Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


16 de Fev de 2019 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Exército filipino ataca islamitas leais ao EI - Jornal Brasil em Folhas
Exército filipino ataca islamitas leais ao EI


O Exército filipino bombardeou nesta quinta-feira os islamitas inspirados no grupo extremista Estado Islâmico (EI) no sul do arquipélago, onde, segundo a imprensa, os insurgentes assassinaram civis, o que levou o presidente Rodrigo Duterte a decretar lei marcial na região.

Os combatentes islamitas iniciaram na terça-feira seus ataques contra a cidade de maioria muçulmana de Marawi, situação que levou Duterte a decretar o regime de exceção em toda a região de Mindanao.

A lei marcial é válida sobre o terço meridional do território filipino, área em que moram 20% dos mais de 100 milhões de habitantes do arquipélago.

As autoridades dizem que têm dificuldades para acabar com a crise. Os combatentes islamitas se encontram entrincheirados nos edifícios residenciais, colocaram bombas nas ruas e sequestraram católicos.

As pessoas têm medo. Não querem abrir os estabelecimentos. Os escritórios estão fechados. Não queremos que as pessoas sejam usadas como escudos humanos, declarou o prefeito de Marawi, Majul Usman Gandamra.

Dois helicópteros militares sobrevoavam a cidade e os blindados percorriam as ruas, ao mesmo tempo que era possível ouvir os tiros de armas armas automáticas.

Muitos dos 200.000 habitantes da cidade fugiram. Segundo o exército, cinco soldados, um policial e 13 extremistas morreram nos confrontos.

- Decapitação -

As autoridades não anunciaram vítimas entre os civis, mas o canal GMA divulgou imagens que mostram os corpos de nove pessoas, aparentemente mortas a tiras. As vítimas tinham as mãos atadas.

Estas pessoas foram capturadas em um posto de controle e assassinadas pelos extremistas depois que foram identificadas como cristãs, informou a emissora.

Duterte anunciou na quarta-feira que um chefe de polícia foi decapitado em um posto de controle.

De acordo com fontes militares, os jihadistas são apenas 50 a 100 pessoas.

Pelo menos 12 católicos são mantidos como reféns em uma catedral, segundo o arcebispo da cidade, Edwin Dela Pena.

Os combates em Marawi explodiram depois de um ataque das forças de segurança contra um suposto esconderijo de Isnilon Hapilon, considerado o líder do EI nas Filipinas.

O governo dos Estados Unidos considera Isnilon Hapilon um dos terroristas mais perigosos do mundo e oferece uma recompensa de cinco milhões de dólares por ele. Hapilon também é um dos líderes do Abu Sayyaf, grupo islamita especializado em sequestros.

Mas as forças de segurança registraram um grande fracasso em sua operação. Dezenas de combatentes contra-atacaram, antes de espalhar o caos na cidade, agitando bandeiras do EI.

Os islamitas também atacaram duas prisões, de acordo com Mujiv Hataman, governador de um distrito muçulmano autônomo que inclui Marawi, e incendiaram vários prédios, incluindo uma igreja e uma universidade.

Diante da situação e alegando a intenção de proteger a população, o presidente Duterte ameaçou na quarta-feira ampliar a lei marcial a todo país, algo que segundo ele poderia recordar o período da ditadura de Ferdinand Marcos.

O Abu Sayyaf, presente na maioria das ilhas mais meridionais de Mindanao, sequestrou centenas de filipinos e estrangeiros desde os anos 1990.

De acordo com especialistas da área de segurança, Isnilon Hapilon se esforça para unir os grupos filipinos que juraram lealdade ao EI.

Desde os anos 1970, a rebelião muçulmana pede uma região autônoma ou independente em Mindanao. Os combates deixaram mais de 130.000 mortos.

Abu Sayyaf, Maute e outros grupos islamistas desejam estabelecer um califado islamita em nome do EI, segundo os especialistas.

 

Últimas Notícias

Governadores pedem ao STF julgamento de processos sobre repasses
Ministro quer atrair investimentos privados para Jardim Botânico do RJ
Fies vai oferecer 100 mil vagas a juro zero para alunos de baixa renda
TJ libera R$ 13 milhões para Vale ressarcir gastos do governo mineiro
Vale pede mais tempo para analisar Termo de Ajuste Preliminar
Deputados do Rio presos podem ter posses suspensas
Vale suspende operação em barragem em Brucutu e de mina em Brumadinho
TRE-RJ mantém ex-deputado Paulo Melo inelegível até 2024

MAIS NOTICIAS

 

Sul do Chile enfrenta 45 focos de incêndios florestais
 
 
Governo de Minas oferece suporte psicossocial às vítimas de Brumadinho
 
 
Força Nacional de Segurança começa a deixar o Ceará
 
 
Licitação de ônibus em São Paulo tem contratos de R$ 71 bi em 20 anos
 
 
Força Nacional vai atuar em Belém na primeira quinzena de março
 
 
Fiocruz alerta para agravamento de doenças na população após tragédia

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2017 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212