Jan de 2019 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Tesouro dos EUA pede aumento do limite máximo da dívida antes de agosto - Jornal Brasil em Folhas
Tesouro dos EUA pede aumento do limite máximo da dívida antes de agosto


O governo dos Estados Unidos pediu nesta quarta-feira ao Congresso que eleve o teto da dívida antes do recesso legislativo de agosto, uma vez que os novos cálculos do Tesouro anteciparam a data na qual ficaria sem fundos.

Pedimos a elevação dos limites máximos de dúvida antes de seu recesso de verão (...) Podemos discutir como cortaremos a despesa depois, declarou Steven Mnuchin, secretário do Tesouro, em um discurso perante o Comitê de Bens e Arbítrios da Câmara dos Representantes.

Mnuchin ressaltou que é absolutamente fundamental manter a solvência dos EUA.

Isso significa que os legisladores devem tomar a decisão antes de 28 de julho, último dia de trabalho no Congresso antes das férias de verão nos EUA.

Anteriormente, Mick Mulvaney, diretor de Gestão de Orçamento da Casa Branca, advertiu nesta manhã perante outro comitê da Câmara dos Representantes que os investimentos por impostos estão sendo menores que o esperado, razão pela qual é possível que logo recebam notificação do secretário Mnuchin sobre uma mudança de data.

Em princípio, o Tesouro tinha situado outubro ou novembro como data limite para a elevação dos limites máximos de endividamento, que agora pode acontecer em setembro ou outubro.

A dívida dos EUA se encontra atualmente perto de US$ 20 bilhões, e ainda que tenha superado o limite, o Tesouro pode recorrer a manobras contábeis para manter a capacidade de pagamento.

No entanto, uma vez que estas se esgotem, estaria em jogo a capacidade de pagamento das obrigações contraídas pelo governo federal.

O Congresso é quem deve aprovar este aumento do teto de dívida, mas não parece uma tarefa simples, já que muitos dos legisladores da maioria republicana se mostraram contrários a aumentar o teto de endividamento durante o governo do ex-presidente democrata Barack Obama (2009-2017).

A falta de acordo sobre um aumento deste teto em 2011, quando se esteve a ponto de declarar a suspensão de pagamentos do governo, fez com que a agência de qualificação Standard & Poors rebaixasse pela primeira vez na história a qualidade creditícia dos EUA.

 

Últimas Notícias

John Forman recusa cargo no Conselho de Administração da Petrobras
Em visita oficial, Macri é recebido no Planalto por Bolsonaro
Mercado financeiro prevê inflação em 4,02% neste ano
Consultas de CPFs para vendas a prazo no comércio crescem 2,8%
Produção de bicicletas aumenta 15,9% no Brasil
Receita abre consulta a restituição do Imposto de Renda de 2008 a 2018
Ex-comandante da Marinha é indicado para o conselho da Petrobras
Inflação para idosos fecha 2018 em 4,75%, informa FGV

MAIS NOTICIAS

 

ANP aprova credenciamento de empresa certificadora
 
 
Política de combate à inflação foi bem-sucedida, diz presidente do BC
 
 
Marcos Pontes: fusão de Embraer e Boeing preserva interesses do país
 
 
Número de linhas de celular tem maior queda do ano em novembro
 
 
ANP: Petrobras pede prazo maior para definir quais campos vai explorar
 
 
Ex-presidente do Banco Central defende política econômica do governo

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2017 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212